Quarta-feira, 21 de agosto de 2019

ISSN 1983-392X

Cenário

por FSB Inteligência

Cenário 14.6.18

quinta-feira, 14 de junho de 2018

A Copa do Mundo começa hoje e parte da agenda pública entra em 'modo de espera'.

Para o Planalto, a temporada de jogos não significa necessariamente calmaria ou paz: as pressões apontadas para o governo têm vida própria.

Na política, as dificuldades com a base aliada e a lentidão dos projetos de interesse na Câmara e no Senado têm tudo para virar o semestre no topo da lista de preocupações.

Do lado econômico, há o drama de fazer caber no Orçamento os gastos dos próximos seis meses.

A alta cambial impõe, por sua vez, não dá sinais de fraqueza e seguirá adicionando doses de tensão ao dia a dia dos ministério da Fazenda e do Planejamento e do Banco Central.

Calendário

Futebol + eleições

As próximas semanas vão protagonizar o fim do prazo para as articulações partidárias se concretizarem.

Definições de estratégias, de alianças e o perfil das coligações terão de chegar a um consenso.

As convenções das siglas mais importantes também estão nessa agenda.

Conjuntura

Refazendo as projeções

Como esperado, o Federal Reserve (Fed), banco central dos Estados Unidos, subiu a taxa de juros para a faixa de 1,75% a 2%.

Nos relatórios atualizados de bancos e consultorias os cenários de inflação e câmbio foram sensivelmente ajustados.

Não pela ação de ontem, mas pelos sinais emitidos pelo Fed de que poderá, ainda em 2018, promover mais duas elevações.

Caminhoneiros

Tabelamento do frete

Às voltas com a confusão sem fim em torno do preço do frete, o Planalto tem consciência de que seguirá explicando suas razões à Justiça.

O impasse instalado entre ter ou não uma tabela mínima é o que produz neste momento o ruído mais desgastante.

Teses e discursos

O debate sobre a coercitiva

O julgamento de ontem - que será retomado hoje - no STF sobre a possibilidade de juízes obrigarem investigados e réus a serem levados para depor introduziu na cena jurídica novos tons de polêmica.

O placar está em quatro votos favoráveis à condução coercitiva e dois contra.

Assim como ocorreu outras vezes, a interpretação de Brasília para esse assunto bebe na clássica fonte do pensamento binário.

Agenda

Economia real - O IBGE divulga hoje a pesquisa mensal de serviços de abril

Negócios - O conselho de administração da BRF deve se reunir hoje para aprovar a indicação de Pedro Parente como CEO da companhia

Eleições 2018

Partidos - A partir de 5 de julho, os candidatos poderão fazer propaganda intrapartidária em busca de indicação nas convenções oficiais para concorrer nas eleições de outubro

Nos jornais

Datafolha - A impopularidade recorde de Michel Temer se deve essencialmente à insatisfação com o desempenho do governo em geral e, em particular, na economia. A imagem pessoal do presidente e o desgaste causado por escândalos de corrupção que o envolvem são laterais, mostra pesquisa Datafolha. (Folha de S.Paulo)

Investigação - O Ministério Público do Tribunal de Contas de Minas Gerais investiga o fretamento, pela Prefeitura de Belo Horizonte, de um avião para viagem do procurador-geral do município, Thomáz Resende, a Brasília em 3 de maio. O custo da viagem foi de R$ 63,1 mil. (O Estado de S. Paulo)

Eleições - Com a pré-candidatura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, prestes a sair de cena, como o próprio admitiu ontem, durante evento em Brasília, o DEM dá fôlego a três frentes de negociação com outros partidos para oferecer apoio nas eleições de outubro. (O Globo)

Nova lei - O Senado discute projeto de Antonio Anastasia (PSDB-MG) que determina que Ministério Público e polícias civil e federal seriam obrigados a compartilhar informações sobre investigações ainda em curso com TCU, Cade, Banco Central, CNJ e até comissões parlamentares. (Folha de S.Paulo)

Cui Bono - No relatório final da Operação Cui Bono, que investiga irregularidades na Caixa Econômica, a Polícia Federal ressaltou o envolvimento do presidente Michel Temer na tentativa de compra de silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e do operador Lúcio Funaro. (O Globo)

Defesa - O presidente Michel Temer efetivou ontem para o comando do Ministério da Defesa o general do Exército Joaquim Silva e Luna. É a primeira vez desde que a pasta foi criada, em 1999, que um militar ocupa o posto. (Folha de S.Paulo)

Frete - O ministro Luiz Fux, do STF, deu prazo de 48 horas para o presidente Michel Temer e a Agência Nacional de Transportes Terrestres se manifestarem sobre a MP que estabeleceu o preço mínimo dos fretes em todo o país. (O Globo, O Estado de S. Paulo e Valor Econômico)

Planos de saúde - Após três anos com reajustes de 13,5% nas mensalidades dos planos de saúde individuais, a Justiça fixou em 5,72% o teto para o aumento desses contratos, únicos com correção regulada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar.(manchete de O Globo)

Vacinação - Com baixa procura pela vacina contra a gripe, o Ministério da Saúde anunciou ontem que irá prorrogar, pela segunda vez neste ano, a campanha de imunização contra a doença. Agora, a campanha será prorrogada até a próxima sexta-feira, 22. (Folha de S.Paulo)

Juros nos EUA - O banco central americano anunciou ontem a segunda elevação da taxa de juros do ano e indicou novos aumentos em 2018. Com os juros mais altos nos EUA, investidores tendem a transferir para lá os recursos de países onde os riscos são maiores como Brasil, desvalorizando a moeda local (manchetes de O Estado de S. Paulo e do Valor Econômico)

PIS - O governo assinou ontem decreto que permitirá que trabalhadores de qualquer idade saquem os recursos do PIS/Pasep depositados entre 1971 e 1988. Segundo o Ministério do Planejamento, todas as flexibilizações realizadas para ampliar o saque desde o ano passado têm potencial de injetar R$ 39,3 bilhões na economia. (todos os jornais)