Sexta-feira, 26 de maio de 2017

ISSN 1983-392X

2006

Elevada a freguesia em 1869, no município de Limeira ficou pertencendo ao termo de Limeira, comarca de Rio Claro.

Elevada a vila em 1871, ficou pertencendo ao termo de Rio Claro e Limeira, comarca de Rio Claro; ao termo de Limeira e Patrocínio das Arras, comarca de Limeira, pela lei n.37, de 20 de abril de 1875; termo de Patrocínio das Araras, comarca de Limeira, pelo Dec. N. 6.677, de 4 de setembro de 1877; comarca de Araras, pela lei n.80, de 25 de agosto de 1892.

Esta comarca instalada a 1 de outubro de 1892, foi criada os municípios de Araras e Leme.

Araras ficou pertencendo à comarca de:

Comarca de Rio Claro - 1869

Comarca de Limeira - 1875

Comarca de Araras - 1892

A comarca de Araras não atende outro município.

Alguns juízes que passaram pela comarca:

  • Dr. Francisco da Silva Saldanha - 1892-1898
  • Dr. José Vieira Barbosa - 1898-1902
  • Dr. Manoel Augusto Dornellas - 1902-1908
  • Dr. Ângelo Gabriel da Veiga - 1908-1920
  • Dr. Eduardo de Oliveira Cruz - 1920-1930
  • Dr. Francisco Meirelles dos Santos - 1930-1936
  • Dr. José Bonifácio de Arruda - 1936-1946
  • Dr. Manoel Carlos da Costa Leite - 1946-1953

Foi do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Faleceu em 15 de maio de 1986.

  • Dr. Jair Junqueira - 1953-1955

1ª VARA

  • Dr. Paulo de Oliveira - 1955-1972
  • Dr. Bráulio Porto Costa - 1972
  • Dr. Ralpho C. de Lima Oliveira - 1972-1973
  • Dr. Rubens Zumstein - 1973-1974
  • Dr. Roque Dalvia Netto - 1974-1985
  • Dr. Dimas Borelli Thomas Junior - 1985-1986
  • Dr. Pedro Ivo de Arruda Campos - 1986-1989
  • Dra. Daise Fajardo Nogueira - 1989-1991
  • Dr. Alexandre C. e S. de Almeida - 1991-1992
  • Dr. Walter Ariette Dos Santos - 1992

2ª VARA

  • Dr. Francisco Alberto M. da Fonseca - 1983-1985
  • Dr. Gilberto Gomes de Macedo Leme - 1985-1987
  • Dr. Antonio F. Scheibel Padula - 1987-1989
  • Dr. Carlos Henrique Miguel Trevisan - 1989-1990
  • Dr. René de Paula - 1991-2005
  • Dr. Leonardo Caccavali Macedo - 2005-2006
  • Dra. Cibele Frigi Rodrigues Rizzi - 2006

3ª VARA

  • Dr. Walter Dikerts - 1989-1991
  • Dr. Durval José de Moraes Leme - 1991-2001
  • Dr. Sérgio Lazzareschi de Mesquita - 2001-2005

4ª VARA

  • Dra. Ana Claudia Madeira de Oliveira - 1999-2005
  • Dr. José Tadeu Lopes de Oliveira - 2005

Advogados de destaque na década de 50:

  • Dr. Salatiel de Almeida Filho
  • Dr. Fernando Correia
  • Dr. Orley Camargo Schmidt
  • Dr. Imbraim Falcão Zurita
  • Dr. Inácio Zurita Netto
  • Dr. Lauro Michielin

Denominações anteriores: Samambaia, Sítio Bom Sucesso, Sítio das Araras, Capela Nova das Araras, e Nossa Senhora do Município das Araras.

Fundadores: Bento de Lacerda Guimarães, sua mulher Dona Marcela Alves de Cássia e José de Lacerda Guimarães.

Data da fundação: Presume-se que tenha sido fundado o povoado em 1870.

Segundo documentos da época, o vale do Ribeirão das Araras começou a ser povoado em princípios do segundo quartel do século XVIII, por expansão do núcleo demográfico de Mogi-Guaçu, caminho do sertão das minas de “Guaiazes”.

Acredita-se que o primeiro morador da região tenha sido Manoel de Miranda Freire, antigo mineirinho e escrivão da correção da Comarca de São Paulo. Miranda Freire obteve uma sesmaria de légua e meia entre os Ribeiros de Itapuca e das Araras, por carta datada de 22-X-1727, expedidas por Caldeira Pimentel, Capitão-general de São Paulo e das minas de Paranapanema e Cuiabá.

Deve-se a fundação da cidade, no entanto, ao irmão de Bento de Lacerda Guimarães e sua esposa, e José de Lacerda Guimarães, que doaram um terreno para ser erigida uma capela em homenagem a Nossa Senhorado Patrocínio. A capela criada foi instalada a 22-X-1868, a paróquia a 27-XI-1868 e a freguesia a 12-VII-1869.

A cidade, desde sua fundação, recebeu várias denominações: Samambaia, Sítio Bom Sucesso, Sítio das Araras, Capela Nova das Araras, Nossa Senhora do Patrocínio das Araras e finalmente Araras.

À cultura do café, que então prosperava na região, deve-se a expansão e crescimento do povoado.

Data de 24-III-1871 a elevação de Araras à categoria de município, e a eleição para a 1 Câmara de Vereadores realizou-se em 7-IX-1872. A vila de Araras foi elevada à categoria de cidade pela Lei n 27 de 2-IV-1879. Para a instalação da cidade a Câmara Municipal, reuniu-se, em sessão extraordinária, a 16-VIII-1879.

Araras contava, ao tempo da escravatura, com 1623 escravos. Com a abolição do cativeiro a lavoura ararense ressentiu-se da falta de braços. Data dessa época o movimento de imigração, principalmente do elemento italiano, que trouxe à agricultura um desenvolvimento acentuado.

Araras passou à categoria de Comarca com a Lei Estadual n 80 de 25 de agosto de 1892, tendo sido solenemente instalada a 1 de outubro do mesmo ano. Consta atualmente do distrito de paz de Araras.

__________

  • Origem do Nome

Da ave: Arara. O nome foi dado primeiro no Ribeirão das Araras, de onde surgiu o nome de cidade Araras.

_________

  • Personagens

Goffredo da Silva Telles

O agricultor Goffredo Teixeira da Silva Telles, pai do grande jurista Goffredo Telles Jr., foi proprietário da Fazenda Santo Antônio, localizada em Araras. Formado nas Arcadas (turma de 1910) foi também advogado agricultor, empresário e político.

Quando ainda estudante, pertenceu, em 1909 e 1910, à Comissão de Redação da Revista do Onze.

Autor dos livros: "O mar da noite" e "A fada nua". Notabilizou-se por seu enorme poder de expressão. Conhecia toda a literatura francesa e alemã. Traduziu poesias de Maupassant e Heine.

Ficaram famosas suas descrições de paisagens. Simplicidade e beleza caracterizavam seus poemas. Limpidez de linguagem e fluência de estilo eram marcas de sua poesia. E, em cada verso, sempre a mesma paixão, a mesma fascinação pelas belezas do mundo.

Consagrou-se pelo modernismo arrojados de seus poemas de amor, pela irreverência com que deliciou e escandalizou a sociedade daquele tempo. Em algumas de suas poesias, foi precursor e vanguardeiro, ao usar o verso branco e o verso livre.

Seus confrades lhe conferiram o título de Presidente de Honra Vitalício da Academia Paulista de Letras.

Antes de 1930, ele pertenceu ao diretório do Partido Republicano Paulista, e exerceu, com extrema dedicação, por muitos anos, o cargo de vereador do Município de São Paulo. Por ocasião do movimento popular de 23 de maio de 1932, em plena ditadura Vargas, foi aclamado prefeito, conjuntamente com a proclamação de todos os integrantes do Governo Pedro de Toledo.

Como Prefeito criou o Parque Ibirapuera no município de São Paulo. Ainda como vereador, em 1927, esboçou a lápis, sobre a prancheta, na mesa coberta de plantas e fotografias, os primeiros projetos do grande logradouro.

Em 1932, com a derrota da Revolução Constitucionalista, Goffredo foi preso e exilado.

Após seu retorno ao País, permaneceu totalmente afastado da política até 1940. Neste ano, Getúlio Vargas o nomeou Presidente do Conselho Administrativo do Estado, cargo no qual permaneceu até 1944. Depois, voltou a suas ocupações habituais, sem mais nenhuma atividade política.

Sempre dedicado a obras de interesse social, junto com o padre Sabóia de Medeiros, ele foi um dos principais idealizadores da Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), da Fundação de Ciências Aplicadas, entre outros trabalhos.

Em Araras, ele foi Provedor da Santa Casa de Misericórdia. Foi também fundador e amigo do Asilo da Velhice e do Asilo Nossa Senhora do Patrocínio.

Cuidou da Fazenda Santo Antônio durante 66 anos, de 1914 a 1980. Cuidou também do velho cafezal. Plantou muito café novo. Sofreu muitos anos de crises e amarguras, mas sempre conseguiu vence-las.

Com a extinção dos cafezais na região da Baixada Paulista, dedicou-se a culturas diversas: algodão, mandioca, laranja, milho.

Construiu e dirigiu uma fábrica moderna de farinha de mandioca. Realizou grandes reformas e introduziu na Fazenda melhoramentos importantes. Com obras de vulto, modernizou e embelezou a sede.

Nos seus últimos anos de vida, Goffredo esteve empenhado na realização de um sonho: na replantação do cafezal.

Goffredo Teixeira da Silva Telles faleceu com 92 anos de idade, em 30 de julho de 1980.


Clóvis Graciano

Clóvis Graciano — (1907-1988) nasceu em Araras (SP) sendo descendente de imigrantes italianos. Autodidata foi pintor, desenhista, cenógrafo, gravador e ilustrador.

Desde criança apresentou aptidão para o desenho. Já rapaz empregou-se na Estrada de Ferro Sorocabana onde fazia a sinalização da ferrovia pintando mapas, tabuletas etc.

Morando em São Paulo-SP conheceu e se tornou amigo de Portinari e passou a freqüentar o ateliê de Waldemar da Costa. Posteriormente foi aluno do curso de desenho da Escola Paulista de Belas Artes.

Participou do Grupo Santa Helena voltado para reformar a pintura acadêmica tendo como companheiros — Alfredo Volpi, Francisco Rebolo, Mario Zanini, Bonadei, Fulvio Pennacchi, Tomás Santa Rosa e outros. Foi Presidente do grupo Família Artística Paulista em 1929 e do Sindicato dos Artistas Plásticos, tendo sido nomeado Diretor, em 1971, da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Foi presidente da Comissão Estadual de Artes Plásticas, do Conselho Estadual de Cultura, e Adido Cultural em Paris, no período 1976/1978.

Expondo no Salão Nacional de Belas Artes, em 1948, recebeu o prêmio de viagem ao estrangeiro tendo embarcado em 1949 para uma permanência de dois anos na Europa — França, Itália e Bélgica.

O figurativista Clóvis Graciano desenhou Painéis existentes em São Paulo, Santos e outras cidades. Sobre isto afirmou em certa ocasião "É uma forma de levar a arte ao povo, de imortalizar momentos históricos, de maneira a que todos tenham possibilidades de vê-los. A tela pertence a uma minoria. O Painel a todos quantos queiram vê-lo".

Clóvis Graciano participou de inúmeras exposições no Brasil e no exterior. Seus trabalhos constam do acervo de importantes Museus e coleções particulares.


Carlos Viganó

Carlos Viganó, mais conhecido pelos amigos como "Lico", nasceu em Araras, a 17 de novembro de 1913, filho de imigrantes italianos e alemães.

Faleceu a 03 de julho de 1998, e nesses quase 85 anos de vida, vividos sempre em Araras, 67 deles foram dedicados à música.

Era marceneiro e carpinteiro, tinha 2 filhas, 2 netos e 1 bisneto. Paralelo a essa vida simples - homem dedicado à família e artesão em madeira muito conhecido em Araras pelos seus belos trabalhos - a música sempre o acompanhou, aliviando a sua alma, como sempre dizia.

A vida de músico teve início mesmo em 1928, quando o Maestro Francisco Paulo Russo acolheu 50 jovens para aprender música, e destes, 20 ingressaram na Banda Lira Infantil, entre eles o Sr. Carlos.

Se apresentou em público pela primeira vez no dia 07 de setembro de 1929 e a partir de então nunca mais deixou de tocar seu clarinete e seu saxofone, instrumentos tratados com o maior carinho.

Foram 67 anos estudando música quase que diariamente, e seus instrumentos só silenciaram no início de 1997, por ordem médica, o que lhe trouxe muita tristeza.

Comandou durante 14 anos a Banda Nossa Senhora do Patrocínio, mais conhecida como a Banda do Padre, pois fazia todos os serviços religiosos da cidade de Araras.

Quando essa Banda foi dissolvida passou a tocar na Banda Municipal, sob a regência de seu grande amigo Maestro Alfredo Alexandre Pelegatta.

Músico campeão do Brasil pela Corporação Musical Maestro Francisco Paulo Russo, viveu recordando as emoções vividas durante esse campeonato, realizado em 1977.

Mas além da Banda, o Sr. Carlos tocou em muitos carnavais e também participou do Jazz Cacique, da Orquestra Copacabana, abrilhantando bailes e formaturas por toda a região, e também da Orquestra de Salão, que apresentava concertos clássicos.

Durante aproximadamente 9 anos dedicou-se com muito carinho ao ensino de música a garotos que desejavam aprender algum instrumento, tendo a grata satisfação de ver alguns de seus alunos se tornarem bons músicos.

Carlos proporcionou nas noites de domingo prazer e alegria a todos que assistiam à Retreta no Coreto da Praça Barão de Araras.


Fausto Silva

Radialista, jornalista e apresentador brasileiro de televisão, iniciou sua carreira aos 15 anos, como repórter da Rádio Centenário de Araras, cidade onde nasceu ( em 2 de maio de 1950), no interior de São Paulo. Logo depois, mudou-se para Campinas e trabalhou durante cinco anos na Rádio Cultura, na qual comandou o musical New Pop International. Em 1970, foi contratado pela Rádio Record, na capital paulista, para apresentar o Jornal da noite, do qual era também redator, e se iniciou no mundo do esporte, passando a trabalhar como repórter de campo. Foi nessa função que foi levado para a Rádio Globo, convidado por Osmar Santos.

Em 1982, estreou na televisão apresentando Perdidos na noite, programa de auditório que comandaria durante seis anos, na TV Bandeirantes, com o mesmo estilo irreverente que o consagrou como repórter esportivo. Em 1988, foi para a TV Globo, emissora em que até hoje apresenta o programa de auditório Domingão do Faustão, nas tardes de domingo.

___________

  • Locais históricos

Igreja Matriz Nossa Senhora do Patrocínio

Foi construída a partir de 15 de agosto de 1879, e inaugurada em janeiro de 1881. O prédio foi inspirado na Catedral de São João do Latrão, (em latim San Giovanni in Laterano) de Roma. A importância e a repercussão dessa obra foram tamanha, que Dom Pedro II, Imperador do Brasil, veio visitá-la em 1887.











Casa da Cultura


Construída em 1896, serviu de cadeia, fórum e sede da Câmara Municipal. Em 1977, foi considerada monumento de interesse arquitetônico pela Secretaria de Estado da Cultura. Localizado na Praça Barão de Araras, totalmente restaurado e preservado, lembrando uma miniatura de castelo medieval, o prédio abriga hoje a Casa da Cultura, sede da Secretaria Municipal de Cultura, onde se realizam diversos eventos, tais como exposições de artes plásticas, shows, e outras.









Biblioteca Municipal Dr. Martinico Prado

Instalada em 1947, funcionou até 1954 no prédio do grupo escolar Cel. Justiniano Witaker de Oliveira. No mesmo ano, através de uma doação da Sra. Renata Crespi da Silva Prado, a biblioteca passou a ter sede própria, contando hoje com um acervo que ultrapassa os 43 mil volumes, sendo considerada uma das maiores e belas do interior paulista.








Estação ferroviária de Araras


Inaugurada em 1877, como ponta de linha, atendendo à então Nossa Senhora do Patrocínio das Araras, com "duas cadeiras de instrução pública para ambos os sexos. Tem 5.495 habitantes, sendo 2.065 escravos. Vila em 1871. A boa qualidade das terras para a lavoura do café explica o rápido desenvolvimento desta povoação.

O primitivo galpão de madeira foi substituído em 1882, pelo prédio que viria a ser o definitivo, tendo este sido reformado várias vezes, a última delas nos anos 20, tomando a forma atual. O primeiro prédio a ser utilizado somente como armazém foi entregue em 1887. Em 1924, o segundo armazém foi construído. Os dois prédios estão no local hoje. Ao lado da estação foi construída a fábrica da Nestlé, que utilizou a estação para receber óleo combustível até quase 1990.

Em 18 de fevereiro de 1977, o trem de passageiros passou por Araras pela última vez, em direção a Cordeirópolis. Depois de fechada, nos anos 80, foi abandonada.

Nos anos 50, foi construída a avenida Zurita, que ia da cidade à frente da estação. Porém, em 1991, a Nestlé, que tinhas unidades em ambos os lados da rua, conseguiu o fechamento desta, murando a rua. Em troca, ela promoveu a restauração da estação, mas um ano depois ela já estava novamente abandonada, sem conservação da Prefeitura nem da Fepasa.

Hoje, está completamente abandonada e depredada, sem portas ou janelas, e com paredes internas caídas. Os trilhos foram mantidos até a estação; daí para a frente, em fins de 1998, foram arrancados. Em abril de 2000, a Prefeitura da cidade desapropriou a área, prometendo a restauração da estação e dos armazéns, mas até março de 2001, a situação continuava de abandono, embora a Prefeitura já houvesse comprado a área efetivamente do inventário da Fepasa, agora nas mãos da RFFSA.

Um dos galpões estava sendo usado como centro de eventos, em condições precárias, para lançamento de livros e outras atividades. A área dos trilhos, em frente à plataforma, foi limpa e os trilhos, enferrujados, estavam lá, aparentes. Os trilhos foram finalmente e infelizmente retirados no final de 2002. Pelo leito passou-se a linha de abastecimento da região. A estação está abandonada como nunca esteve. Os galpões, até aquele dos eventos, está todo destelhado. O mato cresce dentro e fora dele. No início de fevereiro de 2006, a cobertura da plataforma junto à estação desabou. O fim cada vez mais se aproxima.




Histórico da Linha: Em 1877, a Paulista abria o primeiro trecho, partindo de Cordeiros até Araras, do que seria o prolongamento de seu tronco. Em 1880, a linha, com o nome de Estrada do Mogy-Guassú, atingia Porto Ferreira, na mesma época em que a autorização para cruzar o Mogi e chegar a Ribeirão Preto foi indeferida pelo Governo Provincial, em favor da Mogiana. A linha, então, foi desviada para oeste e atingiu Descalvado no final de 1881, seu ponto final. Em 1916, as modificações da Paulista na área entre Rio Claro e São Carlos, na linha da antiga Rio-Clarense, fizeram com que o trecho fosse considerado como novo tronco, deixando a linha a partir de Cordeiros como o Ramal de Descalvado. Desde o começo em bitola larga (1,60m), ele funcionou para trens de passageiros até julho de 1976 (Pirassununga-Descalvado) e até fevereiro de 1977 (Cordeirópolis-Pirassununga). Trens cargueiros andaram pela linha até o final dos anos 80. Abandonado, o ramal teve os trilhos arrancados entre 1996 e 1997, sobrando apenas o trecho inicial até Araras com seus trilhos enferrujando ao tempo.

_____________

  • Curiosidades

Fazenda Santo Antônio

Na Fazenda Santo Antônio, da família Silva Telles, localizada em Araras, se reuniram nos idos de 1920 expoentes da intelectualidade que formou a Semana de Arte Moderna de 22, entre eles : Villa-Lobos, Mário de Andrade, Blaise Cendrars, Tarsila, Anita Malfatti, Lasar Segall em lua-de-mel com sua mulher Jenny Klabin Segall, Brecheret, Reis Júnior, Guilherme de Almeida com sua mulher Baby de Almeida, Oswald de Andrade e Gregório Warchavchik.

As terras, que vieram a constituir a Fazenda Santo Antônio, foram compradas em 25 de outubro de 1831, por Antônio Álvares de Almeida Lima, que era avô da mecenas da arte Olívia Guedes Penteado.

Ela foi Fazenda de cana, café, algodão, mandioca, laranja, de culturas de subsistência (arroz, feijão, milho), e de gado. Foi sede de indústrias importantes : a Nova Holanda, primeira fábrica no Brasil de leite em pó, e primeira, também, de salsichas do tipo Viena; e a Fábrica Santo Antônio, de farinha de mandioca.

Atualmente a fazenda pertence a um dos proprietários do Grupo Camargo Corrêa.


Teatro Estadual Maestro Francisco Paulo Russo





Inaugurado em 1991, o Teatro Estadual Maestro Francisco Paulo Russo foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, com 466 lugares em seu auditório principal e outros 120 lugares no auditório menor, em seu subsolo.

Através da parceria entre a Secretaria Estadual de Cultura e membros da sociedade civil, o Teatro Estadual é utilizado para eventos locais, nacionais e internacionais. Atualmente é dirigido pela professora e advogada Sra. Therezinha Daltro Pastorello.

Agricultura

Propriedades agrícolas existentes – 864
Propriedades agrícolas com menos de 20 alqueires – 461
Propriedades agrícolas de 20 a 50 alqueires – 202
Propriedades agrícolas de 50 a 100 alqueires – 84
Propriedades agrícolas de 100 a 200 alqueires – 60
Propriedades agrícolas de 200 a 500 alqueires – 45
Propriedades agrícolas de mais de 500 alqueires - 12

Variedade de culturas praticadas – mandioca, cana de açúcar , milho, arroz, algodão, feijão, amendoim, café, batata.

Valor global aproximado das propriedades agrícolas – Cr$ 250.000.000,00.

Comércio

Número de firmas taxadas no Imposto de Indústrias e Profissões: 511.

Relação das consideradas grandes firmas:

Ferragens: Zurita & Cia., Irmãos Blanco, Antônio Ferreira Peixoto.

Material para construções: Irmãos Daltro & Cia. Ltda, A. F. Figueira.

Padaria e confeitaria: Aristides Natal, Hermínio G. Alberici, José Severino, Emílio Pariz.

Fazendas e Armarinhos: Zurita & Cia. Cia, Canônico & Cia. Ltda,

Artigos de Couro: Antônio Severino, Macário de Campos.

Rádios: Zurita & Cia., Iluminadora Kamer Ltda., Bedo & Fachini.

Casa de Móveis: Osvaldo Colombini, Irmãos Mazon, César Fumagali, Domingos Vigano, Emílio Masseto.

Secos e Molhados: Empório Ararense, Casa Dragão, Martins Pereira & Cia., Empório Brasileiro, Casa Battel, Casa Castro, Casa Morgado, Casa Rodini, Casa Morais, casa Festa, Luís Dela Coleta, Casa Aimorés, Amadeu Curtulo, Lupércio Ortiz de Camargo.

Marmoraria: Luís Leonardi & Cia.

Alfaiatarias: Alfredo Nalli, Horácio Caselato, José Bonfante, Humberto Cesário Facci, Irmãos Pinton.

Livros e Revistas: Michel Feres, Livraria Brasil, Tipografia Odeon.

Indústria

Número de indústrias taxadas no Imposto de Indústrias e Profissões: 209

Número de operários trabalhando nas indústrias: 2.500

Capital invertido na indústria no município: Cr$ 86.000.000,00.

Relação das consideradas grandes indústrias:

Lacticínios: Companhia Industrial e Comercial Brasileira de Produtos Alimentares (Nestlé).

Usinas de Açúcar: Cia. Industrial e Agrícola São João, Usina Santa Lucia S.A., Cooperativa Ararense de Plantadores de Cana.

Tecidos: Assumpção Zurita & Cia. Ltda., Canônico & Cia. Ltda., Irmãos Lagazzi.

Fábrica de Sacos de algodão: Pelegatta & Cia., Maselli, Finardi & Cia., Têxtil Santo Antônio, Mathiesen, Figueiredo & Cia. Ltda.

Sabão: Cunha, Andrade & Cia.

Móveis: Osvaldo Colombini, Irmãos Mazon, Domingos Vigano, César Fumagalli.

Máquinas para benefício de arroz: Bovo & Rossi, Antônio Ferreira Peixoto, Fioravante Coghi, Luis Buzon, Pedro de Melo Filho.

Fábrica de aguardente: Lourenço Batistela & Filhos, Vital Pacífico Homem.

Máquina de benefício de algodão: Cia. Agrícola Santa Cruz.

Fábrica de Adubos: José Grasiano, Joaquim Ulson.

Fábrica de Bebidas: Cervejaria Ulson Ltda., Campanha & Cia.

Torrefação de café: Celso Orpinelli, Mathiesen Junior & Cia., Alberto Forzan.

Cortume: Grasiano & Cia.

Máquina de benefício de café: Francisco Buzolin, Condomínio Fazenda Araras, Irmãos Mathiesen.

Fábrica de copinhos de massa: Rubens Beltrão.

Extração de carvão vegetal: Cia. Paulista de Estradas de Ferro.

Cerâmica: A. Michielin & Cia. Cerâmica Remanso Ltda.

Olarias: Luís Michielin, Pedro Batistela & Cia.

Artefatos de cimento: Julio Vitorello.

Fábrica de cadeiras: S. Colombini & Irmão.

Fábrica de calçados: Dala Costa Cagnin & Buzolin.

Fábrica de doces: Irmãos Furlan, Pires & Carrocher.

Fecularia: Irmãos Pastorello, José Chiaradia.

Fundição e Mecânica: Metalúrgica Ruegger S. A., Alberto Agostini & Cia. Ltda.

Fábrica de ladrilhos: João Zuntini & Filho.

Fábrica de Ocres para tinta: André Ulson Júnior.

Fábrica de amido de mandioca: Amindonaria Zurita Ltda., Cia. Agrícola Santa Cruz.

Fábrica de farinha de raspa de mandioca: Produtos de Mandioca Zurita Ltda., Lagazzi & Cia., Hugo Lagazzi Filhos Ltda., Vitório Denardi & Filho, Adolfo Mathiesen, José Rocha, José Vigano, Martins Sita, Russo & Cia.

Fábrica de Farinha de mandioca: Francisco Buzolin, José Salomé & Irmão, Rollo & Cia., Luís Rossi & Filho, Irmãos Rosseti, Irmãos Corte, Eugenio Denardi & Irmão.

Fábrica de mosaicos: Sebastião Crespsk.

Fábrica de macarrão: Venâncio Padula.

Fábrica de túmulos: Luís Leonardi & Cia.

Fábrica de motores elétricos: Martin, Michielin & Cia.

Fábrica de pregos:Féres & Cia.

Fábrica de panelas de alumínio: Martin Krueger & Cia. Ltda.

Fábrica de quadros: João Negrucci.

Fábrica de rolhas metálicas: José Rodini.

Fábrica de Salames e Mortadelas: Erberl & Tesch.

Artefatos de couros: Antônio Severino, Macário de Campos.

Serrarias: Horto Florestal da Cia. Paulista de Estradas de Ferro, Irmãos Pastorello, Irmãos Fachini & Cia. Ltda.

Marcenaria: João Flabiano, Alberto Volpe, Emílio Masseto, Domingos Vigano.

Fábrica de sacos de papel: Corpas & Matiolli.

Tipografias: A. Luppi & Cia., Estabelecimento Gráfico "Odeon" Ltda.

Vulganização de pneus e câmaras de ar: Miguel Lacci Júnior.

Bancos

Agências ou filiais de bancos no município: Banco Moreira Sales, S.A., Banco Mercantil de São Paulo S.A.

Caixa Econômica Estadual

Número de depositantes: 5.385
Montante dos depósitos: Cr$ 16.629.768,30.

Coletoria Estadual

Arrecadação em 1948: Cr$ 7.040.858,00.

Coletoria Federal

Arrecadação em 1948: Cr$ 6.559.840,30.
Total da arrecadação do Imposto de Renda: Cr$ 1.915.443,80.
Idem de Selo de Educação e Saúde: Cr$ 108.830,40.

Correios e Telégrafos

Classe de agência: 2ª.
Montante da última arrecadação de: Cr$ 136.845,80.
Serviço de Reembolso Postal: Tem.
Montante de taxas de Reembolso Postal: Cr$ 140.220,60.
Outras agências postais existentes no município: Agência Postal da Estação de Loreto.

Estradas de ferro

Estradas de ferro que servem o município: Cia. Paulista de Estradas de Ferro.
Distância entre o município e a capital: 196,530 km.
Tempo médio de viagem: Cia. Paulista: 3,45 horas.
Custo de passagens entre a capital e o município: De 1ª classe, ida e volta: Cr$ 109,80; de 2ª classe, ida e volta: Cr$ 56,20.
Número de trens diários entre o município e a capital: 6.

Estradas de Rodagem

Estradas estaduais que cortam o município: Estrada de Rodagem Estadual.

Distância entre o município e a capital: 192,700 quilômetros.

Tempo médio de viagem: 3,30 horas.

Estradas municipais que cortam o município: De Araras a Rio-Claro, à Estação São Bento, à Estação de Elihu-Root, à Estação de Loreto, à Estação de Remanso.

Transportes rodoviários: A Empresas de ônibus que transita por este município tem sua sede nas cidades de Piraçununga e Limeira, fazendo somente parada nesta cidade.

Aviação

Localização do campo de pouso: A 3.200 metros do centro da cidade. 45° W em relação à cidade.
Número de pistas: 1, de 900 x 130 metros.
Capacidade das pistas e tipo: Terra. Capacidade até aviões D. C. 3.
Aero Clube: Tem.
Número de aviões de treinamento: 4, sendo 2 CAP-4, 1 Piper-Clube e 1 Aeronca.
Alunos inscritos: 2.
Pilotos já brevetados: 76.

Orçamento Municipal

Orçamento Municipal para 1949: Cr$ 2.300.000,00.
Arrecadação em 1948: Cr$ 1.792.445,80.
Despesa em 1948: Cr$ 3.347.721,60.

Informações Político-Administrativas

Atual prefeito municipal: Francisco Graziano.

Vereadores municipais: José Paulino de Oliveira, Elísio Zurita Fernandes, Hermínio Ometto, Benedito Michielin, Walter de Sá Andrade, Jorge Assmpção, Jorge Orfale, Américo V. Padula, José Dante, Miguel Canônico, Oswaldo Russo, Silvino S. Pontes, Reinaldo Gavenaghi.

Realizações da atual administração: Estão previstas e em vias de realização as seguintes obras: conclusão da rede de água e esgotos, calçamento de sessenta quarteirões de paralelepípedos, ampliação e melhoramento das estradas municipais, plano de urbanização e melhoramentos públicos na zona urbana, término das obras da Avenida Zurita, ligando o centro da cidade à Estação de Araras.

Número de eleitores qualificados: 4.185.

Zona eleitoral: 14ª.

Seções eleitorais: 12.

Número de eleitores que compareceram ao último pleito: 1.004.

Educação

Escolas secundárias: Ginásio do Estado, Escola Técnica de Comércio de Araras, Curso de Aviação Civil do Aero-Clube de Araras. Matriculados no Ginásio do Estado: 211. Matriculados na Escola Técnica de Comércio: 119.

Escolas primárias: Grupos escolares: 2; particulares: 3; número de alunos matriculados no curso primário: 2.860 (zona urbana e rural).

Escolas urbanas: 3. Matriculados: 180.

Escolas isoladas: Mantidas pelo Estado: 28. Matriculados: 1.120. Mantidas pelo município: 9; alunos matriculados: 360.

Número de crianças em idade escolar afastadas das escolas: 240.

Alfabetização de adultos: número de cursos: 6; matriculados: 240.

Associações Culturais: Centro Cultural Ararense.

Associações esportivas: Associação Atlética Ararense, Comercial Futebol Clube.

Associações recreativas: Araras Clube, Grêmio Recreativo Ararense, Sociedade Recreativa e Dançante 29 de Junho.

Associações profissionais: Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Lacticínios e Associação Comercial e Industrial de Araras.

Saúde

Hospitais existentes no município: Hospital São Luis.
Subvenções que recebe: municipal: Cr$ 64.514,00.
Serviços de saúde: Mantidos pelo Estado: Centro de Saúde de Araras e Posto de Puericultura.
Montante de arrecadação do selo de educação e saúde no ultimo exercício: Cr$ 108.830,40.
Verbas federais aplicadas nesse setor no último exercício: Cr$ 64.514,00.

Informações Urbanas

Números de prédios existentes: 2.023.

Edifícios públicos: Prefeitura Municipal, Fórum e Cadeia, Matriz da Cidade, Ginásio do Estado, Grupos Escolares, Posto de Puericultura, Hospital São Luís, Cine Teatro Santa Helena, Educandário Benedita Nogueira, Centro de Saúde.

Número de ruas: 31.

Número de praças: 3.

Número de jardins: 5.

Atrações turísticas: Horto Florestal da Cia. Paulista de Estradas de Ferro, Rio Mogiguaçu, Queda d'água, lago da Fazenda Campo Alto, com 19 alqueires, Lagoa da Fazenda Araras, com 15 alqueires.

Hotéis: Palácio e Grande Hotel São Bento.

Imprensa: "A Tribuna do Povo", fundado em 16 de janeiro de 1892. Diretor: Eliseo Zurita Fernandes.

Veiculo licenciados: a motor: 347; tração animal: 898.

Monumentos: Herma de Inácio Zurita Junior, obelisco da Independência, Estátuas Portuguesas, no largo do Jardim Público, em número de cinco.

Serviços Públicos

Abastecimento de água: Serviço da Prefeitura Municipal, ligado a 1.729 residências.

Rede de esgoto: Serviço da Prefeitura Municipal, ligado a 854 prédios.

Iluminação: A cargo da S.A. Central Elétrica Rio Claro, que cobra Cr$ 0,66 por quilowatt - hora.

Energia elétrica: Fornecida pela mesma Empresa.

Telefones: Serviço da Empresa Telefônica Ararense, com 318 aparelhos ligados. : Serviço da Cia. Telefônica Brasileira, com Posto para chamado interurbano.

Calçamento: A cidade possui 11.780 metros quadrados de calçamento.

Matadouro Municipal: Reses abatidas em 1948: bois: 1.580; vacas: 933; suínos: 767.

Cemitérios: Cemitério Municipal, à Vila Rodini.

Bibliotecas: Municipal "Martinico Prado", Centro Cultural Ararense, Ginásio do Estado, Juventude Brasileira.

Guarda Noturna: Mantida pela população e fiscalizada pela Delegacia de Polícia.

Informações Religiosas

Organização da Igreja Católica: Paróquia de N. Senhora do Patrocínio.

Obras assistenciais mantidas pela Igreja Católica: Circulo Operário Ararense.

Organização da Igreja Protestante: Um templo Presbiteriano.

Organização dos Centros Espíritas: Centro Espírita “São João Batista”.

Informações diversas

Médicos: Drs. Antônio Simões Pontes, Armando Frias, José de Almeida Faria, Vítor Leonardi, José Conrado Guerra, Fermin Blanco, Hugo Walter Frota, Maria Natalina Sarto Frota e Tílio Turazzi.

Engenheiros: Civil: Dr. Walter de Sá Andrade; Agrônomos: Drs. Vital Pacífico Homem, José Felix Nunes Júnior, Paulo Medina, Armando Le Voci, Odilo Graner Mortati, Antônio Nelson Zancanel, Waldy Oliveira.

Dentistas: Drs. Arlindo Montagnoli, José Paulino de Oliveira, Olindo Russo, Roberto Mercatelli, Waldemar Kamer de Lima, Alberto Franzini, Nércio Borges e Maria Aparecida Crespisk.

Farmácias: São Luís, Barreto, Rosas, São José, N. S. Auxiliadora, Dona Marina Crespi, Ambulatório Farmacêutico Fazenda Araras.

Laboratório de análises: Hospital São Luís.

Instalação de Raios X: Hospital São Luís.

Cinemas: Cine Teatro Santa Helena, com capacidade para 770 pessoas.

Corporações musicais: 1.

Conjuntos orquestrais: 1.

Grupos de amadores teatrais: 1.