Sexta-feira, 17 de agosto de 2018

ISSN 1983-392X

Reação

OAB questionará no STF autorização de prisão a partir de segunda instância

A entidade ainda analisa uma data para o ajuizamento da ADPF.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

O Conselho Federal da OAB anunciou que irá ajuizar uma ADPF no STF para questionar recente decisão da Corte que mudou a jurisprudência, tornando possível a prisão a partir da decisão de 2ª instância.

A decisão foi tomada nesta quarta-feira, 24, pelo plenário da Ordem. A entidade ainda analisa uma data para ingresso.

Segundo o relator da matéria analisada, Luiz Saraiva Correia, o entendimento do STF é contrário à CF. Para o conselheiro, o réu só pode ser efetivamente apenado após o trânsito em julgado da sentença, sendo que a antecipação da pena causa fortes impactos, violando inclusive direitos humanos e constitucionais.

"Somos voz da advocacia e somos também a voz do cidadão. Quando uma condenação acontece sem derivar do respectivo trânsito em julgado, tira-se a oportunidade do cidadão de defender-se em todas as instâncias que lhe couber por meio da atuação de seu advogado. O Conselho Pleno entende que devemos ajuizar a ação", afirmou o presidente nacional da Ordem, Claudio Lamachia.

Presunção de inocência

A decisão do Supremo a que se refere o plenário da OAB foi proferida na última quarta-feira, 17, no julgamento do HC 126.292, que discutia a legitimidade de ato de TJ que, ao negar provimento a recurso exclusivo da defesa, determinou o início da execução da pena.

Na ocasião, os ministros, por maioria, seguiram entendimento do relator do remédio heroico, Teori Zavascki, firmando a tese de que: "A execução provisória de acórdão penal condenatório proferido em grau de apelação, ainda que sujeito a recurso especial ou extraordinário, não compromete o princípio constitucional da presunção de inocência."

Tendo como mote a polêmica decisão, na última semana diversas entidades, associações e operadores do Direito se manifestaram externando, de um lado, apoio ao posicionamento do STF, e, de outro, contrariedade.

leia mais

Ministro Marco Aurélio determina que preso após condenação em 2ª instância seja colocado em liberdade

STJ: Imunidade parlamentar não se aplica para execução da pena após condenação em segundo grau

STF mantém posicionamento para permitir prisão após condenação em 2ª instância

STJ esperará decisão do STF para apreciar expedição imediata de mandado de prisão

Marco Aurélio vota contra prisão após condenação em 2ª instância

Desentendimento supremo

Fachin revoga decisão de Lewandowski e determina execução de pena após condenação em 2ª instância

Lewandowski diz que decisão do plenário não tem efeito vinculante e solta homem antes do trânsito em julgado

Celso de Mello suspende execução de prisão de réu antes de trânsito em julgado

Ministro Barroso: Prisão após condenação em 2ª instância confere credibilidade ao Judiciário

Criminalistas pedem calma sobre decisão de permitir prisão a partir de segunda instância

Fachin determina que juízo de origem decida sobre prisão de Luiz Estevão

STF rejeita a guarda da Constituição Federal

Roberto Parentoni

Decisão arriscada

Paulo Marcondes Brincas

Novas reflexões sobre a mudança de jurisprudência do Supremo

Exclusivo - Advogada do HC do Supremo fala da mudança na jurisprudência

Reflexões sobre a mudança de jurisprudência do Supremo - Relativização da presunção de inocência

Ajufe: Permitir prisão após condenação em segunda instância é avanço no processo penal

Decisão do Supremo é mais um capítulo do Direito Penal de emergência

Gamil Föppel El Hireche e Pedro Ravel Freitas dos Santos

A volta da "execução provisória" da pena

Adel El Tasse

Um desastre humanitário

Luiz Flávio Borges D´Urso

Advogados e instituições criticam decisão do STF que permite prisão a partir de 2ª instância

JULGAMENTO HISTÓRICO: STF muda jurisprudência e permite prisão a partir da decisão de segunda instância

Previsão do decano

informativo de hoje

patrocínio

VIVO
Advertisement

últimas quentes