Segunda-feira, 26 de junho de 2017

ISSN 1983-392X

2006

Distrito criado, com a denominação de Cafelândia, por Lei nº 1663, de 27 de novembro de 1919, no Município de Pirajuí.

Nos quadros de apuração do recenseamento geral de 1-IX-1920, a vila de Cafelândia figura como Distrito do Município de Pirajuí.

Elevado à categoria de Município com a denominação de Cafelândia, por Lei Estadual nº 2113, de 30 de julho de 1925, desmembrado de Pirajuí. Constituído do Distrito Sede. Sua instalação verificou-se no dia 28 de fevereiro de 1926.

Segundo a divisão administrativa referente ao ano de 1933, Cafelândia se compõe unicamente do Distrito deste nome.

Lei nº 2650, de 17 de janeiro de 1936, cria o Distrito de Vila Simões e incorpora ao Município de Cafelândia.

Nas divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, e no quadro anexo ao Decreto-lei Estadual nº 9073, de 31 de março de 1938, o referido Município figura com o Distrito da Sede e o de Vila Simões.

Pelo Decreto Estadual nº 9775, de 30 de novembro de 1938, que fixou o quadro territorial para vigorar no qüinqüênio 1939-1943, o Município de Cafelândia passou a abranger o novo Distrito de Mesquita, constituído com parte do território do Distrito sede.

Assim, por força desse Decreto, o referido Município ficou composto pelos Distritos de Cafelândia, Mesquita e Simões (Ex-Vila Simões).

De acordo com o Decreto-lei Estadual nº 14334, de 30 de novembro de 1944, que fixou o quadro da divisão territorial administrativo-judiciária do Estado de São Paulo, em vigência no período 1945-1948, Cafelândia perdeu parte do território do Distrito da sede, anexada ao de Guarantã, do novo Município deste nome, e adquiriu os Distritos de Bacuriti e Cafesópolis; o primeiro formado com partes dos territórios dos Distritos de Simões e Sabino, respectivamente, dos Municípios de Cafelândia e Lins, e o segundo, criado com parte do território do Distrito de Inhema (ex-Mesquita), do Município de Cafelândia.

Pelo citado Decreto, Cafelândia se compõe dos Distritos de Cafelândia, Bacuriti, Cafesópolis, Inhema (ex-Mesquita) e Simões.

Lei Estadual nº 233, de 24 de dezembro de 1948, desmembra do Município de Cafelândia o Distrito de Julio Mesquita (ex-Inhema).

Assim permanece o quadro territorial para vigorar no período de 1949-1953. O Município de Cafelândia é constituído de 4 distritos. Cafelândia, Bacuriti, Cafesópolis e Simões (ex-Vila Simões).

Em divisão territorial datada de 01-VII-1960, o Município de Cafelândia é constituído de 4 Distritos: Cafelândia, Bacuriti, Cafesópolis e Simões.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 15-VII-1997.

Ficou pertencendo à comarca de:

Bauru – 1919

Pirajuí – 1919

Cafelândia - 1934

A comarca de Cafelândia consta atualmente dos seguintes municípios:

Júlio Mesquita e Guarantã

Advogados de destaque na década de 50:

  • Dr. Paschal Tocci Bócci
  • Dr. Sebastião Mesquita

Primeiro juiz de direito:
  • Dr. Arnaldo Ferreira Lima
Primeiro promotor de justiça: 
  • Dr. Luiz de Mello Kujawski

Denominações Anteriores: Presidente Penna.

Fundadores: Coronel Beraldo Arruda, Coronel Antônio Ferraz Salles e Irmão José e Jacob Zuchi

Data da Fundação: Ano de 1916.

A fundação de Cafelândia coincide com a inauguração da estação Afonso Pena, da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil. A estação foi construída em terrenos doados pela firma J. Zuchi & Irmãos. Os primeiros moradores foram: os irmãos Zuchi, Coronel Maurício Moreira, Pedro Teodoro Raposo dos Santos e José de Oliveira Guedes.

A estação ficava situada longe da povoação. Posteriormente, José Zuchi mandou edificar a povoação de Afonso Pena, providenciando, inclusive, diversos melhoramentos urbanos. Com o crescimento, as duas localidades se fundem, formando a atual Cafelândia.

_______________

  • Origem do nome

Devido à extensa área cultivada com café.

__________

  • Locais históricos

Estação de Penna

A estação de Penna foi inaugurada em 1908, tendo mais tarde sido alterado o seu nome para Cafelândia. No projeto, a estação, antes da inauguração, chamava-se Monjolo. Em 1954, com a abertura da variante de Lins, a estação recebeu um novo prédio (*RNOB-1954). É uma das poucas estações que ainda mantém seus desvios, que abrigam um cemitério de vagões.





Histórico da Linha: A Estrada de Ferro Noroeste do Brasil foi aberta em 1906, seguindo a partir de Bauru, onde a Sorocabana havia chegado em 1905, até Presidente Alves, em setembro de 1906. Em janeiro de 1907 atingia Lauro Müller, em 1908 Araçatuba e em 1910 atingia as margens do rio Paraná, em Jupiá, de onde atravessaria o rio, de início com balsas, para chegar a Corumbá, na divisa com a Bolívia, anos depois. O trecho entre Araçatuba e Jupiá, que até 1937 costeava o rio Tietê em região infestada de malária, foi substituído nesse ano por uma variante que passou a ser parte do tronco principal, enquanto a linha velha se tornava o ramal de Lussanvira. Em 1957, a Noroeste passou a fazer parte da Refesa. Transportou passageiros até cerca de 1995, quando esse transporte foi suprimido. Em 1996, a Refesa deu a concessão da linha para a Novoeste, que transporta cargas até hoje.

Agricultura

Propr. agríc. existentes - 905
Propr. agríc. com menos de 20 alqueires - 681
Propr. agríc. de 20 a 50 alqueires – 125
Propr. agríc. de 50 a 100 alqueires – 41
Propr. agríc. de 100 a 200 alqueires – 30
Propr. agríc. de 200 a 500 alqueires – 19
Propr. agríc. de mais de 500 alqueires - 9

Variedade de culturas praticadas: Café, algodão, arroz, amendoim, mamona, mandioca, milho, feijão.

Valor global aproximado das propriedades agrícolas: Cr$ 110.000.000,00.

Comércio

Número de firmas taxadas no Imposto de Indústrias e Profissões: 325.

Relação das consideradas grandes firmas:

Secos e Molhados: Francisco Chagas Tavares, Irmãos Novais & Cia. Ltda, Francisco Vantini & Cia. Ltda., Antônio Molina & Irmãos, S. J. Badino & Irmãos, ª Pinto & Cia.

Tecidos e Armarinhos: Rachid Gabriel Antônio Encienas Oliver, Fuad Jubran, Arata & Cia., Arthur Lundgreen & Cia. Ltda. (Casas Pernambucanas).

Indústria

Número de operários trabalhando nas indústrias: 423

Capital invertido na indústria no município: Capital realizado: Cr$ 23.965.565,20.

Relação das consideradas grandes indústrias:

Benefício de Café: Fujiwara & Takeuchi, José Martinez Dias, Cooperativa Agrícola Mista de Cafelândia, Cooperativa Agro-Pecuária de Cafelândia Ltda., S/A Cafeeira da Noroeste, Adas & Cia.

Benefício de Arroz: Fujiwara & Takeuchi, José Martinez Dias, Cooperativa Agrícola Mista de Cafelândia, Cooperativa Agro-Pecuária de Cafelândia Ltda., S/A Cafeeira da Noroeste, Adas & Cia.

Fiação de Seda: Fujiwara & Takeuchi.

Benefício de Algodão: Cooperativa Agrícola Mista de Cafelândia, Adas & Cia.

Fábrica de Guaraná: Anselmo Bortoliero.

Fábrica de Refrigerantes: Destilaria Cafelândia.

Fábrica de Molhos: Fijiwara & Cia. Ltda.

Fábrica de Massas Alimentícias: Atílio Toffoli & Cia.

Fábrica de Móveis: Agostinho Palmezani, Irmãos Longo.

Bancos

Agências ou filiais de bancos no município: Banco do Comércio e Indústria de São Paulo S/A, Banco do Brasil S/A., Banco Brasileiro de Descontos S/A, Banco Bandeirantes do Comércio S/A.

Coletoria Federal

Total de arrecadação do Imposto de Renda: Cr$ 1.100.096,40.
Idem do Selo de Educação e Saúde: Cr$ 42.000,00.

Correios e Telégrafos

Classe de agência: 2ª
Montante da última arrecadação: Cr$ 393.680,40.

Estradas de Ferro

Estradas de ferro que servem o município: Estrada de Ferro Noroeste do Brasil.

Distância entre o município e a capital: 527 quilômetros.

Tempo médio de viagem: Pela Paulista: 12 horas. Pela Sorocabana: 14 horas e 22 minutos.

Custo de passagens entre a capital e o município: Pela Paulista: 1.ª classe: Cr$ 162,20; 2.ª classe: Cr$ 79,40. Pela Sorocabana: 1.ª classe: Cr$ 148,20; 2.ª classe: Cr$ 74,30.

Números de trens diários entre o município e a capital: 3 diários e 1 noturno três vezes por semana.

Estradas de Rodagem

Estradas estaduais que cortam o município: Rodovia Bauru-Araçatuba.

Distância entre o município e a capital: 463 quilômetros.

Tempo médio de viagem: 10 horas.

Estradas municipais que cortam o município: 5 estradas tronco, montando o total de 370 quilômetros, com as laterais.

Transportes rodoviários: Linhas de ônibus existentes: 13. Servindo a linha Município-Lins: 2. Servindo a linha Município-Garça: 1. Servindo a linha Município-Marília: 2. Servindo a linha Município-Novo Horizonte: 1. Servindo a linha Município-Pirajuí: 1. Servindo a linha Município-Pongaí: 1. Servindo a linha Município-Júlio Mesquita: 3. Servindo a linha Município-Bacuriti (Distrito): 2.

Aviação

Localização do campo de pouso: Subúrbios.

Número de pistas: 2

Capacidade das pistas e tipo: Terra.

Aero Clube: Tem.

Número de aviões de treinamento: 2.

Alunos inscritos: 43.

Orçamento Municipal

Orçamento Municipal para 1949: Cr$ 1.400.000,00.

Arrecadação em 1948: Cr$ 1.214.734,40.

Despesa em 1948: Cr$ 1.578.867,80.

Informações Político-Administrativas

Atual prefeito municipal: Dr. Adolfo Mesquita.

Vereadores municipais: Pascoal Josepetti, Dona Fosca Badino Simonetti, Nestor de Castro, José da Silva Passos, Renato Peglierini, José Martins, Lupércio Lemos Soares, Maurício Gonçalves Moreira, Irineu Pupo, Ricieri Carrafielo, Luís Siqueira Mateus, Sílvio Pereira de Carvalho, Samuel Passanezi, Nicolino Colucci, Joaquim Lincoln, Feliciano Andrade Nunes, Arlindo Aoki, Manuel Jesus de Carvalho, José Miguel Araújo, Hélio Martins Parreira.

Realizações da atual administração: Ginásio do Estado, Escola Normal, Centro de Puericultura, aumento de 53 novos focos de iluminação pública, construção do Matadouro para abate de suínos, tubagem e aterramento na estrada do Saltinho, construção de numerosas pontes nas estradas municipais, reconstrução do sistema rodoviário municipal, conclusão dos edifícios do esgoto da cidade, além de outras.

Número de eleitores qualificados: 3.740.

Zona eleitoral: 31a

Seções eleitorais: 11.

Número de eleitores que compareceram ao último pleito: 2.010.

Educação

Escolas superiores: Escola Normal Sagrado Coração de Jesus.

Escolas secundárias: Ginásio Estadual, Escola de Comércio e Ginásio Sagrado Coração de Jesus.

Escolas primárias: grupos escolares: 3, sendo 2 urbanos e 1 rural. Particulares: Colégio Sagrado Coração de Jesus. Número de alunos matriculados: 1.068.

Escolas isoladas: 44, com 1.462 alunos.

Número de crianças em idade escolar afastadas das escolas: 1.000.

Alfabetização de adultos: números de cursos: 10; matriculados: 150.

Associações culturais: Cafelândia Clube e Cafelândia Futebol Clube.

Associações esportivas: Glória Futebol Clube e Cafelândia Futebol Clube.

Associações recreativas: Cafelândia Clube.

Associações profissionais: Associação do Comércio, Indústria e Lavoura de Cafelândia e Associação Rural de Cafelândia.

Saúde

Hospitais existentes no município: Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia, mantida pela Irmandade da Santa Casa.

Subvenções que recebe: Municipal: Cr$ 5.000,00.

Serviços de Saúde: Centro de Saúde de Cafelândia (Estadual). Posto de Puericultura de Cafelândia (Estadual).

Montante da arrecadação de selo de educação e saúde no último exercício: Cr$ 42.000,00.

Informações Urbanas

Números de prédios existentes: 1.320.

Edifícios públicos: Fórum, Delegacia de Polícia, 1º Grupo Escolar, 2º Grupo Escolar.

Número de ruas: 39.

Número de avenidas: 12.

Número de praças: 5.

Número de jardins: 3.

Hotéis: 6.

Imprensa: “Nosso Jornal”, fundado em 5 de maio de 1946. Diretores: Padre Francisco Brandão Lima e Osório Cecci.

Monumentos: Estátua de Bronze e Afonso Pena e Monumento Comemorativo do Centenário da Independência.

Serviços Públicos

Iluminação: Elétrica, fornecida pela Cia. Paulista de Força e Luz, havendo na cidade 49 logradouros iluminados com 350 focos de ligações domiciliares.

Energia Elétrica: Fornecida pela mesma empresa.

Telefones: Serviço da Cia. Telefônica Brasileira.

Matadouro Municipal: 1, recém-construído.

Cemitérios: 1 na sede e 1 em cada distrito. Total: 4.

Bibliotecas: Pública Municipal.

Museus: Museu do Colégio Sagrado Coração de Jesus, para Ensino de História Natural.

Guarda Noturna: Guarda Noturna, dirigida pela Delegacia de Polícia local.

Informações Religiosas

Organização da Igreja Católica: Cafelândia é sede do Bispado da Diocese que abrange a Noroeste e Alta Paulista. A Diocese foi criada em 21 de junho de 1926 e instalada em setembro do mesmo ano.

Organização da Igreja Protestante: Igreja Evangélica Batista.

Informações diversas

 Médicos: Drs. Adolfo Mesquita, Péricles Ferraz do Amaral, Orlando Penteado Júnior, Wilson Gonçalves Martins, Rafael da Silva Joaquim da Cunha Bastos, Carlos Di Cunto, Germano de Andrade Pinto.

Dentistas: Drs. Kisso Ymai, José da Silva Passos, Cassiano Rodrigues, Arlindo Aoki.

Farmácias: Magalhães, N. S. da Aparecida, Central, Popular, Santa Isabel, Santa Maria, D. Bosco.

Laboratório de análises: Laboratório do Centro de Saúde de Cafelândia.

Instalações de Raios X: Santa Casa de Misericórdia de Cafelândia e Dr. Orlando Penteado Jr. (Consultório).

Cinemas: Cine São José, com capacidade para 700 espectadores.

Corporações musicais: Lira Carlos Gomes.