Domingo, 24 de setembro de 2017

ISSN 1983-392X

A nota de Raquel Dodge

de 10/9/2017 a 16/9/2017

"Estava lendo um jornal quando me deparo com nota da nova procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, com o seguinte teor: 'Engana-se quem pensa que o fim do mandato do meu antecessor na Procuradoria Geral da República, Rodrigo Janot, possa representar um alívio para malfeitores. Primeiro porque quem está atuando não é uma pessoa e sim uma instituição. Nem eu nem meu antecessor somos a personificação do Ministério Público, mas apenas representantes, com funções específicas. A instituição permanece funcionando de acordo com o sistema constitucional. Em segundo lugar, a atuação do procurador-Geral Rodrigo Janot tem sido, a meu ver, condizente com suas atribuições. Eventuais diferenças de atuação terão sido pontuais, sob o aspecto das estratégias de ação, mas em nenhum caso em desacordo com a lei. Finalmente, ainda que vislumbrasse erros na atuação do órgão, seriam muito diversos dos cometidos por aqueles que tentam dificultar as investigações. Porque invariavelmente os erros desta instituição, quando acontecem, o são na tentativa de acertar, sem qualquer má-fé, e no máximo atingiriam direitos individuais, passíveis de corrigenda pela via judicial. Já os 'erros' que combatemos são aqueles praticados dolosamente, com intenções nada republicanas, que são lesivas ao país. E o pior: só podem ser corrigidos se descobertos, porque em geral a criminalidade age às escondidas, e só pode ser detectada com muito esforço das autoridades policiais e do Ministério Público. A Procuradoria Geral da República vai permanecer atuando da forma como se espera, em estrita e inafastável obediência à Constituição Federal e às leis vigentes. É irrelevante a vontade pessoal de quem ocupa este órgão ministerial, já que há um sistema em que se insere. A par das especulações, é preferível que o foco das atenções seja dirigido ao cumprimento da lei. Raquel Dodge, procuradora-Geral da República'. Foi então que percebi que estava sonhando. Já desperto, procurei a nota mas não a encontrei."

Nelson Zunino Neto - 12/9/2017

"Control 'V' ou control 'C', quem viver verá! Você Nelson Zunino Neto verberou o que está na alma de todos os procuradores, o que falta é atravessar a ponte. Prometer e cumprir, dizia um antepassado de escol: é muito para um homem só, ou no nosso exemplo, uma mulher. Saindo do 'bambuzal e das flechas' foi o que deu: 'deixar as raposas cuidar do galinheiro', foram-se as aves, e pelo jeito se a PGR não continuar batendo forte, não ficará nem sinal do galinheiro."

Cleanto Farina Weidlich - 14/9/2017

Comente