Quarta-feira, 18 de julho de 2018

ISSN 1983-392X

"Perfeito, sem desbastes (Migalhas 4.394 - 10/7/18 - "Cronista onírico" - clique aqui)."

Janaína Nunes - 10/7/2018

"Sensato (Migalhas 4.394 - 10/7/18 - "Cronista onírico" - clique aqui). Oportuno. Equilibrado. Justo. Honesto. Sabor de 'quero mais'. Em tempo: consegui vomitar tudo quanto me empachou nos últimos dias. Agradeço."

José Aranda Gabilan - 10/7/2018

"Sábias palavras, parabéns pela espontaneidade do comentário (Migalhas 4.394 - 10/7/18 - "Cronista onírico" - clique aqui)."

Sérgio Luiz Rodrigues Lima - 10/7/2018

"Perfeita abordagem sobre questões atuais e igualmente importantes para a ordem jurídica (Migalhas 4.394 - 10/7/18 - "Cronista onírico" - clique aqui)."

Vilmar Luís Nunes - 10/7/2018

"Lamentável esta análise (Migalhas 4.394 - 10/7/18 - "Cronista onírico" - clique aqui). Vocês do Migalhas também me parecem muito parciais como a Folha de São Paulo."

José Barboza - 10/7/2018

"E o que dizer, ao lado do que foi dito nesta coluna, sobre a Justiça parcial, aplicada por membros partidários e parciais, colocados em seus postos por apadrinhamento e não competência ou meritocracia (Migalhas 4.394 - 10/7/18 - "Cronista onírico" - clique aqui)?"

Paola Furini Pantiga Franco de Godoy - 10/7/2018

"Quem é mesmo o Dr. Semana (Migalhas 4.394 - 10/7/18 - "Cronista onírico" - clique aqui)? Será que poderiam identificá-lo? Porque, realmente, esse texto, na minha opinião, deixa muito a desejar. A mim me parece ser da lavra de alguém muito ligado ao PT. Porque, sim, o crime de corrupção deveria ir pro rol dos crimes hediondos."

Rosângela Bentes Campos - 10/7/2018

"Que texto espetacular (Migalhas 4.394 - 10/7/18 - "Cronista onírico" - clique aqui). De uma lucidez crua e sem tendências ideológicas. Destaco em especial o seguinte ponto: 'O que retira recursos do Estado é a incompetência, o gigantismo e o privilégio de castas de funcionários públicos, que formam um gigantesco e ineficiente Estado, que está muito mais preocupado com a sua própria manutenção do que em servir ao cidadão'. Enquanto as forças nocivas à esta nação deixam perpetrar a falácia do que acaba com o Brasil é a corrupção, o povo incauto não ataca os reais fatores de atraso: gigantismo da máquina pública, casta privilegiada e incompetência administrativa. Reitero minha opinião, excelente texto."

Eduardo Taveira Pinheiro - 11/7/2018

Comente