Quinta-feira, 27 de julho de 2017

ISSN 1983-392X

2010

A Igreja de Nossa Senhora das Dores do Aterrado foi o núcleo inicial a congregar os fazendeiros da região, de onde surgiu a povoação, que foi a distrito pela Lei provincial nº 497, de 28 de junho de 1850, confirmada pela Lei estadual nº 2, de 14 de setembro de 1891, ficando a integrar o município de Cássia.

O município foi criado pela Lei estadual nº 843, de 7 de setembro de 1923. Por esta mesma Lei, o topônimo foi mudado para Ibiraci, ficando a nova comuna composta dos distritos de Ibiraci, a sede, e Garimpo das Canoas. A sede municipal, foi declarada cidade a 10 de setembro de 1925, pela Lei estadual nº 893. Com a instalação do município de Claraval, Ibiraci perdeu o distrito de Garimpo das Canoas, ficando apenas com o da sede.

O município foi termo anexo da comarca de Cássia, até o advento da Constituição estadual de 1947, pela qual passou a sede de comarca, pelo artigo 25 das Disposições Constitucionais Transitórias. A comarca foi instalada a 15 de novembro de 1948.

___________________

Data da Fundação: 6 de abril de 1924

Ibiraci teve origem em um pequeno povoado, chamado Aterrado, à margem esquerda do Ribeirão do Ouro (onde hoje se encontra o Bairro da Santa Helena). Pequenos povoados ou grupos de casas feitas de barro, cobertas às vezes de capim, serviam de pouso para viajantes a caminho de outros lugares e de apoio para os garimpeiros que chegavam à região.

Documentos já se referem ao Aterrado desde 1763, pertencendo à Capitania de São Paulo, sendo que nesta época se reconhecia as divisas com Minas Gerais através de marcos colocados na Serra do Itambé, obedecendo a uma fronteira conhecida como Linha Tomaz Rubim, definida em 1749.

Em 1805, com a fundação de Franca, seu fundador, Cap. Hyppolito Antonio Pinheyro, construiu um Quartel de Guardas no Arraial do Aterrado, para guardar a fronteira contra o avanço dos mineiros. Dois anos depois, os mineiros construíram a pouca distância também um quartel, criando uma zona de permanente vigilância entre "os de Jacuhy e os de Franca".

No dia 12 de janeiro de 1816, o Capitão Felizardo Antunez Cintra, a mando da Câmara de Jacuhy, "deita abaixo" o quartel do Aterrado e avança os marcos 5 léguas (33 kms) dentro da Capitania de São Paulo, colocando-os às margens do rio Canoas.

Apesar dos protestos da Câmara de Mogi Mirim e da Freguezia da Franca, o próprio governador paulista, Conde de Palma, recomendou que não houvesse retaliação e sim tentativas diplomáticas e políticas para que Minas reconsiderasse a atitude. O governador mineiro afirmou ao governador de São Paulo que não havia autorizado a ocupação e inclusive oficial à Câmara de Jacuhy a que retorne os marcos aos lugares de origem, mas nada foi feito.

O comandante da ocupação, Cap. Felizardo Antunez Cintra passa então a residir no Arraial do Aterrado e em 1817 pede ao bispo de São Paulo (pois a área estava pertencia eclesiasticamente à Diocese de São Paulo) autorização para erigir uma capela. No dia 1 de outubro de 1824 é celebrada a primeira missa na Capela pelo Padre Manoel Coelho Vital.

Como na escritura de doação das terras para ereção da Capela, Dona Faustina Maria das Neves determina que a padroeira seja Nossa Senhora das Dores, acontece a mudança do orago e a partir de 1850, passa a se chamar Freguesia de Nossa Senhora das Dores do Aterrado.

Pela Lei nº 843 de 7 de setembro de 1923 é elevado a município com o nome de Ibiracy, compreendendo os distritos da sede e do Garimpo das Canoas, atual Claraval, o qual perde em 1953.

A instalação se dá a 6 de abril de 1924 (data que é comemorada como o dia da cidade) e o nome Ibiracy foi dado por Basílio Magalhães, escritor e político encarregado de alterar a toponímia dos distritos que eram emancipados através de uma visão nacionalista, procurando encontrar referências regionais e registrá-las em tupi guarani, por isto as informações sobre as "frondosas árvores da região" que recebeu levaram-no a juntar "Ibira" = árvore, com "cy" = mãe ou terra.

_________________

Locais históricos

Ponte dos Peixotos

Construída sobre o Rio Grande, entre 1902 e 1.913, tem 158 metros e era responsável pelo escoamento da produção do Triangulo Mineiro para o Sul de Minas. É Patrimônio Cultural tombado do município de Ibiraci.

Usina Hidrelétrica Marechal Mascarenhas de Moraes

Localizada entre as Usinas de Furnas e de Estreito, a Usina de Peixoto está entre dois grandes complexos energéticos. Sua história data de 1947, quando a CPFL via ameaçada de esgotamento a sua capacidade de geração. Em 1950, a CPFL consegui uma concessão para construí-la e sete anos depois, duas unidades de 40 MW cada, entraram em operação.

Capela de Nossa Senhora Aparecida

É uma construção pequena e simples, de 1932 e tem um grande valor histórico para a região, pois ali aconteceu a batalha de 12 de janeiro de 1816, quando os mineiros destruíram o Quartel do Aterrado, que era paulista e incorporaram a região à capitania de Minas Gerais.

Capela de Nossa Senhora das Graças

Através dela recontamos a história da doação do patrimônio de Ibiraci por D. Maria Faustina das Neves em 1819 e a fundação da vila, com a celebração da primeira missa na capela criada em 01 de outubro de 1824.

Capela da Piçarra

Projeto do arquiteto francês J.E.Chauviére, foi concluída em 1931, já fazendo parte do complexo turístico do "Hotel das Águas Virtuosas de Ibiracy", empreendimento dos francanos Torquato e Higyno Caleiro. É Patrimônio Cultural tombado do município de Ibiraci.

Capela do Rosário

Construída a partir de 1852, a Capela de Nossa Senhora do Rosário seguia originalmente o estilo colonial português. Por volta de 1920 sua fachada foi modificada incluindo elementos românicos, o que a tornou uma composição arquitetônica única na região, dentre suas contemporâneas. É Patrimônio Cultural tombado do município de Ibiraci.

Represa de Peixoto

Criada pela barragem da Usina de Peixoto, a represa abriga uma verdadeira cidade ao seu redor. Formada por uma paisagem magnífica, proporciona descanso e contato com a natureza.

Cachoeira da Piçarra

Localizada na Fazenda Piçarra, é uma queda não muito grande, mas que chama a atenção de quem visita o lugar. È propriedade privada, sendo um dos principais atrativos do Hotel Fazenda Fagundes.

_________________

Personagem

José Limonti Junior 

Artista plástico e pesquisador histórico. Membro da oscip PROBRIG, do Conselho Municipal do Patrimônio Cultural, da oscip Associação dos Historiadores e Pesquisadores do Sertão do Jacuhy e responsável pelo Projeto Mestre Athaide.

___________________

O recenseamento geral de 1950 indicava uma população de 14.886 habitantes no município de Ibiraci. De acordo com os dados do censo, a população se distribuía da seguinte forma:

Localização de população

População presente (1/7/1950)

Homens

Mulheres

Total

Números absolutos

% sobre o total geral

Sede

738

734

1.502

10.09

Vila de Itaú de Minas

539

581

1.120

7.52

Quadro rural

6.251

6.013

12.264

82.39

TOTAL

7.528

7.358

14.886

100.00


De acordo também com o recenseamento de 1950, a população de dividia nos seguintes ramos de atividade:

Ramos de atividade

População presente de 10 anos e mais

Homens

Mulheres

Total

Números absolutos

% sobre o total geral

Agricultura, pecuária e silvicultura

3.854

118

3.972

40.03

Indústrias extrativas

17

1

18

0,18

Indústria de transformação

163

1

164

1,70

Comércio de mercadorias

99

1

105

1.05

Comércio de imóveis e valores imobiliários, crédito, seguros e capitalização

7

_

7

0,07

Prestação de serviços

82

107

189

1,90

Transporte, comunicações e armazenagem

38

3

189

1,90

Profissões liberais

9

3

41

0,41

Atividades sociais

22

18

40

0,40

Administração pública, Legislativo e Justiça

44

1

45

0,45

Defesa nacional e segurança pública

8

3

41

0,41

Atividades domésticas não remuneradas e atividades escolares discentes

397

4.424

4.821

48.58

Condições inativas

283

220

503

5.06

TOTAL

5. 023

4.899

9.922

100,00


Agricultura, pecuária e silvicultura – a produção agrícola no município, em 1955, foi expressa pelos dados que seguem:


Culturas agrícolas

Área (ha)

Produção

Valor

Unidade

Quantidade

Cr$ 1.000

% sobre o total

Café

1.900

Arroba

100.000

45.000

84.50

Arroz

850

Saco 60 kg

14.000

5.600

10.51

Milho

600

Saco 60 kg

17.000

2.040

3.83

Outras

-

-

-

622

1.16

TOTAL

-

-

-

53.262

100.00


Quanto ao rebanho no município, em 1955, a situação era a seguinte:

Rebanhos

Número de cabeças

Valor

Cr 1.000

% sobre o total

Asininos

35

53

0,11

Bovinos

20.000

34.000

70.82

Caprinos

100

15

0,03

Equinos

2.300

3.450

7.18

Muares

650

1.625

3.40

Ovinos

400

60

0.13

Suínos

11.000

8.800

18.33

TOTAL

48.003

100,00


Meios de Transporte

Na década de 50 o território era cortado por 148 km de estradas de rodagem, sendo que 112 estavam sob a administração municipal e o restante pertencia a particulares. Em 1955, registravam-se 54 automóveis, 45 camionetas, 86 caminhões e 5 ônibus.

Comércio e bancos

A população de Ibiraci contava nos anos 50 com 41 estabelecimentos comerciais varejistas. Desses, 30 estavam situados na sede.

___________________