Terça-feira, 12 de dezembro de 2017

ISSN 1983-392X

Advocacia estampada

de 3/12/2017 a 9/12/2017

"Na verdade, os 'nouveau riche' ficam deslumbrados com as benesses que contratos milionários (pagos, com toda a certeza, com dinheiro surrupiado dos contribuintes)proporcionam, e se expõem a situações vexatórias, posando com lenços na cabeça, fumando charutos cubanos caríssimos, bebendo vinhos de preços astronômicos, e outras gracinhas do gênero (Migalhas 4.242 - 27/11/17 - "Advocacia estampada - II" - clique aqui). Nada contra os profissionais de sucesso, mas o dinheiro fácil sobe à cabeça, e dá azo a esta exposição cada dia mais recidiva nos noticiários, expondo toda uma categoria de profissionais ao escárnio da população. Está errado, colegas! Pessoalmente, não acredito que isto equivalha a sucesso na profissão, ao menos sob a ótica de quem trabalha duro advogando por mais de 45 anos. A OAB, ao contrário do que faz, deveria promover uma moção de censura a tal comportamento, que não deixa de ser propaganda, no mínimo, pouco ética."

Sergio Gonçalves Maia - 4/12/2017

"Ora, ora, caro colega, Sérgio. OAB? Do Rio, de São Paulo? O Conselho Federal? Nas duas últimas décadas só politiqueiros, metidos a avançadinhos e crentes do malsão politicamente correto, as têm dirigido. Como são eleitos, parece-me que o problema está na maioria que os elege. Uma vez lá, são mordidos pela mosca azul da comichão do palco maior da política. Então tudo vira um jogo de cena, de oportunismo reles, de sede de holofotes. Nunca mais se livram do budum fedorento da política dos grêmios estudantis. É só analisar o comportamento do outrora respeitável Centro Acadêmico XI de Agosto. Um centro de desgosto, inflamado e caracterizado por infantilismo esquerdizante marcado pelo deboche. A dra. Janaína Paschoal que o diga."

Alexandre de Macedo Marques - 6/12/2017

Comente