Terça-feira, 24 de janeiro de 2017

ISSN 1983-392X

2006

Elevada a distrito de paz em 1925, no município de Campos Novos, ficou pertencendo, pela Lei n.º 2.100 de 29 de dezembro do mesmo ano, à comarca de Assiz.

Elevada a município em 1928 pela reunião das povoações de Garça e Ferranópolis, ficou pertencendo pela Lei n.º 2.330, de 27 de dezembro do mesmo ano, à comarca de Piratininga; à comarca de Marília, pelo dec. n.º 5.956, de 27 de junho de 1933; à comarca de Piratininga pelo dec. n.º 6.204, de 11 de dezembro de 1933; pelo dec. 7.072 de 6 de abril de 1935 à comarca de Garça.

Garça ficou pertencendo à Comarca:

Comarca de Assis - 1925

Comarca de Piratininga - 1928

Comarca de Marília - 1933

Comarca de Piratininga - 1933

Comarca de Garça - 1935

A comarca de Garça consta atualmente dos seguintes municípios:

Álvares de Carvalho, Alvilândia e Lupércio

Juízes que passaram pela comarca:

Instalada em 12-10-1935 - 2ª Entrância

  • Dr. Fábio de Souza Queiroz1935 a 1940
  • Dr. João Guzzo Filho1940 a 1946
  • Dr. Horácio de Carvalho Júnior1946 a 1954
  • Dr. Ziegler de Paula Bueno1954 a 1955
  • Dr. Dinio de Sanctis Garcia1955 a 1956
  • Dr. Plinio Novaes de Andrade1956 a 1963
  • Dr. Francisco Vieira de Moraes Barros1963 a 1968
  • Dr. Adauto Alonso Silvinho Suannes1968 a 1969
  • Dr. Ralpho Waldo de Barros Monteiro1969 a 1972

  • Dr. Regis Fernandes de Oliveira – 1972





    Regis Fernandes de Oliveira é desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, ex-presidente da Associação Paulista e Brasileira dos Magistrados e da Federação Latino-americana dos Magistrados; ex-deputado federal (1995-1996) e vice-prefeito de São Paulo (1997-2000). Mestre e doutor em Direito pela PUC-SP, é também livre-docente e professor associado na Faculdade de Direito da USP, onde é professor titular de Direito Financeiro.








  • Dr. Celso de França Bonilha1973 a 1974
  • Dr. José Monteiro – 1974
  • Dr. Carlos Aurélio Mota de Souza1974 a 1977
  • Dr. Antônio Roberto de Souza Aranha1977 a 1978
  • Dr. Ari Alves Arantes1978 a 1979
  • Dr. Antônio Oilson Santanna de Souza1979 a 1981
  • Dr. Carlos Augusto Bonchristiano – 1981
  • Dr. Paulo Mondadori Florence1981 a 1983

1ª Vara – 2ª Entrância

  • Dr. Paulo Mondadori Florence1981 a 1983
  • Dr. Gastão Hilst Neto – 1983
  • Dr. Antônio Benedito Ribeiro Pinto1983 a 1985
  • Dr. Antônio Gonçalves de Souza1985 a 1986
  • Dr. Ernani Desco Filho1986 a 1990
  • Dr. Décio Divanir Mazeto1990 a 1991
  • Dr. Renato Genzani Filho – 1992
  • Dr. Francisco Câmara Marques Pereira1992 a 1997
  • Dr. Rodrigo Galvão Medina1997 a 1999
  • Dr. Marcelo Tsuno – 1999
  • Dr. Adugar Quirino do Nascimento Souza Júnior1999 a 2003
  • Dra. Daniele Mendes2003 a 2005

2ª Vara – 2ª Entrância

Criada pela Lei n° 3.19396, de 16-06-1982, artigo 4°

  • Dr. Reynaldo José Castilho Paini1983 a 1995
  • Dr. Valdeci Mendes de Oliveira1996 a 1998
  • Dr. André Luis Bicalho Buchignani1998 a 2004
  • Dr. Gilberto Ferreira da Rocha - 2004

Advogados de destaque na década de 50:

  • Dr. Antônio Gomes de Mattos
  • Dr. Luís Soares Leite
  • Dr. Antônio Francisco Leonel Costa
  • Dr. Delphim Augusto Faria
  • Dr. Aracy César Soares
  • Dr. Alcyr de Almeida
  • Dr. Horácio de Carvalho Júnior
  • Dr. Benedito de Almeida Ribeiro
  • Dr. Milton Martins de Lara
  • Dr. Jathir Mafud

Denominações anteriores: Incas e Italina.

Fundadores: Dr. Labiano da Costa Machado e Carlos Ferrari.


Data da Fundação: 4 de outubro de 1924.




Há 40 anos, em julho de 1916, partia de Campos Novos, localidade situada à meio caminho, entre o rio do Peixe e o rio Paranapanema, na altura de Salto Grande, a primeira bandeira, que iria atravessar a mata virgem e estabelecer-se nestas paragens, dando origem à atual cidade de Garça.

A caravana era constituída pelo engenheiro Hengel, Senhores Odilon Ferraz, José Caetano de Oliveira, Adolpho Campanhã, Pedro Alcântara, José Mendes, 10 camaradas e 6 cargueiros, chefiados pelo Dr. Labieno da Costa Machado.

Atingindo as margens do rio do Peixe, depois de percorrer uma região relativamente fácil de ser transposta em virtude de ali dominarem os campos, a comitiva segue-lhe o curso, rumo às nascentes. Marchavam lentamente curso à cima, abrindo a primeira picada quando descobriram um afluente pela margem direita; mudaram então o rumo, seguindo o curso do novo rio, ao qual denominaram mais tarde Ribeirão da Garça. Durante o percurso marginal a comitiva acampou diversas vezes para pousar e para fazer inspecção dos arredores.

Esses estacionamentos efetuaram-se nos lugares seguintes: Barra Cascata, Água do Norte, Água do I. D. C. B. A., Água do Castelo, Olaria Velha, Confluência do Ribeirão de Santo Antônio e Ribeirão da Garça e, finalmente, na nascente deste último, onde acamparam definitivamente, abrindo a primeira picada na floresta construindo os primeiros ranchos.

A terra era fértil e a floresta densa. As primeiras derrubadas foram feitas pelo Dr. Navarro J. Cintra nas terras que se situam à direita da Cabeceira do Ribeirão da Garça. Ali se formou uma fazenda, que em 1920, já estava consideravelmente desenvolvida. Não tardou, portanto, à surgir um povoado em torno da sede da fazenda.

Em 4 de outubro de 1924, com a presença de pessoas locais, o Dr. Labieno da Costa Machado fundava a cidade de Garça então distrito de Campos Novos. Mas não se deve tão-somente ao Dr. Labieno a fundação da cidade, ela originou-se de 2 núcleos distintos: o primeiro do Dr. Labieno, e o segundo do Sr. Carlos Ferrari.

Esses dois núcleos não tiveram igual desenvolvimento, pois o primeiro embora mais antigo cresceu menos que o segundo devido à dois fatores: melhor localização e menor preço dos lotes. Os núcleos eram chamados Labienópolis e Ferrazópolis, e foram as duas colunas fundadoras da cidade.

Formação Administrativa – O distrito foi criado no município de Campos Novos, e em 29 de dezembro de 1925, pela Lei estadual de n.º 2.100, sua sede era elevada à categoria de Vila.

O município de Garça foi criado em 27 de dezembro de 1928, por força da Lei Estadual n.º 2.330, com território desmembrado do de Campos Novos e Pirajuí, recebendo a sede foros de cidade.

Em 1933, realizou-se a divisão administrativa do município, possuindo somente, o distrito de Garça.

Na divisão Territorial de 1926, recebeu 3 distritos: Garça, Vila Santa Cecília e Santo Inácio. Na divisão de 1937, foi-lhe acrescentado o distrito de Álvaro de Carvalho.

Segundo o quadro ao anexo ao Decreto-lei estadual n.º 9.073, de 31 de março de 1938, e o fixado pelo de n.º 9.775, de 30 de novembro de 1938, para vigorar no qüinqüênio 1939 – 1943, o município de Garça é formado pelos distritos de Garça, Álvaro de Carvalho e Santo Inácio.

Em 1944 o município de Garça sofreu as seguintes transformações, decorrentes do Decreto-lei estadual n.º 14.334:

1) Adquiriu para o distrito de Garça, parte de Gália e Presidente Alves, dos municípios dêsses nomes; e para o de Lupércio (ex-Santo Inácio) parte de Gália, do município de Gália.

2) Foi desfalcado de partes dos territórios dos distritos de Álvaro de Carvalho e Lupércio, anexados respectivamente, aos de Guarantã e São Pedro do Turvo, dos Municípios assim denominados.

Na divisão territorial-judiciário-administrativa do Estado, que vigorou de 1945 à 1948, o Decreto-lei n.º 14.334, o município de Garça surge com os seguintes distritos: Garça, Álvaro de Carvalho e Lupércio.

De acordo com o Quadro Territorial Administrativo e Judiciário do Estado, Lei n.º 2.456, de 30 de dezembro de 1953, para vigorar no qüinqüênio 1954-1958, o município de Garça é formado pelos distritos de Garça, Alvilândia e Jafa.

Formação Judiciária – Pelo Decreto Estadual n.º 7.072 de 6 de abril de 1935, era criada a comarca de Garça.

De acordo com as divisões territoriais de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, bem como o quadro anexo ao Decreto-lei estadual n.º 9.073, de março de 1938, os municípios de Garça e Gália estão subordinados à comarca de Garça, o que foi mantido pelos Decretos: 9.775, de 30 de novembro de 1938 e n.º 14.334, de 30 de novembro de 1944, que fixaram os quadros da divisão territorial Administrativa do Estado, para vigorarem nos qüinqüênios 1939-1943 e 1945-1948.

Ainda de acordo com a Lei n.º 2.456, de 30 de dezembro de 1953, os municípios de Garça, Gália, Álvaro de Carvalho e Lupércio, estão subordinados à comarca de Garça.

__________

  • Origem do nome

Garça é o nome de um ribeirão que nasce na zona suburbana da cidade.

____________

  • Personagens

Nelson Koshe Ichisato

Em 1979, Nelson Koshe Ichisato trouxe as primeiras mudas de cerejeiras para Garça. Ichisato, que nasceu em Oshima, Yamagutiken, no Japão aponta que desde pequeno tem um apreço especial pelas flores. Segundo ele, as floradas são uma marca tradicional da primavera japonesa, já que as famílias se reúnem com convidados para piqueniques, nos quais há o congraçamento entre as pessoas e a possibilidade de apreciar a beleza natural e comemorar o início da estação primaveril.

O plantio de cerejeiras em Garça, cidade de clima pouco parecido com o do Japão, foi visto, inicialmente, com descrédito. Ichisato plantou 110 mudas e várias delas, após poucos dias, morreram devido às chuvas torrenciais. Após um ano, novas mudas foram plantadas e, pouco a pouco, as plantas se adaptaram ao solo e o clima da cidade. Assim, após alguns anos, o bosque do lago "J.K. Willians" de Garça ganhava um novo visual. As árvores passaram a preencher o espaço com uma beleza singular e, a cada inverno, a comunidade pode assistir um espetáculo ímpar de cores.

Roberto Carlos

Roberto Carlos nasceu em uma fazenda de café, em Garça, estado de São Paulo, em 10 de Abril de 1973. A infância foi difícil e Roberto foi criado com muita dificuldade pelos pais, que eram lavradores. Seu nome é uma homenagem do pai ao cantor, de quem ambos são grandes fãs até hoje. Quando garoto, Roberto era fascinado pela bola e sempre que podia estava envolvido em uma “pelada” com os amigos. Começou sua carreira no futebol muito cedo e aos 14 anos já jogava pelo União São João de Araras.

Roberto Carlos já disputou mais de 100 partidas pela seleção brasileira e apesar da idade, continua sendo considerado um dos melhores do mundo na posição dele.




___________

  • Locais históricos

Biblioteca Pública Municipal de Garça

A Biblioteca Pública Municipal de Garça foi criada por Decreto-Lei 126-A de 15 de Janeiro de 1943, na época do Prefeito Durval Alves de Souza e inaugurada em 03 de Maio de 1944.

A primeira Biblioteca foi instalada em uma das dependências da prefeitura com o nome de Biblioteca Municipal Brasileira.

Em 19 de Dezembro de 1953 ocorreu a inauguração das novas instalações da Biblioteca no Sobrado da Rua Carlos Ferrari nº 111, em cima da sorveteria Skimell, depois se mudou para a Rua Sargento Wilson Abel de Oliveira nº 70, em cima do Rotary Clube de Garça, de onde foi transferida para a Rua Coronel Joaquim Pizza nº 186, em uma área de 190 m2.

Em 05 de Maio de 1987 foi inaugurada no prédio situado à Rua Barão do Rio Branco nº 131, com área de 497,40 m2. em 19 de novembro de 1996 iniciou a mudança da Biblioteca para uma área de 1.076,88m2, no centro Cultural situado à avenida Dr. Rafael Pães de Barros nº 522.


Estação Ferroviária de Garça





















A estação de Garça foi inaugurada no dia de ano novo de 1928, permanecendo como ponta de linha até o final desse ano. O núcleo que já existia chamava-se Garça, por causa do ribeirão do mesmo nome, que ali nascia; a cidade ainda por um curto espaço de tempo, chamou-se Incas e depois Italina, talvez por causa do alfabeto da Paulista (a estação anterior tinha levado a letra G, em Gália). Acabou por ficar como Garça mesmo, tendo então a linha ficado com dois GG seguidos. Também em 1967, antigos moradores e ferroviários se lembram do trem da Paulista que passou por Garça-velha, vindo de Adamantina, recolhendo em 1967 mantimentos para os flagelados de Caraguatatuba, vítimas da grande inundação e desabamento do início desse ano. As pessoas esperavam nas estações do trecho com donativos e alimentos, também fato registrado com fotografias na época. Nos anos 70, com a retificação do trecho, a estação foi desativada, mais precisamente em 05/05/1974, mesmo dia que a nova estação foi inaugurada, fora da cidade, com o mesmo nome. Foi demolida, antes de 1986. O trecho urbano da ferrovia original em Garça tinha vários pontilhões - todos retirados em 1976, juntamente com os trilhos. Existem várias fotos retratando toda essa erradicação.




Histórico da linha:
O chamado tronco oeste da Paulista, um enorme ramal que parte de Itirapina até o rio Paraná, foi constituído em 1941 a partir da retificação das linhas de três ramais já existentes: os ramais de Jaú (originalmente construído pela Cia. Rio-clarense e depois por pouco tempo de propriedade da Rio Claro Railway, comprada pela Paulista em 1892), de Agudos e de Bauru. A partir desse ano, a linha, que chegava somente até Tupã, foi prolongada progressivamente até Panorama, na beira do rio Paraná, onde chegou em 1962. A substituição da bitola métrica pela larga também foi feita progressivamente, bem como a eletrificação da linha, que alcançou seu ponto máximo em 1952, em Cabrália Paulista. Em 1976, já com a linha sob administração da FEPASA, o trecho entre Bauru e Garça que passava pelo sul da serra das Esmeraldas, foi retificado, suprimindo-se uma série de estações e deixando-se a eletrificação até Bauru somente. Trens de passageiros, a partir de novembro de 1998 operados pela Ferroban, seguiram trafegando pela linha precariamente até 15 de março de 2001, quando foram suprimidos.

__________________

  • Curiosidades

Festa da Cerejeira

Toda alta temporada do inverno Brasileiro, o município de Garça realiza a Festa da Cerejeira, comemoração que celebra a florada anual de um extenso parque das cerejeiras, localizado a beira do Lago Artificial J.K. Williams, ponto turístico da localidade.

A magnífica florada proporcionada pelas árvores originou um surpreendente assédio da colônia japonesa, concentrada nas cidades circunvizinhas. Para assistir o espetáculo das cerejeiras e matar um pouco a saudade do Japão, centenas de japoneses passaram a dirigir - se, em excursão a cidade.

Com o passar dos anos, o grande encontro da colônia oriental tornou - se um evento comemorativo da cultura, incentivando artesões, músicos, dançarinos e cozinheiros a exporem e comercializarem as suas especialidades. Como conseqüência disso, mais visitantes passaram a locomover - se em direção ao encontro em sua grande festa temática oriental.

Centenas de ônibus, provenientes da cidade de Bauru, Tupã, Marilia, Bastos, Agudos, Presidente Prudente, Getulina, entre outras, passaram a freqüentar o acontecimento, cuja divulgação ainda era feita "boca a boca".

Durante os 16 anos de realização, a Festa da Cerejeira foi sendo descoberta pelo público e os realizadores foram avaliando suas reais dimensões. Segmentada e temática, a comemoração estende - se por 3 dias de intensa programação cultural, gastronômica, social e esportiva.



Lago Artificial Municipal "Jennings Kendrick Williams"



A inauguração foi em 28-08-80 . Foram plantadas 70 pés de ipês - oferta de um cidadão de Álvaro de Carvalho, Sr. Gentil Cavalaria - e 500 mudas de cerejeiras - autor do plantio Koske Ichisato, ou “Nelson da Quitandinha” .

Atualmente é um ponto de encontro de jovens e famílias para passar o dia. Se desfrutando das lanchonetes, dando alimentos aos peixes que há em grande quantidade, e passeando no tradicional pedalinho de Garça.


Hino

Conquistando o solo dos bugres

No encanto do imenso espigão

Bela Garça aos olhos tu surges

Para o bem, para a fé da Nação

Em teu solo família de bravos

Do ideal, fortaleza viril

O café plantam, sem ser escravos,

Para riqueza do nosso Brasil

Avante Garça

Pelo céu cor de anil

Por teus filhos

Por São Paulo

Pelo Brasil

Na alvura do teu ideal,

Pra grandeza dos filhos de Garça,

No trabalho, instrução, tons fanal,

De conquista em conquista realças.

Em teus vôos conquistas vitórias

Pra teu solo e pra os filhos teus

Estas hoje coberta de glórias,

Em mil graças rendemos a Deus

Avante Garça

Pelo céu cor de anil

Por teus filhos

Por São Paulo

Pelo Brasil

Música – Maestro Antônio Lazarini

Autor – José Porfirio

Lei n° 3.416 / 2000

Agricultura

Propr. agríc. existentes - 913
Propr. agríc. com menos de 20 alqueires - 365
Propr. agríc. de 20 a 50 alqueires - 183
Propr. agríc. de 50 a 100 alqueires - 181
Propr. agríc. de 100 a 200 alqueires - 91
Propr. agríc. de 200 a 500 alqueires - 51
Propr. agríc. de mais de 500 alqueires - 42

Variedades de culturas praticadas: café, arroz, milho, feijão, amendoim, batata, algodão, mamona, etc.

Valor global aproximado das propriedades agrícolas: Cr$ 260.700.000,00

Comércio

Número de firmas taxadas do Imposto de Indústrias e Profissões: 450.

Relação das consideradas grandes firmas:

Ferragens: Alberto Alves, A Ferragista, Casa Rebello, Casa Minerva.

Secos e Molhados: Carvalho, Junqueira e Cia Ltda., Ferreira e Cia, Takeo Toyota, Ercen Baracat, Casa Bandeirantes, Casa Bosque, Casa Brasil, Casa Paulo, Casa Santos, Casa Portuguesa.

Fazendas e Armarinhos: Casas Pernambucanas, Casa Baracat, Casa Vermelha, Casa Confiança, Casa Cury, Casa David, Casa Ono, Casa São Paulo.

Padarias e Confeitarias: Padaria Paulista, Padaria Coimbra, Padaria Estrela, Padaria Santo Antônio, Padaria São Francisco.

Auto, peças e acessórios: Agência Chevrolet, S/A Melhoramentos de Garça (Agência Ford), A. Zancopé e Irmãos (Agência Chrysler, Plymouth e Fargo), Calçados: Casa David, Casa Cury, A Imperatriz.

Artigos Elétricos: A Eletrotécnica, Alberto Alves, Casa Minerva, Casa Rebello.

Móveis: Casa Confiança, Antônio Romano.

Livraria e Papelaria: Papelaria São Luís, Tipografia Cruzeiro, Tipografia Central.

Indústria

Número de indústrias taxadas no Imposto de Indústrias e Profissões: 80.

Número de operários trabalhando nas indústrias: 450.

Capital invertido na indústria no município: Cr$ 50.000.000,00.

Relação das consideradas grandes indústrias:

Tecidos: Sociedade Industrial de Sêda Ltda., Fiação de Seda Paulista, Fiação de Seda São Jorge.

Beneficiamento de Café: Máquina Brasil, Máquina Santa Isabel, Usina Cafèeira Garça Ltda., Máquina Paulista, Usina Modêlo, Máquina Santa Esméria, Máquina Santa Laura, Cia Caetano Castelano S/A, Máquina Bandeirantes, Máquina Santa Elza, Máquina Santa Terezinha, Sérgio Faria e Filho, Máquina Aliança, Máquina Santana.

Arroz: Máquina Selli de Amarando Selli, Máquina Santa Maria de A. M. Espinha, Máquina Santa Isabel de Eulogio Mariscal, Máquina Santa Luzia de Barbeiro, Pinto e Cia, Máquina Moderna, Máquina São Pedro, Máquina Santa Terezinha, Máquina Paulista de M. J. Fernandes, Máquina Brasil de Tarora e Takiuti, Yonezo Umaki.

Algodão: Usina Acco da Anderson Cleyton e Cia Ltda., Usina Sanbra da Sociedade Algodoeira Nordeste do Brasil.

Aguardente: Fábrica Cabreúva de Irmãos Barbeiro, Fábrica São Januário de J. J. da Silva.

Gazosas: Fábrica de Bebidas Tapaós de Delphino S. Alves, Fábrica Bandeirantes de Galletti e Cia.

Doces: Fábrica de Doces Ogawa.

Calçados: Antônio Conessa Lopes e Irmão, Lauro Ferreira da Silva, Manuel Martinez.

Ladrilhos: Francisco Delicato.

Sabão: B. P. Silva.

Ancorotes: Pedro Alonso, João Caetano Ferreira, Henrique Romano e Irmão. Vassouras: Sebastião Afonso e Cia.

Colchões: José Amorim.

Carrocerias de Ônibus: Guilherme Vanim.

Olarias: Antônio Daun, Cia Caetano Castelano S/A, João Gelamo Peres.

Bancos

Agências ou filiais de bancos no município: Banco do Brasil, Banco de São Paulo, Banco Comercial do Estado de São Paulo, Banco Brasileiro de Descontos, Banco Mercantil de São Paulo, Banco de Comércio e Indústria de São Paulo, Banco Cruzeiro do Sul S/A, Banco Nacional Paulista.

Caixa Econômica Estadual

Número de depositantes: 2.000 aproximadamente.
Montante dos depósitos: Cr$ 11.048.161,60

Coletoria Estadual

Arrecadação em 1948: Cr$ 6.133.492,50

Coletoria Federal

Arrecadação em 1948: Cr$ 2.844.631,10
Total da arrecadação do imposto de renda: Cr$ 1.148.627,50
Idem do Sêlo de Educação e Saúde: Cr$ 114.380,00
Lucros extraordinários: Cr$ 41.481,90
Adicional: Cr$ 3.500,00

Correios e Telégrafos

Classe de Agência: 2.ª
Montante da última arrecadação: Cr$ 454.237,10.
Serviço de reembolso postal: Tem.
Montante de arrecadação de taxas de reembolso postal: Cr$ 224.795,50
Outras agências postais existentes no município : Lupércio, Corredeira, Vila Couto, Santa Terezinha.

Estradas de Ferro

Estadas de Ferro que servem o município: Cia. Paulista de Estradas de Ferro.
Distância entre o município e a capital: 497 km.
Tempo médio de viagem: 11 horas.
Custo de passagens entre a capital e o município: 1.ª classe, singela: Cr$ 125,70; 2.ª classe: Cr$ 61,10; 1.ª classe, ida-volta: Cr$ 201,10; 2.ª classe: Cr$ 97,70.
Número de trens diários entre o município e a capital: 6.

Estradas de Rodagem

Distância entre o município e a capital: 467 km.
Tempo médio de viagem: 10 horas.
Estradas municipais que cortam o município: De Garça a Getulina, a Marília, a Pirajuí, a Gália, a S. Pedro do Turvo a Presidente Alves.
Transportes Rodoviários: o município é ligado por linha de auto-ônibus à tôdas as cidades vizinhas, tais como Vera Cruz, Marília, Presidente Alves, Pirajuí, Cafelândia, Guarantã, São Pedro do Turvo, Gália, Álvaro de Carvalho. Possui ainda o serviço de auto-lotação com algumas cidades vizinhas, tais como Marília, Vera Cruz, etc.

Aviação

Localização do campo de pouso: fazenda Cascata, ficando o campo à 3 km da cidade, do aeroclube civil de Garça. O campo de pouso Santo Inácio próximo do distrito de Lupércio.

Número de pistas: 1 (Fazenda Cascata) e 1 (Santo Inácio).

Capacidade das pistas e tipo: terra em ambos. O primeiro tem área de 120.000 m² e o segundo de 60.000 m².

Aeroclube: Aeroclube Civil de Garça.

Número de Aviões de Treinamento: 4

Alunos inscritos: 6

Pilotos já brevetados: 30.

Linhas aéreas que incluem o município em suas rotas: A Real S/A de Transportes Aéreos.

Orçamento Municipal

Orçamento municipal para 1949: Cr$ 3.600.000,00
Arrecadação em 1948: Cr$ 2.696.708,20
Despesa em 1948: Cr$ 2.689.739,70

Informações Político-Administrativas

Atual prefeito municipal: Salviano Pereira de Andrade.

Vereadores municipais: Alberto Alves, Américo de Oliveira, Anésio Telles, Antônio Gomes de Mattos, Augusto do Nascimento Castro, Clóvis Dantas Ramalho, Clóvis de Abreu Sampaio Vidal, Francisco Dias Soares, Ildefonso Bezerra de Arruda, Jairo Morais Barros, João Batista Foloni, João de Sousa Castro, João Tarora, Joaquim Ribeiro do Val, José Aredes Pereira, Luís Monici, Manuel Gaudino de Carvalho, Odair de Sousa Coelho, Pedro Afonso de Oliveira, Rafael Paes de Barros, Telêmaco Fernandes, Vicente Manzano, Avelino José de Sousa.

Realizações da atual administração: estão previstas em vias de realização as seguintes obras: abastecimento de águas e rede de esgotos da cidade, além da conservação das rodovias municipais e calçamento da cidade.

Número de eleitores qualificados: 9.683.

Zona eleitoral: 47.ª

Seções eleitorais: 21.

Número de eleitores que compareceram ao último pleito: 3.100.

Educação

Escolas secundárias: Ginásio Estadual, Escola Normal de Garça, Escola Comercial de Garça, Curso de Madureza do Professor Cezarino Avino Cega.

Escolas primárias: Grupos escolares: 7, sendo 1 municipal; número de alunos matriculados: 4.000.

Escolas isoladas: 54, sendo 11 municipais.

Alfabetização de adultos: número de cursos: 8; matriculados: 310.

Associações culturais: Aeroclube de Garça, Rotary Clube, Corporação Musical Santa Cecília, Loja Massônica “Gal. Moreira Guimarães IV”

Associações esportivas: Garça Esporte Clube, Associação Atlética Bandeirantes, Garça Tênis Clube.

Associações recreativas: Garça Tênis Clube, Garça Esporte Clube, Legião Negra do Brasil, Aeroclube de Garça.

Associações profissionais: Associação Comercial de Garça.

Saúde

Hospitais existentes no município: Hospital dos Pobres, mantido pelo Centro Espírita “Caminho de Damasco”.

Subvenções que recebe: municipal: Cr$ 15.000,00; federal: Cr$ 59.028,00

Creches: Creche do “Instituto Educacional de D. Maria Leonor”

Serviços de saúde: Pôsto de Saúde de Garça, mantido pelo Estado; Posto de Puericultura, mantido pelo Estado. Dispensário de Tracomade Garça, mantido pelo Estado e subvencionado pela Prefeitura Municipal.

Montante da arrecadação do Selo de Educação e Saúde no último exercício: Cr$ 114.380,00

Verbas federais aplicadas nesse setor no último exercício: Cr$ 59.028,00.

Informações Urbanas

Número de prédios existentes: 1.672.

Edifícios públicos: Prefeitura Municipal, Matriz de Garça, Escola Normal e Ginásio Estadual, Grupo Escolar “João Crisóstomo”, Hospital dos Pobres, Centro de Saúde, Pôsto de Puericultura, Instituto Educacional “D. Maria Leonor”, Cine Teatro Garça, Estação rodoviária, Fórum.

Número de ruas: 82.

Número de praças: 4.

Número de jardins: 3

Atrações turísticas: Queda Santo Antonio, Fazenda Cascata, Fazenda União.

Hotéis: São João, Garça, Central, Moreira, Lusitano.

Imprensa: “A Comarca de Garça”, fundada em 12 de maio de 1935; Diretor: Augusto do Nascimento Castro. “O Progressista”, fundado em 19 de outubro de 1947; Diretor: João B. Queiroz

Rádio: Rádio Clube de Garça Z.Y.L. – 3, com a potência de 100 Watts na antena e freqüência de 1600 kcs.

Veículos licenciados: à motor: 124; tração animal: 479.

Monumentos: busto-herma de Rui Barbosa.

Serviços Públicos

Iluminação: à cargo da Cia Paulista de Fôrça e Luz, que cobra a razão de Cr$ 1,116 o KWh, havendo 1.524 ligações domiciliares da cidade.

Energia Elétrica: fornecida pela mesma empresa que cobra à razão de Cr$ 0,414 o KWh.

Telefones: Serviço da Cia Telefônica Brasileira, havendo 300 aparelhos ligados.

Matadouro municipal: Reses abatidas em 1948: bois: 1686; vacas: 294; porcos: 601.

Cemitérios: Cemitério Municipal de Garça, Cemitério de Lupércio (distrito).

Bibliotecas: do Ginásio, Sebastião Maria Guerra (esta de propriedade da Cia Telefônica Brasileira).

Guarda noturno: mantida pela população.

Informações Religiosas

Organização da Igreja Católica: Paróquia de São Pedro, com uma matriz, 3 capelas curadas e 3 capelas públicas.

Obras assistênciais mantidas pela Igreja Católica: Conferência de São Vicente de Paula, Roupeiro de Santa Rita.

Organização da Igreja Protestante: Igreja Evangélica Batista, Igreja Evangélica Assembléia de Deus, Igreja Metodista do Brasil, Igreja Presbiteriana Independente, Congregação Cristã do Brasil.

Organização dos Centros Espíritas: Centro Espírita “Caminho de Damasco”.

Obras assistenciais pelo Espiritismo: Mantém o Hospital dos Pobres.

Informações Diversas

Médicos: Doutores Haroldo Marques Sardensberg, Augusto Alvim da Silva, Bel’rio Guimarães Brandão, Felinto de Carvalho Brito, Jurandir Ubirajara C. Guimarães, João Baptista Foloni, Viriato Saboya, Júlio Henrique Basso, Eustáchio Scalzo, Orlando Thiado dos Santos, Miguel Bruno Ferreira, Enéas Couto, Adamastor Ferreira da Costa, Phádias Castanho de Almeida, José Maurício Garcia.

Engenheiros: Doutor Carminio d’Alecto (agrônomo).

Dentistas: Doutores Acácio Alves de Sousa Lima, Sayd Cury, Lauro da Cunha Padilha, José Barbosa, Ullysses Buck Peres, José Alves Rodrigues, João de Sousa Castro, Dulce Maria Carvalho Leme, Antonio Ferreira Brito, Odilon Ferreira, Abelardo do Amaral.

Farmácias: Cruzeiro, Santa Terezinha, Central, São Benedito, Cruz Vermelha, Nossa Senhora Aparecida, Pisa, Santa Isabel, São José, Drogaria Moderna, São Sebastião, Guarido, São Luis, Cruzeiro do Sul, São Bento.

Drogarias: Farmácia e Drogaria Moderna.

Laboratório de Análises: Tem.

Instalações de Raio X: Tem.

Cinemas: Cine Teatro Garça, com capacidade para 550 espectadores.

Corporações musicais: Corporação Musical Santa Cecília.

Conjuntos orquestrais: 2.

Grupos de amadores teatrais: 1.