Terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

ISSN 1983-392X

2006

Distrito criado com a denominação de São Sebastião da Boa Vista, por Lei provincial nº 15, de 5 de abril de 1856, no Município de Casa Branca.

Elevada a freguesia ficou pertencendo ao termo de Mogi Mirim e Casa Branca, da comarca de Franca; termo de Casa Branca, da comarca de Mogi Mirim, pela lei nº 61, de 20 de abril de 1868; incorporada ao município de Caconde, pela lei nº 55, de 15 de abril de 1868, ficou pertencendo ao termo de Caconde, comarca de Mogi Mirim; incorporada ao município de Casa Branca, pela lei nº 25, de 17 de março de 1871, continuou a pertencer à comarca de Mogi Mirim, termo de Casa Branca.

Elevada a município em 24 de março de 1871 passou a pertencer ao termo de Casa Branca, comarca de Casa Branca, pela lei nº 46, de 6 de abril de 1872; termo de Caconde, reunido ao de S. Sebastião da Boa Vista, comarca de Casa Branca, pelo ato de 18 de março de 1873; termo de Caconde e S. Sebastião da Boa Vista, comarca de Caconde, pela lei nº 10, de 24 de março de 1874.

Cidade com a denominação de Mococa por Lei Provincial nº 20, de 8 de abril de 1875, passou a pertencer à comarca de Mococa, pela lei nº 80, de 25 de agosto de 1892.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o Município de Mococa se compõe de 2 Distritos: Mococa e Igaraí.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1936, o Município de Mococa compreende o único termo judiciário da comarca de Mococa e se divide em 3 Distritos: Mococa, Igaraí e São Benedito.

Em divisão territorial de 31-XII-1937, o Município de Mococa permanece como único termo judiciário da comarca de Mococa e se compõe de 3 Distritos: os mesmos citados em 1936.

No quadro anexo ao Decreto-lei Estadual nº 9073, de 31 de março de 1938, o Município de Mococa é o único termo judiciário da comarca de Mococa e figura com 3 Distritos: Mococa, Igaraí e São Benedito.

No quadro fixado, pelo Decreto-lei Estadual de nº 9775, de 30 de novembro de 1938, para 1939-1943, o Município de Mococa é composto de 3 Distritos: Mococa, Igaraí e São Benedito das Areias (Ex-São Benedito) - e é o único termo da comarca de Mococa.

Em virtude do Decreto-Lei Estadual nº 14334, de 30 de novembro de 1944, que fixou o quadro territorial para vigorar em 1945-1948, o Município de Mococa ficou composto dos Distritos de Mococa, Igaraí e São Benedito das Areias.

Assim permanece nos quadros fixados pelas Leis nos 233, de 24-XII-1948 e 2456, de 30-XII- 1953, para vigorar em 1949-1953 e 1954-1958, respectivamente.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 3 Distritos: Mococa, Igaraí e São Benedito das Areias.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 15-VII-1999.

Evolução Administrativa:

Freguesia: Lei nº 15, art. 1, de 5/4/1856.

Vila: Lei nº 29, art. 2, de março de 1871.

Município: Lei nº 20, art. 1, de 8/4/1875.

Criação de Varas:

2ª Vara: Lei Complementar nº 762, art. 6, XII, de 30/9/1994.

Mococa ficou pertencendo à comarca de:

Franca – 1856

Mogi Mirim – 1866

Casa Branca – 1872

Caconde – 1874

Mococa - 1892

A comarca de Mococa consta atualmente dos seguintes municípios:

Igaraí

São Benedito das Areias

Advogados de destaque na década de 50:

  • Dr. Antônio Ferraz Monteiro
  • Dr. Clóvis Gonçalves Dias
  • Dr. Florindo Longo
  • Dr. Francisco Teive de Almeida Magalhães
  • Dr. Luís de Figueiredo Barreto
  • Dr. Domingos Castelo Branco
  • Dr. Wilson Figueiredo Sousa
  • Dr. José Tiago de Siqueira Júnior

Juízes titulares que passaram pela comarca :

  • Dr. Carlos Samuel de Araújo1892 a 1894
  • Dr. Antonio de Souza Barros1895 a 1895
  • Dr. Manoel Augusto D’ Ornellas1895 a 1902
  • Dr. José Vieira Barbosa1902 a 1913
  • Dr. Herculano Chrispim de Carvalho1913 a 1926
  • Dr. João de Almeida Leite de Moraes1926 a 1931
  • Dr. Genésio Cândido Pereira1931 a 1935
  • Dr. Vicente Sabino Júnior1935 a 1940
  • Dr. Paulo Octaviano Diniz Junqueira1940 a 1944
  • Dr. Raul da Rocha Medeiros Júnior1945 a 1946
  • Dr. Domingos de Castello Branco1946 a 1954
  • Dr. Octávio Prestes Júnior1954 a 1955
  • Dr. Edésio Pestana Franco1955 a 1962
  • Dr. Agenor de Oliveira Andrade1965 a 1976
  • Dr. José Claudio Lepage1976 a 1983
  • Dr. Achiles Vicentini Júnior1982 a 1986
  • Dr. Lázaro Paulo Escanhoela Júnior1987 a 1990
  • Dr. Paulo Marcos Vieira – 1991

2ª Vara

  • Dr. Antonio Ventura – 1997
  • Dr. Fábio D’Urso – 2003
  • Dra. Alessandra Laskowisk – 2004

Denominações Anteriores: São Sebastião da Boa Vista e Mucoca.

Fundadores: Antônio José Gomes e sua mulher, Venerando Ribeiro da Silva, Gabriel Garcia, José Pereira, José Cristóvão.

Data da Fundação: Ano de 1839.

O povoamento da região onde se situa o município de Mococa teve início entre 1830 a 1840, em torno das fazendas Alegria e Água Limpa de propriedade, respectivamente, do fidalgo espanhol D. Tomaz de Molina e José Cristóvão de Lima. Porém o número primitivo da atual cidade localizou-se às margens do ribeirão do Meio, em terras de propriedade de José Gomes Lima, onde se agruparam em 1843, entre outros, José Caetano de Figueiredo, Francisco José de Barbosa, Joaquim Pereira dos Santos, Manoel Vicente da Rocha e Antônio José Gomes – que em 1839, havia doado a S. Sebastião cerca de 16 alqueires de terra para a fundação do patrimônio. Em 25 de fevereiro de 1841, pela Lei nº 15, o Bispo D. Manoel Joaquim Gonçalves de Andrade erigia a capela curada, sob a denominação de S. Sebastião da Boa Vista.

Já em 1846, começou a ser praticada a lavoura de café, que mais tarde iria se tornar a principal atividade econômica do município. A vida social tornou-se movimentada e por volta de 1862, um grupo de amadores representava, em teatro improvisado, peças como “O ermitão da cabana” e “Napoleão de Santa Helena”. Como a vida social, também o movimento político intensifica-se e, em 1866, o Capitão José Gomes Lima, chefe conservador, reúne seus companheiros e organiza o primeiro diretório, cujo presidente foi o Sr. Gabriel Garcia de Figueiredo que em 1885, obteria do imperador D. Pedro II o título de Barão de Monte Santo. Em março de 1871, pela Lei nº 29, a freguesia é elevada à categoria de vila e em 1875, atendendo à insistente solicitação do ilustre Gabriel de Figueiredo, o Ministério do duque de Caxias, pela lei n° 20, de 8 de abril, conferiu à vila São Sebastião da Boa Vista os foros de cidades, com a denominação atual de Mococa.

____________

  • Origem do nome

Tupi. MUCO + OCA = Casa Pequena.

_____________

  • Personagens

Galdino Siqueira

Galdino Siqueira, desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do antigo Distrito Federal, nasceu em 23 de janeiro de 1874, na cidade de Mococa, em São Paulo. Foi professor catedrático de Direito Penal e Prática de Processo Penal da Faculdade de Direito de Niterói, Estado do RJ, membro da Sociedade Brasileira de Criminologia e sócio correspondente da Academia Mexicana de Ciencias Penales, México. Foi promotor público durante 21 anos: primeiramente em sua terra natal, nas Comarcas de Santa Cruz das Palmeiras e de Dois Córregos; depois, assumindo o Marechal Hermes da Fonseca o governo do país, Rivadávia Correia, então Ministro da Justiça, nomeou-o 5º Promotor Público do Distrito Federal, cargo que ocupou até agosto de 1919. Classificado em concurso público pela antiga Corte de Apelação do Distrito Federal, atual TJ/RJ, presidiu o Tribunal do Júri e foi Juiz de Direito da 4ª Vara Criminal, da 5ª Vara Cível e da 2ª Vara de Órfãos e Sucessões.

A sua obra de estréia – Prática Forense –, com a qual firmou crédito de escritor, foi redigida em 1907. Em 1910 deu a lume o Curso de Processo Penal, que mereceu francos elogios dos operadores do Direito. Seguiram-se várias monografias. Em 1911, o Congresso delegou ao Poder Executivo a atribuição de formular um novo projeto de Código Penal para substituir o Código Penal Republicano, vigente à época. O Ministro da Justiça e Negócios Interiores incumbiu Galdino Siqueira da elaboração do projeto, que foi concluído em 1913, não chegando, porém, a ser objeto de consideração legislativa. Com a publicação de Direito Penal Brazileiro (primeiras edições de 1921 e 1924) Galdino Siqueira notabilizou-se “cientista do direito”.

Bruno Giorgi

Nasceu em Mococa, em 1905, e faleceu no Rio de Janeiro em 1993. Escultor, professor. Muda-se com a família para Roma, em 1911. No início da década de 20 estuda desenho e escultura. Participa de movimentos antifascistas. É preso e condenado a sete anos de prisão. Após ter cumprido quatro anos da pena é extraditado para o Brasil, por intervenção do embaixador brasileiro na Itália. Em 1937, em Paris, freqüenta as academias La Grande Chaumière e Ranson e conhece, nesta última, Aristide Maillol, que passa a orientá-lo. Convive com Henry Moore, Marino Marini e Charles Despiau. Em 1939, em São Paulo, trabalha com os artistas do Grupo Santa Helena e participa da Família Artística Paulista. A convite do ministro Gustavo Capanema, em 1943, vai a trabalho para o Rio de Janeiro e instala ateliê na Praia Vermelha, onde dá aulas, entre outros, para Francisco Stockinger. Dos monumentos públicos de sua autoria destacam-se Monumento à Juventude Brasileira, 1947, nos jardins do Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio da Cultura, no Rio de Janeiro; Candangos, 1960, na Praça Três Poderes, e Meteoro, 1967, no lago do edifício do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília; Integração, 1989, no Memorial da América Latina, em São Paulo.

Germinal Artese

Nasceu em Mococa em 1903 e lá viveu até 1982. Conviveu intimamente com o rio Pardo retratando-o em inúmeras pinturas, as famosas cenas à "Beira Rio". Foram escolhidas duas obras que retratam períodos do dia e épocas diferentes. Uma vista ao entardecer reverte a ponte com a luz dourada e atmosfera mágica de total remanso. A outra registra a vegetação exuberante e uma luz que aviva as tonalidades da paisagem. O grande mestre da pintura estudou na Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro no início do século passado, e foi companheiro de Cândido Portinari, entre outros famosos artistas e mestres internacionais que o influenciaram.

______________

  • Locais históricos

Estação de Mococa

A estação de Mococa foi inaugurada em 1890. Ela nunca foi ponta de linha, embora fosse a estação designativa do ramal.

Em 1961, Mococa passou a ponta do ramal, até 07/11/1966 (*RM-1966), quando foi fechada, juntamente com o ramal. Hoje, está dentro de um centro da Prefeitura, funcionando como uma de suas divisões.

Histórico da linha: O ramal teve origem na Cia. Ramal Férreo do Rio Pardo, empresa particular aberta em 1884 entre Casa Branca e São José do Rio Pardo, e adquirida em junho de 1888 pela Cia. Mogiana, que a transformou no ramal de Mococa, prolongando os seus trilhos em 1890 para atingir Canoas, estação 11 km à frente de Mococa e terminal do ramal. A partir de 1903, da estação de Ribeiro do Vale passou a sair o ramal de Guaxupé, que seguia até essa cidade. Em 1961, o trecho final do ramal entre Mococa e Canoas foi extinto, e em 7/11/1966, o trecho entre Ribeiro do Vale e Mococa também o foi. O que sobrou do ramal, de Casa Branca até 1977, quando a queda de uma ponte entre S. J. Rio Pardo e Ribeiro do Valle interditaram definitivamente a linha. Em 1986 o trecho entre Casa Branca e S. J. Rio Pardo foi reativado por um curtíssimo espaço de tempo. Por volta de 1992 os trilhos foram retirados.

MAP – Museu de Artes Plásticas "Quirino da Silva"

O Museu de Artes Plásticas "Quirino da Silva", situado no pavimento térreo do prédio da Câmara Municipal de Mococa, num local privilegiado, o entorno da mais bela e conservada praça da cidade, a Praça Marechal Deodoro, foi idealizado e criado pelo professor e artista plástico Carlos Alberto Paladini — que acabou se tornando o primeiro diretor da instituição —, pelo jornalista, crítico de arte e pintor Quirino da Silva e o jornalista Edgard Freitas, proprietário do jornal "A Mococa", tendo como suporte político o interesse todo especial e particular do então prefeito municipal, Francisco Coelho de Moraes. Inaugurado em 9 de setembro de 1972, o Museu de Artes Plásticas de Mococa teve seu nome modificado definitivamente, através do decreto nº 1090, de 3 de dezembro de 1981, para Museu de Artes Plásticas "QUIRINO DA SILVA", em homenagem ao maior incentivador da criação deste que seria, a partir de meados da década 70, o centro de difusão cultural da cidade de Mococa. Tal acervo foi conseguido graças a doações de artistas e colecionadores, entre eles, Assis Chateaubriand. Do acervo, constam pinturas, desenhos, gravuras e esculturas de grandes nomes da arte moderna brasileira, tais como Tarsila do Amaral, Flávio de Carvalho, Flávio Mota, Emanoel Araújo, Lívio Abramo, Antônio Henrique do Amaral, Glauco Pinto de Moraes, Renina Katz, Clovis Graciano, Rafael Galvez, Francisco Rebolo, Walter Levy, Octávio Araújo, Bruno Giorgi e Quirino da Silva, entre outros.

MAS – Museu de Arte Sacra "Iria Josepha da Silva"

Conhecido popularmente por Igreja do Rosário, a primeira capela foi construída em 1846, em louvor a São Sebastião. Em 1860 foi ampliada e transformou-se na Igreja Matriz da Vila. Deixou de atuar como Matriz em 1896, com a construção da Igreja Matriz de São Sebastião. Em 1919 foi demolida e reconstruída pela família de Francisco Garcia de Figueiredo, por voto de sua esposa, Iria Josepha da Silva, e inaugurada em 5 de maio de 1921. Encravada no polígono histórico onde a cidade se ergueu, preserva as linhas exóticas e insinuantes da eclética mistura de estilos, tão característica do final do século XIX e começo do século XX. Foi projetada pelo arquiteto italiano Gherardo Bozzani, predominando os estilos neobarroco e o neoclássico. A partir de 1951 foi desativada ao culto religioso regular. Foi tombada como monumento de interesse histórico, artístico e cultural em 1986 pela Prefeitura Municipal de Mococa, com ajuda financeira das famílias descendentes de Iria Josepha da Silva para sua restauração estrutural e artística. A restauração foi conduzida sob orientação do restaurador Messias Toledo. Com o tombamento, o Museu recebeu em doação de várias famílias tradicionais, rico acervo, do qual figuram quadros, peças e roupas que compõem o culto católico, e muitas esculturas de imagens sacras, em gesso e madeira, de excelente qualidade técnica.

MHP – Museu Histórico e Pedagógico "Marquês de Três Rios"

Decreto de criação: nº 38628 de 19 de junho de 1961. Inaugurado em 5 de abril de 1963. Em 1988 foi fechado por dois anos, após um incêndio. Reinaugurado em 14 de novembro de 1990. Seu acervo conta com inúmeras peças da Revolução de 1932 e objetos pertencentes a famílias tradicionais de Mococa. MHP conta com quase três mil peças de grande importância histórica.


_____________

  • Curiosidades

Hino

Cidade centenária,
o teu povo quer te festejar,
lembrando a tua História,
para que todos venham te saudar.
Do alto do Cruzeiro,
se avistavam casinhas singelas,
e se dizia que elas,
as casinhas
se chamavam MOCOQUINHAS.

Teu nome, então, MOCOCA,
daí surgiu num brado,
e logo se espalhou
ao povoado.
Mais gente foi chegando,
de fibra e religião,
fez-se a Paróquia de São Sebastião.

Mártir Padroeiro,
é de Mococa, o guarda protetor.
Foi também guerreiro,
e deu a Pátria sua vida e seu amor.
Sob estrelas mil,
do céu mais lindo deste canto do Brasil,
esta cidade assim surgindo,
aumentando, progredindo,
a trabalhar,
avante sempre há de brilhar.

Letra e Música do casal Elvira Dinamarco e José Barreto Coelho.

Oficializado por Lei de João Rotta em 1956.

Agricultura

Prop. Agríc. existentes - 452
Prop. Agríc. com menos de 20 alqueires - 275
Prop. Agríc. de 20 a 50 alqueires - 60
Prop. Agríc. de 50 a 100 alqueires - 45
Prop. Agríc. de 100 a 200 alqueires - 40
Prop. Agríc. de 200 a 500 alqueires - 16
Prop. Agríc. de mais de 500 alqueires - 16

Variedade de culturas praticadas: Café, algodão, arroz, milho, feijão, batata inglesa, batata-doce, amendoim, cana, mandioca, cebola, alho, tomate, abóbora, abacaxi, laranja, manga, goiaba, banana, caqui, abacate, mexerica, limão, melancia, mamão etc.

Valor global aproximado das propriedades agrícolas: Cr$ 173.500,00.

Comércio

Número de firmas taxadas no Imposto de Indústrias e Profissões: 261

Relação das consideradas grandes firmas:

Ferragens: Salvador Mollo, G. Dal Rio & Irmãos, Antônio Mollo Sobrinho, Antônio Giacoia, ao Mercadinho.

Padaria e Confeitaria: João Brisighelo, Elizete Pereira do Lago, Mário Bedin, Tomás, Fuschilo.

Fazendas e Armarinhos: Casa Azevedo, Casas Pernambucanas, Casa Fidalga, Casa Oca, Casa Chaim, Casa Flórida, Loja Paulista, Casa Michel, Bazar Ideal, Loja Nova, casa Provisória, Casa Para Todos, Casa Borbória, Casa Santa Cecília.

Artefatos de Couro: Pedro Zamariam & Filhos, Casa Cunali S/A.

Calçados: Natal Batistela, Vicente Dorgan, Dib João, Farini & Cia., Orlanda Oca, Roque Ceravolo Scavoni.

Secos e Molhados: Casa Pisani, Casa Dal Rio, Casa Defina, Casa Mollo, Eduardo Garcia, Loja Naufel, Sebastião Félix, Casa Rigobelo, Casa Brasil, Casa Pícolo, Casa Perez, José Spina, Isac Felippe, Cooperativa Consumo dos Servidores Públicos e Mococa, Casa Natal.

Material Eletrônico: Companhia Luz e Força Mococa, Redher & Scnneider, Pedro Nicola.

Alfaiataria: Nicolau Paione, A Imperial, Lúcio Spina, Alfaiataria Rimoli, Ghelere.

Livros e Revista: Casas Souto & Filhos, Agência São José.

Modista: Tereza Murari Spinelli, Nilza Ghelere, Adelina Scardazzi Pelegrini.

Bares e Sorveteria: Miguel Garofálo Sobrinho, João Bruno Baasim, Brás Rádium, Miguel Camello Russo, Celso Pedrossi, Francisco Carlos Alvarenga, Bar Carlito, A Paulicéia, Nosso Bar, Bar Sporte.

Marmoraria: Adolfo Martella.

Indústria

Número de indústrias taxadas no Imposto de Indústrias e Profissões: 156

Número de operários trabalhando em indústrias: 734

Capital invertido na indústria do município: Cr$ 23.881.998,10.

Relação das consideradas grandes indústrias:

Laticínios: J. Barreto & Irmão, Cia. Brasileira de Laticínio Polenghi S.A.

Couros e Curtimentos: Alexandre Cunali S.A. Indústria e Comercio.

Benefício do Algodão: Pascoal Pisani S. A. Comércio e Indústria.

Fabricas de Maquinas para Lavoura: Irmão Nicola S. A.

Serralheria: Irmão Nicola S. A.

Cerâmica: Pedro Nicola, Sílvio Pozzer, José Lima Guedes, José Pedro Suzano, Luís Vinhas, Hermenegildo Giuntini.

Móveis: Éttore Bosco, Belmiro Vicinnança, Roque Prícoli, Escola Industrial Mista “Francisco Garcia”. Ferrandino & Lima. Stéfano Garino.

Vinhos e Bebidas: Domingos Zino Filho, Otávio Dal Rio, ‘Luís Spinelli & Filho, Otávio Dal Rio, Luís Spinelli & Filhos, Abrão Vbenturi, Alexandre Cunali S.A., Eugênio Quilice, Guilherma Zanetti.

Produtos Alimentícios: Sociedade Industrial de Mococa.

Fábrica de Calçados: Natal Batistella.

Fábricas de Brinquedos: Frazon & Manzin, Antônio Pascoalino.

Fundição: Irmão Nicola S. A.

Fábrica de Ferramentas Agrícolas: Éttore Compartto & Filhos.

Oficinas de Consertos: Magri & Ghelere, Amando Trovo, Josá Albarez, Geraldo Viana da Cunha, Luís Gonçalves Companhã.

Bancos

Bancos com matriz no município: Banco F. Barreto S.A..

Agências ou filais de bancos no município: Banco Moreira Sales S.A.

Caixa Econômica Estadual:

Número de depositantes: 1.173

Montante dos depósitos: Cr$ 2.058.116,20.

Coletoria Estadual

Arrecadação em 1948: Cr$ 3.220.523,50.

Coletoria Federal

Toda arrecadação: do Imposto de Renda:Cr$ 1.738.942,50.

Idem de Selo de Educação e Saúde: Cr$ 65.192,00.

Correios e Telégrafos

Classe de agência: 1.ª.

Montante da última arrecadação: Cr$ 136.291,80

Serviço de Reembolso Postal: Tem.

Montagem de arrecadação de taxas de Reembolso Postal: Cr$ 18.000,00.

Estradas de Ferro

Estradas de ferro que servem o município: Cia. Mogiana de Estrada de Ferro.

Distância entre município e capital: 338 quilômetros.

Tempo médio de viagem: 9 horas.

Custo de passagens ente capital e município 1ª classe: Cr$ 176.10; 2ª classe: Cr$ 93,40 (ida e volta).

Número de trens diários entre o município e a capital: 2.

Estradas de Rodagem

Estradas estaduais que cortam o município: Mococa, Casa Branca, Mococa São Paulo.

Distância entre o município e capital: 325 quilômetros.

Tempo médio de viagem: 6 horas.

Estradas municipais que cortam o município: Mococa a São José do Rio Pardo, Mococa a Cajuru, Mococa e Monte Santo de Minas, Mococa para o Estado de Minas Gerais.

Transportes rodoviários: Linhas de ônibus existentes: 6 ligando Mococa a São José do Rio Pardo, Aceburgo, Guaranésia, Guaxupé: 1. Ligando Mococa a Monte santo de Minas: 1. ligando Mococa a Santa Cruz das Palmeiras: 1. ligando Mococa a Cajuru: 1.

Número de viagens diárias: 10. Custo de passagens: variando entre 5,00 a 20,00.

Linha de empresa de Transporte: 2.

Transportadoras Interurbanas Limitada e o Rodoviário. Auto Lotações: 1; custo de passagem para a capital: 150.00.

Aviação

Localização do campo de pouso: Para Oeste da cidade, distando da mesma 4 quilômetros.

Número de Pistas: 2; uma de 1.200 m x 150 ms.; outra de 1.000 x 120 metros.

Capacidade das pistas e tipo: Arenoso compacto, gramado natural, Recebe qualquer avião de passageiros e cargas.

Aero Clube: Trem

Número de aviões em treinamento: 3. 2 Piper Cub e um Paukistinha.

Pilotos já brevetados: 36

Linhas aéreas que incluem o município em suas rotas: Linha Aéreas Natal S.A., com ligações para Capital, Rio de Janeiro, passos, S. Sebastião do Paraíso, Ribeirão Preto.

Orçamento Municiapal

Orçamento municipal de 1949: Cr$ 2.027.000,00.

Arrecadação em 1849: Cr$ 1.034.295,70

Despesa em 1948: Cr$ 1.034.295,00.

Informações Políticos-Administrativas

Atual prefeito municipal: José de Castro Figueiredo.

Vereadores Municipais: Alir Ribeiro, Carlos Lima Dias, Cristóvão lima Guedes.

Francisco Pereira Lima, Francisco Teivede Almeida Magalhães, Geraldo Costa,

Gentil Ferreira da Silva, Guilherme Brisighello, José Paione, Jacinto Pisani. José Pereira Lima Dias, Pedro Zamariam.

Realizações da atual administração: Estão em andamento as seguintes obras: reforma da rede de água e esgoto e respectivas captação das águas, calçamento de ruas arborização das praças públicas, conservação das estradas municipais, construção de diversas pontes, iluminação de São Benedito das Areias.

Número de eleitores qualificados: 3.597.

Zona eleitoral: 73.ª.

Seções eleitorais: 14.

Número de eleitores que compareceram ao ultimo pleito: 2.653.

Educação

Escolas superiores: Convento São José, para formação Sacerdotal e Capuchinha.

Escolas secundárias: Colégio Estadual, Escola Normal, Escola Técnica do Comércio, Escola Industrial Mista Secundaria “Francisco Garcia”, Externato “São José”.

Escolas primárias: grupos escolares: 2 e 1 Escola Primária: particulares: Colégio “Maria Imaculada”; número de alunos matriculados: 1.050.

Escolas Urbanas: Mantidas pelo Estado: 1.

Escolas Isoladas: Mantidas pelo Estado: 27.

Pelo Município: 5. Número de alunos matriculados: 1.280.

Número de crianças em idade escolar afastadas das escolas: 420.

Alfabetização de adultos: número de curspos5; matriculados: 180; já alfabetizados: 200.

Associações culturais: Grêmio Humberto de Campos, Clube Social Mococa, Teatro do estudante.

Associações esportivas: Associação Esportiva Mocoquense, Rádium Futibol Clube.

Associações recreativas: Associação dos Ex-Alunos da Escola de Mococa, Sociedade dos Amigos de Mococa.

Associações profissionais: Associação Agropecuária do vale do Rio Canoas.

Saúde

Hospitais existentes no Município: 2 mantidos por instituições beneficentes: 1.

Subvenções que recebem: municipal Cr$ 2.400.00; federal: Cr$ 18.00,00.

Serviços de saúde: Centro de Saúde de Mococa. Posto de Puericultura. Mantidos estado.

Montante da arrecadação do selo de educação e saúde no ultimo exercício: Cr$ 65.192.00.

Verbas Federais aplicadas nesse setor no ultimo exercício: Cr$ 18.000,00.

Informações Urbanas

Número de prédios existentes: 1633.

Edifícios públicos: Prefeitura Municipal, Fórum, Matriz de São Sebastião, Igreja do Rosário, Igreja São José, Igreja Nossa Senhora da Aparecida, Igreja Presbiteriana,

Cine Teatro Central, Teatro Variedades, Cadeia Pública, Grupos Escolares, Colégio Estadual, Centro de Saúde, Casa de Saúde e Maternidade de Mococa, Hospital D. Carolina de Figueiredo, Câmara Municipal, Mercado Municipal, Convento São José, Abrigo Maria Imaculada, Colégio Maria Imaculada, Estação Alta Mogiana, Correio de Mococa, Posto de Puericultura.

Número de ruas: 51.

Número de praças: 13.

Número de jardins: 6.

Atrações Turísticas: Cachoeira do Rio Pardo, Serra da Cascata, Jacutinga, Campos Esperimental, Quinta Costal, etc.

Hotéis: Terraço, dos Viajantes.

Imprensa: “A Mococa”, fundado em 1895. Diretor: Orozimbo Bernardes. “O Guaraci”, propriedade do Grêmio Humberto de Campos. Boletins: “Caritas”. Revistas: “O Cultivador moderno”.

Veículos licenciados: a motor: 188: tração animal 568.

Monumentos: Praça com busto do Dr. Jefferson Ferraz de Siqueira.

Serviços Públicos

Abastecimento de água: serviço da Prefeitura Municipal, ligado a 1.620.

Rede de esgotos: Serviço da Prefeitura, ligado a 1.530 residências.

Iluminação: A cargo da Cia. Luz Força de Mococa, que cobra Cr$ 0,50 o quilowatt.

Energia elétrica: Fornecida pela mesma Companhia. Á razão de Cr$ 0,50 o quilowatt.

Telefones: serviço da Companhia Telefônica Brasileira.

Calçamento: A cidade possui mais de 30.000 metros quadrados calçados e atualmente existem 8 logradouros em orçamento.

Matadouro municipal: Reses abatidas em 1948: bois 370; vacas: 1.359; vitelos: 198.

Suínos abatidos: 2.852; leitões: 327,ovinos: 35; caprinos: 99.

Cemitérios: 3. Um no distrito da sede e um em cada distrito (Igaraí e S. Benedito das Areias).

Bibliotecas: Colégio Estadual e Escola Normal, Centro de Estudos Educacionais, Associação dos Ex-Alunos da Escola Normal.

Museus: 1 do Convento s. José e outro do Colégio Estadual.

Guarda noturna: Mantida por particulares.

Informações Religiosas

Organização da Igreja Católica: Paróquia de São Sebastião, com cinco igrejas: de São Sebastião, N. S. do Rosário, São José, N. S. Aparecida e Maria Imaculada. Possui além dessas igrejas, mais de 100 capelas nas propriedades rurais, todas pertencentes à paróquia de Mococa.

Organização da Igreja Protestante: Congregação Cristã do Brasil (filial) .

Organização de Centros Espíritas: Centro espírita “Pai Jacob”.

Informações Diversas

Médicos: Drs. Artur de Luca Neto, Amadeu Vieira Guerra, Álvaro Ferraz de Siqueira, Antônio de Souza Pinheiro, Carlos Lima Dias, Carmo Prícoli, Francisco Lima Camargo, Gastão de Paula Leitão, José Paione, José Armado Pereira Ribeiro, Jacinto Taliberti, José Gabriel do O’, Nery Machado, Vital Dias Porto, Rui Vieira Barreto.

Engenheiros: Drs. Dercy Godoi, Oscar Pereira Lima, Francisco Pereira Lima, Júlio Pinheiro, Mário Vieira de Morais, Waldir Max, Ibsen Belmudes de Toledo, João Guilherme Schnneider.

Dentistas: Drs. Clodoaldo dos Santos Figueiredo, Fernando Fraissat, Alberto Ferreira Giúdici, Jaime Ignácio Rehder, José Caixeta, Abrão Venturi, Carmo Taliberti, José Miglicio.

Farmácias: Figueiredo, Central, Porto Pedrosa, Oca, Santa Terezinha, Morro Azul e Três Barras.

Laboratório de análises: Laboratórios de Análise Clínicas de Pinheiro e Amaral.

Instalações dos Raios: X: 1. Além dessa existem 2 para dentistas.

Teatros: Teatro Variedades, com capacidade para 800 pessoas.

Cinemas: Cine Teatro Central, com capacidades para 1.100 pessoas.

Corporações Musicais: 2. Filarmônica e Recreativa.

Conjuntos orquestrais: 2.

Grupos de amadores teatrais: Vários. O principal é o do Teatro do estudante.

______________