Quinta-feira, 18 de outubro de 2018

ISSN 1983-392X

Cenário

por FSB Inteligência

Cenário - 18.10.18

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Bolsonaro e a agenda pré-posse

A liderança nas pesquisas e outros ventos favoráveis permitem que Jair Bolsonaro (PSL) – a esta altura da campanha – escolha quando, onde, como e com quem se encontrar.

Desde que deixou o hospital, o presidenciável cumpre uma agenda estratégica de compromissos.

Nos últimos dias, visitou o Bope, a Polícia Federal, recepcionou artistas, foi até o cardeal arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta, esteve com o apresentador Ratinho e com políticos do Chile.

A rotina não se restringe apenas a testar públicos.

Pelos lugares por onde passa, e nas conversas que mantém, Bolsonaro avança sobre assuntos diversos – sua equipe vem monitorando as repercussões entre aliados e adversários.

A intensidade dos gestos e o peso das mensagens têm um propósito: reunir matéria-prima e estabelecer vínculos.

Esse estoque de apertos de mãos e conversas dedicadas é um dos combustíveis da política, mas costuma ser útil também nos primeiros meses de governo.

Esplanada

Na era das especulações

Do lado de Jair Bolsonaro (PSL) e também de Fernando Haddad (PT) crescem as bolhas especulativas.

Ministros e os auxiliares mais próximos estão praticamente nomeados.

Como sempre acontece, porém, boa parte dos nomes deve ficar pelo caminho. E isso acontece já na semana imediatamente pós-segundo turno.

PT

Tentativa de desconstrução

Uma das frentes do PT no esforço por fragilizar a candidatura de Bolsonaro passa pelo ataque direto ao PSL.

Levantamentos sobre a atuação legislativa do partido vão ganhar as ruas nos próximos dias. A intenção é colar no adversário a imagem de que sempre atuou como 'legenda auxiliar' do governo Temer no Congresso.

Congresso 1

Orçamento preocupa

Câmara e Senado ainda não engrenaram. Como é de conhecimento público, o ritmo de votações e o quórum das duas Casas enfrentaram sérias dificuldades esta semana.

Não só por causa dos prazos, mas as áreas técnicas que cuidam da elaboração do Orçamento 2019 começam a se preocupar com os efeitos da correria de fim de ano.

O temor é por aumento de gastos e enxertos fora de hora.

Congresso 2

Esticando o ano

Os parlamentares trabalharão até o penúltimo dia útil que antecede o Natal.

Se tudo correr bem, a lei orçamentária será votada no dia 20/12, uma quinta-feira.

Bolsa-Família

Atenção para a chamada

As prefeituras lançaram campanha de convocação dos beneficiários do Bolsa Família para procedimentos de verificação de condicionantes de saúde.

Como os gestores do programa apertaram os processos contra fraudes, os governos municipais reforçam as estratégias de comunicação para evitar pânico e fake news durante as eleições.


AGENDA

Câmara - Está prevista para hoje a realização de sessão de debates, a partir das 14h.

TSE - Sessão plenária para julgamento de recursos ordinários e especiais das eleições de 2018.

PIS-PASEP - Caixa e Banco do Brasil começam a pagar hoje o abono PIS-Pasep para quem nasceu em outubro.

Emendas - A Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência se reúne hoje para decidir lista de emendas ao Orçamento de 2019.

SABER

Para ouvir - Os melhores audiobooks de outubro, de acordo com o ranking elaborado pelo jornal Washington Post.

SUSTENTÁVEL

Futuro - Segundo pesquisa do WWF, 91% das pessoas não reconhecem que a produção e o consumo de alimentos ameaçam a vida no planeta. (leia aqui)

BEM-ESTAR

sociedade - Um estudo da Faculdade de Medicina da USP mergulha na associação entre o consumo de álcool e drogas e a ocorrência de mortes violentas. Os números impressionam. (leia aqui)

JORNAIS

Redes - Empresas estão comprando pacotes de disparos em massa de mensagens contra o PT no WhatsApp e preparam uma grande operação. Com contratos de R$ 12 milhões, a prática é ilegal por violar a lei de doações não declaradas. (manchete da Folha de S.Paulo)

Bolsonaro - O candidato do PSL afirmou que está com "uma mão na faixa" e que não acredita que Fernando Haddad (PT) conseguirá os votos necessários para vencê-lo. (todos os veículos)

Onyx - Futuro ministro-chefe da Casa Civil em um eventual governo Bolsonaro, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) propõe extinguir 25 mil cargos comissionados e de confiança. (O Globo)

Haddad - Em entrevista ao SBT, Fernando Haddad (PT) disse que o saldo da Lava Jato é positivo e que o juiz Sérgio Moro fez um bom trabalho. (todos os veículos)

Ibope-SP - João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB) estão tecnicamente empatados. Doria tem 52% dos votos válidos, e França tem 48%. (manchete de O Estado de S. Paulo)

Ibope-RJ - Wilson Witzel (PSC) lidera com 60% dos votos válidos. O ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) tem 40%. (manchete de O Globo)

Ibope-MG - Romeu Zema (Novo) lidera com 66% dos votos válidos. Antonio Anastasia (PSDB) aparece com 34%. (todos os veículos)

Temer - Relatório final da Polícia Federal vê indícios de que Michel Temer recebeu R$ 5,9 milhões de propina no setor portuário. O Planalto contesta o relatório e vê inconsistências jurídicas e técnicas. (todos os veículos)

Rombo - O Congresso aprovou projetos que deixam uma despesa de R$ 8,5 bilhões para o próximo governo. (Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo e O Globo)

Previdência - A questão da Previdência dos militares é grave e o déficit vem aumentando em termos nominais. O rombo com inativos e pensionistas projetado para 2019 é de R$ 43,3 bilhões. (manchete do Valor Econômico)

Câmbio - Pela primeira vez desde maio, o dólar fechou abaixo de R$ 3,70 e alguns dos principais juros de longo prazo voltaram para taxas de um dígito. (todos os veículos)