Quinta-feira, 26 de abril de 2018

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Omelete – O ou a?

quarta-feira, 25 de abril de 2018

dúvida do leitor

O leitor Sálvio de Souza envia a seguinte mensagem para a seção Gramatigalhas:

"Tenho ouvido, em restaurantes, pessoas pedindo o omelete, em vez de a omelete. Como tem sido muito comum, até eu fiquei na dúvida: o certo é o omelete ou a omelete? Obrigada."

envie sua dúvida

1) Um leitor afirma ter ouvido, com certa frequência, em restaurantes, pessoas pedindo o omelete em vez de a omelete. Como até ele ficou na dúvida, pergunta se o correto é o omelete ou a omelete.

2) Ora, sempre é bom lembrar – até para criar no leitor o salutar hábito de um raciocínio que se repete – que, quando se quer saber se uma palavra existe ou não em português, ou mesmo qual é seu gênero, grafia e/ou pronúncia, ou qual o seu plural quando foge à normalidade, deve-se tomar por premissa o fato de que a autoridade para listar oficialmente os vocábulos pertencentes ao nosso idioma e para definir-lhes as demais peculiaridades e circunstâncias, é a Academia Brasileira de Letras.

3) E essa autoridade, a ABL a exerce por via da edição do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa.

4) Uma simples consulta ao VOLP mostra que omelete é palavra que tanto pode ser usada no masculino como no feminino (a omelete ou o omelete). E mais: o VOLP registra adicionalmente a forma omeleta, pertencente ao feminino (2009, p. 596).

5) Uma primeira observação: omelete tem som aberto (é), mas omeleta tem som fechado (ê).

6) Uma segunda observação: Antônio Houaiss segue o VOLP e registra omelete no masculino e no feminino (2001, p. 2.062); mas Aurélio Buarque de Holanda Ferreira a registra apenas no feminino (2010, p. 1.506). E fica a dúvida sobre quem está com a razão. Ora, sem desprezo algum pelo grande trabalho prestado pelos dicionaristas ao idioma, o certo é que, quando há divergência entre algum deles e o VOLP, a razão há de estar sempre com este último, que é a palavra de quem detém a autoridade oficial para definir aspectos linguísticos dessa natureza.

7) Em reposta ao leitor, confiram-se os seguintes exemplos, com a indicação de sua correção ou erronia entre parênteses: a) "Ele pediu um omelete com queijo” (correto); b) "Ele pediu uma omelete com queijo" (correto); c) "Ele pediu uma omeleta com queijo" (correto).

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.