Quarta-feira, 15 de agosto de 2018

ISSN 1983-392X

STF

Fachin mantém execução provisória da pena de réu condenado por tráfico

Ministro reafirmou jurisprudência no STF sobre a possibilidade de execução provisória da pena após condenação em 2º grau.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

O ministro Edson Fachin, do STF, negou provimento a RHC interposto pela Defensoria Pública com objetivo de suspender a execução provisória da pena de um réu condenado por tráfico de drogas (art. 33, caput e § 4º, c/c o art. 40, I, da lei 11.343/06) até o julgamento definitivo da ação penal.

O recurso foi interposto contra decisão do STJ, que manteve a execução provisória da pena de 4 anos, 10 meses e 10 dias de reclusão, em regime semiaberto.

De acordo com o ministro, a decisão do STJ, ao negar HC ao réu, limitou-se a observar a jurisprudência da Suprema Corte e não configura constrangimento ilegal.

Fachin pontuou que a decisão proferida pelo plenário do STF no HC 126.292, em que se reconheceu a possibilidade de execução provisória de provimento condenatório sujeito a recursos excepcionais, parte da premissa de que, nas palavras do ministro Teori Zavascki, é “no âmbito das instâncias ordinárias que se exaure a possibilidade de exame de fatos e provas e, sob esse aspecto, a própria fixação da responsabilidade criminal do acusado.“

Ainda de acordo com Fachin, a orientação foi sufragada pelo plenário ao apreciar medida cautelar nas ADCs 43 e 44, ocasião em que se almejava, sob a ótica do art. 283, do CPP, a desconstituição da decisão anteriormente proferida pelo plenário. E, em seguida, o Tribunal reafirmou sua jurisprudência, emitindo, sob a sistemática da repercussão geral, a seguinte tese: “A execução provisória de acórdão penal condenatório proferido em grau recursal, ainda que sujeito a recurso especial ou extraordinário, não compromete o princípio constitucional da presunção de inocência afirmado pelo artigo 5º, inciso LVII, da Constituição Federal.” (ARE 964.246, Rel. Min. Teori Zavascki, julgado em 11.11.2016)

“À obviedade, o ato apontado como coator que, mediante convicção racional, limita-se a observar a jurisprudência da Suprema Corte, vinculante ou não, não configura constrangimento ilegal.”

Veja a íntegra da decisão.

leia mais

STF autoriza execução provisória da pena do deputado Federal João Rodrigues

Em sabatina, Moraes defendeu que execução da pena após 2ª instância não fere a Constituição

Prisão após condenação em 2ª instância se justifica por número baixo de absolvição no STJ?

Absolvição de réus condenados em 2ª instância é de 0,62% no STJ

Instituto pede no Supremo que execução antecipada seja somente após condenação no STJ

Pena restritiva de direitos não admite execução provisória

Qual o futuro da execução antecipada?

Não é possível execução provisória das penas restritivas de direitos

Prisão em 2ª instância é debatida no STJ

Encontro marcado - Prisão após 2ª instância - STJ

STJ: Não é possível execução provisória da pena com pendência de julgamento de embargos

Ministro Lewandowski: Tribunal não pode ordenar prisão se juiz sentenciante garante apelação em liberdade

Gilmar Mendes suspende início de execução da pena de condenado em 2ª instância

STF: Ministros citam equívocos na interpretação da decisão sobre prisão após 2º grau

STF: Prisão após decisão de 2ª instância é permitida, porém não obrigatória

STF confirma prisão após 2ª instância em processo com repercussão geral

Ministro Marco Aurélio determina que preso após condenação em 2ª instância seja colocado em liberdade

STF mantém posicionamento para permitir prisão após condenação em 2ª instância

Desentendimento supremo

Celso de Mello suspende execução de prisão de réu antes de trânsito em julgado

JULGAMENTO HISTÓRICO: STF muda jurisprudência e permite prisão a partir da decisão de segunda instância

patrocínio

VIVO
Advertisement

últimas quentes