Domingo, 30 de abril de 2017

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Se + se – Existe?

quarta-feira, 26 de abril de 2017

dúvida do leitor

O leitor Lafaiete Rodrigues de Faria envia a seguinte dúvida para a seção Gramatigalhas:

"Duplo 'se'. Não consigo identificar o que significa cada 'se' na frase 'Há satisfação dobrada se se oferece espontaneamente o que está faltando'. Sintaticamente, o que seriam?"

envie sua dúvida

1) Um leitor diz não conseguir identificar o que significa o emprego, duas vezes seguidas, do se em frases como a seguinte: "Há satisfação dobrada se se oferece espontaneamente o que está faltando".

2) Ora, uma primeira observação que se faz é que, numa sequência como essa, o emprego seguido da palavra se está perfeitamente de acordo com a norma culta e com as regras do uso do vernáculo. Não há erro algum nessa repetição.

3) Uma segunda observação é que cada se tem sua própria função na estrutura da frase, e sua identificação emerge da análise sintática que se faz do exemplo.

4) No caso, como normalmente ocorre em tais situações, o primeiro se está a indicar uma condição para a oração que introduz, a qual, então, é uma oração subordinada adverbial condicional.

5) O segundo se pertence à oração "se oferece espontaneamente o", e a respeito dela se podem fazer as seguintes ponderações: a) o pronome o pode ser substituído, para facilidade de análise, por aquilo; b) essa oração pode ser posta em ordem direta, também para facilitar a análise ("aquilo se oferece espontaneamente"); c) essa frase que tem tal se é reversível, isto é, pode ser dita de outro modo, fazendo-se desaparecer o se ("aquilo é oferecido espontaneamente"); d) em uma frase como essa original, o exemplo está na voz passiva sintética; e) já o exemplo transformado está na voz passiva analítica; f) em casos assim, o segundo se é partícula apassivadora ou pronome apassivador.

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.