Quarta-feira, 29 de março de 2017

ISSN 1983-392X

2006

Distrito criado com a denominação de Marília, por Lei Estadual nº 2161, de 22 de dezembro de 1926, no Município de Cafelândia.

Elevado a categoria de município com a denominação de Marília, por Lei Estadual nº 2320, de 24 de dezembro de 1928, desmembrado de Cafelândia e Campos Novos. Constituído de 2 Distritos: Marília e Pompéia. Sua Instalação verificou-se no dia 4 de abril de 1929.

Lei nº 2388, de 13 de dezembro de 1929, cria o Distrito de Vera Cruz e incorpora ao Município de Marília.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o Município de Marília compõe-se dos seguintes Distritos: Marília, Pompéia, Varpa e Vera Cruz.

A comarca foi criada pelo Decreto nº 5.956, de 27.6.1933, art. 1º e instalada em 16.9.1933.

Decreto nº 6721, de 2 de outubro de 1934, cria o Distrito de Orientye e incorpora ao Município de Marília.

Decreto-lei Estadual nº 6855, de 10 de dezembro de 1934, desmembra do Município de Marília o Distrito de Vera Cruz.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1936, o Município de Marília compreende o único termo judiciário da comarca de Marília e figura com os seguintes Distritos: Marília, Avencas, Oriente, Pompéia, Varpa Bastos, Dirceu, Lácio, Novo Cravinhos e Padre Nóbrega.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1937, o Município de Marília compreende o único termo judiciário da comarca de Marília e se divide nos seguintes Distritos: Marília, Avencas, Oriente, Pompéia, Varpa, Bastos, Dirceu, Lácio, Novo Cravinho, Padre Nóbrega e Amadeu Amaral.

No quadro anexo ao Decreto-lei Estadual nº 9073, de 31 de março de 1938, o Município de Marília compreende o único termo judiciário da comarca de Marília e figura com os seguintes Distritos: Marília, Amadeu Amaral, Avencas, Bastos, Dirceu, Lácio, Novo Cravinhos, Oriente, Padre Nóbrega, Paulópolis, Pompéia, Primavera, Quintana e Varpa.

Pelo Decreto Estadual nº 9775, de 30-XI-1938, o Município de Marília perdeu o Distrito de Bastos para o novo Município de Tupã, Pompéia, Novo Cravinhos, Paulópolis, Quintana e Varpa para o novo Município de Pompéia.

Decreto-lei Estadual nº 9775, de 30 de novembro de 1938, desmembra do Município de Marília os Distritos de Pompéia, Varpa, Bastos, Quintana, Paulópolis, Novo Cravinhos.

Em 1939-1943, o Município de Marília é composto dos Distritos de Marília, Amadeu Amaral, Avencas, Dirceu, Lácio, Oriente, Padre Nóbrega e Primavera, e é termo da comarca de Marília.

Em virtude do Decreto-lei Estadual nº 14334, de 30-XI-1944, que fixou o quadro territorial para vigorar em 1945-1948, o Município de Marília ficou composto dos Distritos de Marília, Amadeu Amaral, Avencas, Dirceu, Lácio, Ocauçu, Padre Nóbrega e Rosália, (ex- Primavera).

Decreto-lei Estadual nº 14334, de 30 de novembro de 1944, desmembra do Município de Marília o Distrito de Oriente.

Assim permanece nos quadros territoriais fixados pelas Leis Estaduais nos 233, de 24-XII-1948 e 2456, de 30-XII-1953 para vigorar, respectivamente, nos períodos 1949-1953 e 1954-1958.

Lei Estadual nº 5285, de 18 de fevereiro de 1959, desmembra do Município de Marília o Distrito de Ocauçu.

Em divisão territorial datada de 01-VII-1960 o Município de Marília é constituído de 7 Distritos: Marília, Amadeu Amaral, Avencas, Dirceu, Lácio, Padre Nóbrega e Rosália.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 15-VII-1999.

Ficou pertencendo à comarca de:

Pirajuí – 1926
Piratininga – 1928
Marília - 1933

A comarca de Marília consta atualmente dos seguintes municípios:

Vera Cruz

Advogados de destaque na década de 50:

  • Dr. Benjamim Ribeiro de Castro
  • Dr. Confúcio Barbalho
  • Dr. Durval Sproesser
  • Dr. Hélio Gouveia
  • Dr. Epifânio Maniscalco
  • Dr. Geraldino Furtado de Medeiros
  • Dr. José Guimarães Toni
  • Dr. José Villela Filho
  • Dr. Laércio Barbalho
  • Dr. Lucy de Carvalho
  • Dr. Mário A. Coriolano
  • Dr. Olésio Vilela
  • Dr. Osvaldo Rocha Melo
  • Dr. Pedro Lúcio Moreira
  • Dr. Sebastião Martins
  • Dr. Sebastião Caiubi Costa
  • Dr. Valdemar Rocha Barros
  • Dr. Carlos Mastrofrancisco
  • Dr. João Batista Pereira
  • Dr. Aniz Badra
  • Dr. José Guimarães

Juízes titulares que passaram pela comarca :

  • Dr. Fernando Augusto Nogueira Cavalcanti - 1933 a 1944
  • Dr. Brenno Caramurú Teixeira - 1945 a 1946
  • Dr. Francisco Silveira Filho - 1946 a 1949
  • Dr. Jonas Coelho Vilhena - 1949 a 1951
  • Dr. José Manuel Arruda - 1951 a 1954
  • Dr. Valentim Alves da Silva - 1954 a 1954
  • Dr. Francisco Negrisollo - 1954 a 1955
  • Dr. José Gonçalves Santana - 1955 a 1959

1ª Vara

  • Dr. José Gonçalves Santana - 1959 a 1960
  • Dr. João Batista Alves - 1960 a 1961
  • Dr. Francisco Mateira - 1961 a 1963
  • Dr. Ruy de Toledo Assumpção - 1963 a 1967
  • Dr. Victor Lombardi - 1967 a 1972
  • Dr. Carlos Roberto Gonçalves - 1972 a 1976
  • Dr. Reynaldo José Castilho Parni - 1995 a

2ª Vara

  • Dr. Antonio Macedo de Campos - 1961 a 1962
  • Dr. Antonio Gabriel Morão - 1962 a 1962

3ª Vara

  • Dr. Paulo Lúcio Nogueira - 1975 a 1976

Vara Criminal e de Menores

  • Dr. Eclair Ferraz Beneditti - 1979 a 1982
  • Dr. José Carlos Daumas Santos - 1979 a 1981
  • Dr. Fábio Poças Leitão - 1981 a 1982

1ª Vara Cível

  • Dr. Carlos Roberto Gonçalves - 1976 a 1981
  • Dr. Edson Mesquita de Paula - 1981 a 1984
  • Dr. Antonio Freitas - 1984 a 1990
  • Dr. Teófilo Marcelo de Arêa Leão - 1990 a

2ª Vara Cível

  • Dr. Miguel Gomes Fernandes - 1976 a 1981
  • Dr. Joaquim Pedro Campello de Souza - 1981 a 1990
  • Dr. Ernani Desco Filho - 1990 a

3ª Vara Cível

  • Dr. Paulo Lúcio Nogueira - 1976 a 1982
  • Dr. Eclair Ferraz Benetti - 1982 a 1986
  • Dr. Emanoel Tavares Costa - 1986 a 1993
  • Dr. Mariano Leonel de Souza - 1993 a 1993
  • Dr. Marcelo França de Siqueira e Silva - 1993 a

1ª Vara Criminal

  • Dr. Luis Antonio Vasconcellos Boselli - 1982 a 1988
  • Dr. José Roberto Nogueira Nascimento - 1988 a

2ª Vara Criminal

  • Dr. Teófilo Marcelo de Arêa Leão - 1983 a 1990
  • Dr. Antonio Freitas - 1990 a 1990
  • Dr. Mariano Leonel de Souza - 1990 a 1993
  • Dr. Emanoel Tavares Costa -1993 a 1994
  • Dr. José Henrique Ursulino - 1994 a

3ª Vara Criminal

  • Dr. Natanael Soares Firmino - 1989 a 1991
  • Dr. Decio Divanir Maceto - 1991 a

Denominações Anteriores: Alto Cafezal, Lácio.

Fundadores: Antônio Pereira da Silva, José Pereira da Silva, Galdino Alfredo de Almeida, Elisário Barbosa.

Data da Fundação: Ano de 1923.

Em meados do século XIX, Botucatu e Lençóis eram os pontos conhecidos do Sudoeste paulista. O primeiro possuidor de terras, a oeste da então vila de Botucatu, foi o mineiro de Pouso Alegre, José Teodoro de Sousa, que em 31 de março de 1856 fez de acordo com a lei em vigor a declaração necessária à legitimação da posse, afirmando que a mesma se realizara em 1847, ficando assim proprietário só nesse trato de terras, de uma área de mais de 60 quilômetros de testada por 150 de fundos. Legalmente dono das imensas e férteis terras, tratou José Teodoro de Sousa de povoá-las. Entre os desbravadores achavam-se João Antônio de Morais e Francisco de Paula Morais, afoitos e intrépidos sertanejos, foram, pelas circunstâncias acima descritas, os segundos possuidores das terras vertentes do rio do Peixe, onde, hoje, se localizam a cidade e o município de Marília. Ambos iniciaram a venda de glebas, conforme pretendiam, até que a área se esgotasse. Entre os compradores, ressaltaram-se Emílio José da Piedade e Augusto César da Piedade que formaram a Fazenda da Piedade do Rio Peixe, conforme escrituras feitas em 25 de maio, 10 de julho e 4 de agosto de 1882, em partes ulteriormente pertencentes a diversas outras pessoas, terras essas que constituíram o patrimônio da Companhia Pecuária e Agrícola de Campos Novos, organizada em maio de 1914 e avaliadas à razão de 25$000 o alqueire paulista.

Já anteriormente, em 1905, a Comissão Geográfica e Geológica do Estado fez o levantamento do vale do rio do Peixe, da foz do ribeirão Alegre até o rio Paraná, mais ou menos. Na altura do ribeirão Bonfim, abriu a Comissão uma picada, rumo noroeste, para o espigão divisor das águas dos rios e do Peixe e Feio. Foi a primeira entrada em terras do Município. A Comissão silvícolas, nas cabeceiras do ribeirão Pomba, no atual perímetro urbano da cidade. Eram os índios Coroados, Mais ou menos em 1913, construído já um trecho da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, o governo do Estado encarregou o coronel Antonio Carlos Ferraz de Sales de abrir um picadão de 147 quilometros, partindo da estação de Presidente Pena, hoje Cafelândia, no Noroeste, indo até Platina. Nesse tempo, a Sorocabana ainda estava longe, razão por que o ponto terminal do picadão ficou em Platina, ao invés de ir ate uma estação da estrada de ferro. Passava ele junto da antiga olaria do patrimônio de Marília. Cortava o espião e seguia para atravessar o rio do Peixe. Esse picadão foi o maior fator de desbravamento da região. Ao abrir o coronel Ferraz Sales o picadão mencionado, teve a idéia de chamar o seu amigo Dr. Cincinato César da Silva Braga e mostrou-lhe as ricas terras que margeavam o picadão, aconselhando-o comprá-las, o que ele fez, adquirindo 3.600 alqueires, que, anos depois, vendeu ao Sr. Bento de Abreu Sampaio Vidal e filhos.

As terras denominadas Cincinatina, que foram vendidas ao senhor Bento de Abreu Sampaio Vidal, abrangiam 21 quilômetros de extensão, confrontando pelo espigão divisor das águas do rios Feio e Peixe, onde se localizam, hoje, as estações de Lácio, Marília e Padre Nóbrega. Para assegurar a posse contra os invasores, o senhor Cincinato Braga mandou plantar 10.000 pés de café no espigão, nas proximidades da atual avenida Sampaio Vidal, iniciando, com essa medida, o ciclo propriamente dito da cultura que seria a causa principal do desenvolvimento da região. A Companhia Paulista de Estradas de Ferro, nesse tempo, em Piratininga, alonga as vistas para o ponto onde a civilização despertava, num desejo de expansão e, no local onde, na década de 50, se ergue a cidade, planta, em 1916, o marco que deveria atingir 12 anos depois. A Companhia Pecuária e Agrícola de Campos Novos ampliou a venda de suas vastas terras e, com picadas, foi dando acesso à região. Em 1922, o início do avançamento da Paulista, de Piratininga, no sentido do traçado de 1916, apressou, ainda mais, o povoamento.

Na direção do ramal, à espera dos trilhos, foram surgindo os primeiros núcleos populacionais. Dos dois lados da linha férrea em perspectiva, floresciam exuberantes cafezais. As grandes glebas primitivas das primeiras posses foram loteadas e vendidas, em subdivisões sucessivas. Alfluem das orlas gastas da Mogiana, Sorocabana, Paulista Norte de São Paulo e dos outros estados da União, levas e levas de imigrantes alienígenas, sobretudo japonês, italianos, espanhóis e sírios, fazendo com que todos os indícios pressagiassem o aparecimento de uma grande cidade, Marília. Em 1923, o lusitano Antônio Pereira da Silva e seu filho José Pereira da Silva adquiriram 53 alqueires do Major Elezeário de Camargo Barbosa, em terra da antiga Companhia Pecuária e Agrícola de Campos Novos. Nessa gleba, marcou o patrimônio do Alto Cafezal, iniciando a venda de datas. Ao lado do Alto do Cafezal, floresceu, paralelamente o patrimônio da Vila Barbosa, aberto pelo senhor Vasques Carrión. Aos 3 de agosto de 1926, pelo presidente Carlos de Campos, foi criado o Distrito Policial de Alto Cafezal, no município de Campos Novos e Comarca de Assis. Logo em seguida, surge um terceiro patrimônio, no lugar onde ficava o velho cafezal do espigão, para as vertentes do Cincinatina, limítrofe do Alto Cafezal. Mais ou menos no ano de 1925, o senhor Bento de Abreu Sampaio Vidal deliberou a abertura do referido patrimônio, confiando o traçado ao engenheiro Dr. Durval de Meneses.

O mesmo progresso que animava o Alto Cafezal e a Vila Barbosa, empolgou, de pronto, o novo núcleo concorrendo o fundador, com o seu prestígio e a sua inteligência, para que ele se desenvolvesse com maior impulso. Cedeu gratuitamente terras para as instalações da Companhia Paulista de Estradas de Ferro que se aproximava. Em 22 de dezembro de 1926, o novo patrimônio foi elevado a distrito de paz, com o nome de Lácio, e integrando no município e comarca de Cafelândia. Em 3 de dezembro de 1928, chega a Marília o primeiro trem de passageiros da Cia. Paulista de Estradas de Ferro, inaugurando-se a estação.

A Lei 2320 de 24 de dezembro de 1928, resultando do trabalho e iniciativa do senhor Bento de Abreu Sampaio Vidal, criava o município do Marília, com território desmembrado dos de Cafelândia e Campos Novos Paulista e elevou a sede municipal à categoria de cidade, verificando-se sua instalação em 4 de abril de 1929. Em 15 de junho de 1929, o senhor bispo de Botucatu, D. Carlos Duarte Costa, criava a paróquia de São Bento de Marília. A comarca de Marília foi criada pelo Decreto n° 5956, de 27 de junho de 1933, sendo o único termo judiciário da comarca de Marília formado pelos municípios de Marília e Vera Cruz. Por força do Decreto-lei estadual n° 13.334, de 30 de novembro de 1944, o município de Oriente foi anexado a termo judiciário da comarca de Marília e em síntese, Marília nasceu da incorporação de três patrimônios: Alto Cafezal, Vila Barbosa e Marilia.

______________

  • Origem do nome

A partir de Piratininga, a Paulista vinha dando nomes das estações em ordem alfabética, na seguinte ordem: América, Brasília, Cabrália, Duartina, Esmeralda, Fernão Dias, Gália, Hespéria, Jafa, Kentukiua e Lácio. A letra “M” caberia à nova estação. A ferrovia propôs vários nomes: Maratona, Macau e Mogúncia. Entretanto, o senhor Bento de Abreu Sampaio Vidal, viajando para a Europa, a bordo do navio italiano “Giulio Cesare”, encontrou na biblioteca do mencionado barco o livro “Marília de Dirceu”, famoso poema de Thomaz Gonzaga. Nenhum nome pareceu-lhe mais oportuno. De bordo mesmo, despachou correspondência para a direção da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, sugerindo o nome de batismo da nova estação, que seria futura cidade, o qual foi aceito entusiasticamente. Assim, nascia Marília, na zona Pioneira bandeirante.

_____________

  • Personagens

Sebastião Carvalho Leme

Sebastião Carvalho Leme, conhecido como o inventor da máquina que registra fotos em 360º, patenteado sob o Nº 99.271 no "Departamento Nacional da Propriedade Industrial" em 26 de novembro de 1957, mora em Marília. Sebastião trabalhou como diretor do Departamento Fotográfico da Companhia Cinematográfica Vera Cruz na década de 50 e já fez diversas exposições pelo Brasil com as imagens produzidas pelo seu invento, e muito premiado em concursos fotográficos diversos. Foi o Fundador do "Foto Clube de Marília" e participou ativamente da Comissão de Registros Históricos da Cidade de Marília e da União dos Treze. Também ministrou cursos no Clube de Cinema de Marília.

MÁQUINA FOTOGRÁFICA 360º

Em 1957 um empresário solicitou uma fotografia de seus prédios em uma confluência de 3 esquinas e o seu interesse era mostrar o conjunto dos prédios em uma só foto, o que necessariamente teria de ser em 360º. Usando uma Rolleiflex com cabeça panorâmica foram tirados 10 negativos que, ampliados e montados, resultaram numa foto com 360º.

Daí surgiu o desafio: Por que não tirar num só negativo uma foto 360 graus? Leme pôs este desafio na "agenda" de sua mente e passou a cogitar uma solução. O embrião de uma idéia surgiu. Numa latinha de massa de tomate instalou uma objetiva, um dispositivo interno que é o princípio da invenção e um pedaço de filme fixo dentro da lata.

Com a mão fez girar a objetiva, fazendo, assim, o primeiro teste para sentir as possibilidades. Este teste foi feito em frente ao Senai. Revelando o filme foi comprovada, precariamente, a possibilidade de se tirar fotos em 360º. Feito o primeiro protótipo, já mecanizado, veio a confirmação.

Foram feitos 3 protótipos que consumiu cerca de um ano de aperfeiçoamento. Neste ínterim, certo de ter conseguido a solução para tirar fotos com 360º, Leme providenciou o processo de patente que tramitou durante alguns anos no Departamento Nacional da Propriedade Industrial, tempo em que são pesquisadas a viabilidade do sistema e a existência de similares.

Cerca de 20 anos após a concessão da patente surgiu nos Estados Unidos um sistema similar, sem contudo, o dispositivo interno acima referido.

A máquina esteve inativa durante 15 anos. No final de 1997 foi reativada e aperfeiçoada, passando, novamente, a ser usada. "O não aproveitamento industrial da invenção é outra história, muito comprida, que não dá para abordar aqui".

____________

  • Locais históricos

A estação de Marília foi aberta como ponta de linha do então Ramal de Agudos no final de 1928. A estação deveria ter a letra "M", no alfabeto da Paulista. Quem sugeriu o nome da estação não foi o diretor da Cia. Paulista, Adolfo Pinto, que havia indicado Marathona, Macau e Mogúncia, mas sim o então deputado Bento de Abreu Sampaio Vidal, que possuía muitas terras na região que não gostou dos nomes e, numa viagem de navio à Europa, lendo o livro "Marília de Dirceu", de Thomáz Antônio Gonzaga, teve a idéia de sugerir o nome de Marília, que foi prontamente aceito. Já existia lá então uma vila, chamada de Alto Cafezal. A partir de 1941, passou a fazer parte do tronco oeste da Paulista. A cidade cresceu muito, e hoje é a principal cidade da região que vai dali até o rio Paraná. O prédio original foi substituído pelo atual em 1955.

Histórico da linha: O chamado tronco oeste da Paulista, um enorme ramal que parte de Itirapina até o rio Paraná, foi constituído em 1941 a partir da retificação das linhas de três ramais já existentes: os ramais de Jaú (originalmente construído pela Cia. Rio-clarense e depois por pouco tempo de propriedade da Rio Claro Railway, comprada pela Paulista em 1892), de Agudos e de Bauru. A partir desse ano, a linha, que chegava somente até Tupã, foi prolongada progressivamente até Panorama, na beira do rio Paraná, onde chegou em 1962. A substituição da bitola métrica pela larga também foi feita progressivamente, bem como a eletrificação da linha, que alcançou seu ponto máximo em 1952, em Cabrália Paulista. Em 1976, já com a linha sob administração da FEPASA, o trecho entre Bauru e Garça que passava pelo sul da serra das Esmeraldas, foi retificado, suprimindo-se uma série de estações e deixando-se a eletrificação até Bauru somente. Trens de passageiros, a partir de novembro de 1998 operados pela Ferroban, seguiram trafegando pela linha precariamente até 15 de março de 2001, quando foram suprimidos.

Igreja Tenrikio

Instalada por Sumi Nozaki, uma imigrante de Kyoto. A igreja possui instrumentos musicais raros como: Shamissen "Koto Kikio" e "Tsutsumi", além de vestiários típicos considerados de grande valor religioso. No templo possui um Buda de Ouro.

Igreja "Shinshu Hongaji"

Possui um belíssimo altar folheado a ouro; veio do Japão.

Igreja Budista "Hompa Honganji Kiokai"

Tem a finalidade de praticar atividades religiosas e festivais folclóricos.

_____________

  • Curiosidades

27 marilienses se juntaram ao Exército Brasileiro durante a Grande Guerra na Itália partindo em 2 de julho de 1944, regressando todos em 16 de julho de 1945. Os marilienses mostraram bravura, mas um deles se destacou – Cabo Marcílio Luís Pinto, que recebeu a medalha “Silver Star”, por ato de bravura, concedida pelo Exército Americano, através do General Mark Clark. Os demais foram agraciados com medalha da Cruz de Combate de Segunda Classe.

O primeiro Diretor da Santa Casa de Marília foi o médico Carlos de Moraes Barros, neto do então Presidente da República Federativa do Brasil, Prudente de Moraes. Quem o contratou foi Bento de Abreu Sampaio Vidal.

O primeiro caixa eletrônico do Brasil foi instalado em Marília pelo Banco Bradesco.

A primeira fotografia em 360º foi tirada em Marília, com a câmera inventada pelo fotógrafo mariliense Sebastião Leme.

Um dos destaques do Livro dos Records é a Vó Nena, a pessoa mais velha a saltar de pára-quedas

Tetsuo Okamoto – 1ª medalha Olímpica em Natação - 1952

Agricultura

Propr. agríc. existentes - 2.313
Propr. agríc. com menos de 20 alqueires - 1.874
Propr. agríc. de 20 a 50 alqueires - 288
Propr. agríc. de 50 a 100 alqueires - 75
Propr. agríc. de 100 a 200 alqueires - 37
Propr. agríc. de 200 a 500 alqueires - 34
Propr. agríc. de mais de 500 alqueires - 5

Variedade de culturas praticadas: Café, algodão, arroz, amendoim, mandioca, soja, batata inglesa, cana de açúcar, feijão.

Valor global aproximado das propriedades agrícolas: Cr$ 90.500.000,00.

Comércio

Número de firmas taxadas no Imposto de Indústrias e Profissões: 741.

Relação das consideradas grandes firmas:

Secos e Molhados: Abrão Pedro, Benjamin Pereira de Souza, Castro, Alves e Cia., Chedidi & Amado, Dias Martins S/A, Fuad Farah & Irmão, Haruichi Okamoto & Cia. Ltda., Irmãos Grasi, Irmãos Rossete & Cia., Irmãos Uemura Ltda., J. M. Domingues & Cia., João Pereira do Nascimento, Nagiba Samara, Natalino Monteiro da Fonseca, Shukiro Oki & Cia., Tomie Ataka, Waldemar Pereira, Irmãos Modeli (em Lácio), J. M. Domingues (em Avencas).

Tecidos e Armarinhos: Abran Knobel & Irmãos, Antônio Moisés & Cia., Artur Lundgren & Cia Ltda., F. Samarama & Cia., Seres Mattar & Irmão, Higino Muzzi Filho, José M. Ayex & Irmão, Nadin Arbex & Irmão, Tecidos Buri S/A, Zaterca & Cia. Ltda., Cibantos, Lucas & Cia.

Ferragens e Artigos para Construções: Emílio Caleiro Sandoval, José Mateus Carlos, Luís Yamashita, Viúva Luís Felipe de Melo & Filhos.

Depósitos de Bebidas: Irmãos Cavalca & Cia., Pedro Miranda & Cia. Ltda., Zaquia Zugaib & Filhos.

Peças, Autos e Acessórios: Cia. De Automóveis de Marília, Miguel Granito Neto, Pimentel & Cia., Saad Chueire, Irmãos & Cia., Saul Amaral & Cia. Ltda., Zaquia Zugaib & Filhos.

Jóias e Presentes: Osvaldo Ghedini, Romildo Romeu Fiori, Francisco Dias, Giancursi & Cunha.

Calçados: Massafera & Barros, Meguerdich Attarian & Cia. Ltda.

Bares: Alfredo da Silva Tereso, Darcílio Ambrósio, Domingo Samponi, Fausto Peixoto Sampaio, Irmãos Fernaine & Cia., José Guedes Vieira, Fúsio & Furiya, Tomoziro Umeda.

Artefatos de Couro: Ferreira da Costa & Filho, Braz Zampieri.

Móveis: Frediano Giometti, Irmãos Otaiano, Rafael Otaiano, Virgínio Cavalari.

Bazares: Mattar, Butara & Cia. Ltda., Nishikawa & Ono.

Indústria

Números de indústrias taxadas no Imposto de Indústrias e Profissões: 258.

Número de operários trabalhando nas indústrias: 1500.

Capital invertido na indústria no município: Cr$ 67.114.765,90.

Relação das consideradas grandes indústrias:

Fábrica de Óleo: Anderson Cleito & Cia., S/A I. R. F. Matarazzo, Sanbra.

Tecelagens e Fiações: Alceu de Barros Messias, Indústria de Sedas Marília S/A, Indústrias Reunidas Macul S/ª

Torrefações: Café Profeta Ltda.

Fábricas de Macarrão: Abrão Pedro, Irmãos Ranieri & Cia.

Balas e Doces: Ayako Hamatura, Fábrica de Doces Cristal Ltda.

Bebidas: Ernesto Basta & Irmãos, |Luís Gatti, Teshiko Muruiamá.

Beneficiamento de Produtos Agrícolas Diversos: Esteves Irmãos S/A, Anderson Clayton & Cia. Ltda., Mc. Fadden & Cia. Ltda., Sociedade Algodoeira de Nordeste Brasileiro, S/A I. R. F. matarazzo, Félix Calisto, Irmãos Montolar, Maldonado & Irmãos, Máquina Okumura Ltda., Taizo Ohara & Cia. Ltda, Irmãos Cavichiolo & Cia. (em Pe. Nóbrega e Riyotaro Ozaki, no mesmo distrito), Cia. Saad do Brasil, Dib e Herrero.

Frigorífico: Garcia & Cia.

Serrarias: Irmãos Casadei, Manuel Pereira, Rosseto & Cia. Ltda.

Carrosserias para ônibus: Manuel Lopes Saes.

Lacticínio: Pasteurização Mariliense Ltda.

Rádios: Jorge Elias.

Motores e Instalações Elétricas: Joaquim dos Santos.

Bancos

Bancos com matriz no município: Cooperativa Banco de Marília.

Agências ou filiais de bancos do município: Banco do Brasil, do Estado de São Paulo, Comercial do Estado de São Paulo, Brasileiro de Descontos, Mercantil de São Paulo, América do Sul, Bandeirantes do Comércio, Brasileiro para a América do Sul, do Comércio e Indústria de São Paulo, Nacional Paulista, Noroeste do Estado de São Paulo e Banco de São Paulo.

Caixa Econômica Estadual

Montante dos depósitos: Cr$ 17.000.000,00.

Caixa Econômica Federal

Montante dos depósitos: Cr$ 200.000,00

Coletoria Estadual

Arrecadação em 1948: Cr$ 12.943.049,50.

Coletoria Federal

Total da arrecadação do Imposto de Renda: 11.184.162,90.
Idem do Selo de Educação e Saúde: Cr$ 346.012,00.

Correios e Telégrafos

Classe de agência: 3ª.

Montante da última arrecadação: Cr$ 1.879.024,30.

Serviço de Reembolso Postal: Tem.

Montante de arrecadação de taxas de Reembolso Postal: Cr$ 58.431,60.

Outras agências postais existentes no município: Agência Postal de Padre Nóbrega, Ocauçu e Avencas, todas de 4ª classe.

Estradas de Ferro

Estradas de ferro que servem o município: Companhia Paulista de Estradas de Ferro.

Distância entre o município e a capital: 543,50 quilômetros.

Tempo médio de viagem: 11 horas.

Custo de passagens entre a capital e o município: Ida, 1ª classe: Cr$ 130,00; 2ª classe: Cr$ 63,40; ida e volta, 1ª classe: Cr$ 208,10; 2ª classe: Cr$ 101,50.

Número de trens diários entre o município e a capital: 3.

Estradas de Rodagem

Distância entre o município e a capital: 501 quilômetros.

Tempo médio de viagem: 11 horas.

Transportes Rodoviários: Empresas de ônibus existentes: 6. Empresa de Transporte de Passageiros Silva e Cia. Ltda., servindo a linha Marília-Assis-Londrina. Empresa Rodoviária Marília Mesquita Ltda, servindo a linha Centro-Mesquita . Auto Viação Marília Iepê Ltda., servindo a linha Marília-Paraguaçu Paulista-Amarilis-Iepê-Porecatu (PR). Empresa José Brambila, servindo a linha Pompéia-Novo Cravinho-Rosália-Tupã. Empresa Auto Viação Marília e Garça Ltda., servindo a linha Marília-Garça. Empresa de ônibus Santo Antônio Ltda., servindo a linha Marília-Ocauçu-Santo Ignácio-Ourinhos.

Aviação

Localização do campo de pouso: a 2 quilômetros do centro urbano, a Nordeste.

Número de pistas: 1.

Capacidade das pistas e tipo: 1.200 X 200 metros, gramada.

Aero Clube: Tem.

Número de aviões de treinamento: 6.

Alunos Inscritos: 216.

Pilotos já brevetados: 151.

Linhas aéreas que incluem o município em suas rotas: Vasp e Star.

Informações Político-Administrativas

Atual prefeito municipal: Engenheiro Miguel Argollo Ferrão.

Vereadores municipais: Ademar Toledo, Alcebíades Bueno, Alim Chaia, Álvaro Simões, Aniz Brada, Antônio Mendes Filho, Artur Martins Ribeiro, Benedito Alves Delfino, Carlos Pereira Pinto, César de Almeida, Edgar Santa Fé Cruz, Edmundo Lopes, Ernesto Casagrande Sobrinho, Estevão Romera Júnior, Francisco Barros Pires, Hermógenes dos Santos, Inácio Ferreira Alves, João B. Sampaio Góis, João Rodrigues de Faria, José Bassan, José Brambila, José Guimarães Toni, Lázaro Ramos Novais, Luís Bicudo de Almeida, Eurípedes Soares da Rocha, Nelson de Carvalho, Nivando Antônio Simionato, Orlando Mário Maniscalco, Paulino da Silva Lavandeira, Francisco Navarato e Sebastião Mônaco.

Realizações da atual administração: Estão previstas e em vias de realização as seguintes obras: ampliação da redes de água e esgotos, arborização de algumas ruas da cidade, remodelação do aeroporto, ampliação de calçamento urbano e remodelação das estradas de rodagem municipais.

Número de eleitores qualificados: 3.335.

Zona Eleitoral: 70ª.

Seções Eleitorais: 50.

Número de Eleitores que compareceram ao último pleito: 7.355.

Educação

Escolas superiores: Conservatório Musical Santa Cecília e Escola de Agrimensura.

Escolas secundárias: Ginásio do Estado, Ginásio Fernando de Magalhães, Instituto Educacional de Marília, Ginásio Sagrado Coração de Jesus, Ginásio São Bento, Escola Normal do Ginásio do Estado, Escola Normal Sagrado Coração de Jesus, Escola Profissional Feminina de Marília.

Escolas primárias: Grupos Escolares: 7, sendo 4 na cidade; particulares: 8.

Escolas urbanas: Mantidas pelo Estado: 7. Pelo Município: 12.

Escolas isoladas: Mantidas pelo Estado: 35. Pelo Município: 25.

Alfabetização de adultos: Número de cursos: 14; matriculados: 560.

Associações Culturais: União dos Treze e ao Sociedade Marillilância.

Associações esportivas: Associação Atlética São Bento, Yara Club e Aero Club de Marília.

Associações recreativas: Marília Tênis Club.

Associações Profissionais: Associação de Medicina, Sociedade Odontológica, Associação dos Farmacêuticos, Associação dos Alfaiates, Associação dos Contabilistas, Sindicato dos Bancários e Sindicato dos Comerciários.

Saúde

Hospitais existentes no município: 3. Mantidos por instituições beneficentes: Santa Casa e Hospital Espírita. Mantido por particulares: Hospital Marília S/A.

Subvenções que recebem: municipal: Cr$ 30.000,00. Estadual: Cr$ 240.000,00. Federal: Cr$ 127.000,00.

Creches: Gota de Leite, maternidade mantida pela Associação Feminina de Marília.

Serviços de Saúde: Dispensário de Tracoma, Dispensário de Tuberculose, Posto de Puericultura.

Montante da arrecadação do selo de educação e saúde no último exercício: Cr$ 346.012,00.

Verbas federais aplicadas nesse setor no último exercício: 127.000,00.

Informações Urbanas

Número de prédios existentes: 6.300.

Edifícios Públicos: Fórum, Colégio Estadual e Grupo Escolar.

Número de ruas: 112.

Número de praças: 4.

Número de jardins: 3.

Atrações Turísticas: Rio Paranapanema.

Hotéis: Líder, São Bento, Santa Helena.

Imprensa: “Correio de Marília”, fundado a 1 de maio de 1928. Diretor: Raul Roque de Araújo. “Diário Paulista”, fundado em 25 de junho de 1933. Diretor: Luís Gonzaga Sdmidt.

Rádio: Rádio Clube de Marília S/A. Prefixo: P. R. I. 2. Potência de 1 quilowatt, onda de 275,2 metros.

Veículos licenciados: a motor: 1150; tração animal: 230.

Monumentos: Herma a Bento de Abreu Sampaio Vidal.

Serviços Públicos

Abastecimento de água: Serviço da Prefeitura Municipal, ligado a 4.603 prédios.

Rede de Esgotos: Serviço da Prefeitura Municipal, ligado a 2,086 prédios.

Iluminação: Serviço a cargo da Cia. Paulista de Força e Luz, que cobra Cr$ 1,116 o quilowatt-hora. Ligado a 4895 prédios.

Energia Elétrica: A cargo da mesma empresa.

Telefones: Serviço de Cia. Telefônica.

Calçamento: A cidade possui uma área aproximada de 135.000 metros quadrados de calçamento a paralelepípedos.

Matadouro municipal: Reses abatidas em 1948: Bovinos: 11.773 e Suínos: 4.143.

Cemitérios: 7, sendo todos municipais.

Bibliotecas: 11.

Guarda noturna: 25 membros (subordinada à Delegacia Regional de Polícia).

Informações Religiosas

Organização da Igreja Católica: Paróquia de Santo Antônio e de São Bento, subordinadas à Diocese de Cafelândia e 1 paróquia em Ocauçú, subordinada à Diocese de Assis.

Obras assistenciais mantidas pela Igreja Católica: Círculo Operário Católico, Roupeiro de Santo Antônio, Roupeiro de Santa Rita de Cássia, Albergue Noturno São José, Asilo São Vicente de Paula, Escola Artesanal D. Bosco, Jardim da Infância, Escola Profissional Feminina de Marília, Conferência de São Vicente de Paula, Cursos Primários e Alfabetização de Adultos.

Organização da Igreja Protestante: Igreja Cristã Presbiteriana, Igreja Batista, Igreja Adventista, Igreja Presbiteriana Independente, Igreja Metodista.

Obras assistenciais mantidas pela Igreja Protestante: Caixa Beneficente, Instituto Educacional de Marília (Ginásio e Comércio).

Organização dos Centros Espíritas: 5.

Obras assistenciais mantidas pelo Espiritismo: Hospital Espírita.

Informações Diversas

Médicos: Drs. Ademar de Oliveira, Ademar Toledo, Alcebíades Ferreira Bueno, Joaquim Antônio Mendes Filho, Antônio Ramos Costa, Arnaldo Toledo Barros, Aristóteles Ananais, Murício Garcia, Augusto Bastos Chaves, Aurélio da Mota, Edmundo da Silva Freira, Eduardo de Almeida Rego, Emílio Gonzalez Martins, Érico Cardeal, Fernando Mauro Rocha, Francisco Nicolau Salum, Gabriel Seixas, Geraldo Ferreira Aguiar, Gilberto Zezi, Idrene Sílvio Cavalari, Jaci Reis Junqueira, João Batista Marinho, João Rodrigues Faria, José Coriolano de Carvalho e Silva, Joaquim Azevedo Filho, Lourenço Senne, Manuel Peregrino da Silva, Majakazu Sacada, Mário de Albuquerque Lima, Miguel Sampaio Dória, Pedro Francisco Gelas Filho, Pérsio de Carvalho, Reinaldo Machado, Sebastião Mesquita, Simão de Andrade Ribeiro, Osvaldo Mário Basile, Osvaldo Dias, Oswaldo Salvestro, Xisto Teodoro Collaço, Felício Domingos Squelini, Romeu Pardini, Gustavo de Godói Pereira.

Engenheiros: Drs. Marcelo Neves Morelli, Miguel de Souza e Silva, Miguel Argolo Ferrão, Columbano Hardt Spingaus, Rafael da Cintra Filho, Amando Biava, João Batista Meiller, Hidekishi Nomura, Akira Miura.

Dentistas: Drs. Alcides Nunes, Ângelo Farina, Benedito Alves Delfino, Daniel Borges de Andrade, Diogo Nomura, Estácio de Sá, Geraldo de Oliveira, Isauro Padilha, Joaquim Bento de Sousa, José Silveira Campos, Clóvis Tavares Dias, Belisiário Bonifácio de Almeida, Vitor Gianvecchio, João Domingos da Cunha, Luís Camargo Bicudo Filho, Luís Peregrino da Silva Filho, Miled Atala, Oscar Janson Sobrinho, Osíris de Camargo Bicudo, Otávio Mamede, Paulo da Cunha Matos, Pedro Monteiro Godói, Pedro Albano, Tomie Takara, Vicente Ferraz de Campos, Alice G. Arana, Elói S. Galvão, Nishizo Nomi.

Farmácias: Moderna, Imaculada Conceição, União, Galino, São Paulo, Pinto, Grandis, Centro, Paulista, Marília, Confiança, Santa Cruz, São Luiz, São Bento, Cruz Vermelha, Guaruani, Santa Carolina, Santa Izabel, Santa Fé, Ipiranga, Noturna, Brasil.

Drogarias: Drogasil, Raia.

Laboratório de Análises: Drs. João Rodrigues Faria, Arnaldo Toledo Barros e Antônio Ramos Costa.

Instalações de Raios X: Hospital Marília S/A, Dispensário de Tuberculose, Osvaldo Basile, Ademar de Oliveira e Geraldo Ferreira Aguiar, além dos dentistas.

Cinemas: Cine Marília, com capacidade para 1.600 espectadores. Cine São Luís, com capacidade para 900 espectadores.

Corporações Musicais: Corporação Musical Santa Cecília.

Conjuntos Orquestrais: Jazz Marília Tênis Club, Jazz Atílio Cizoto, Regional Otávio Ligneli.

Grupos amadores teatrais: Grupo Dramático Leopoldo Fróes, da União dos Treze.