Segunda-feira, 14 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Cenário

por FSB Inteligência

Cenário - 30.7.18

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Esta é a última semana para os partidos indicarem, oficialmente, seus candidatos.

As chapas ao Planalto que saíram na frente, e oficializaram os cabeças, seguem incompletas - sem vices.

No sábado e no domingo, os encontros regionais movimentaram os Estados, mas também refletiram parte das muitas dificuldades políticas do momento.

Candidatos ao governo subiram ao palanque com aliados de última hora e slogans sendo criados ali, em plena convenção. Outros nem anunciaram nomes ao Senado.

Há ainda muita correria em torno do fechamento dos times que vão concorrer a uma vaga na Câmara e nas Assembleias estaduais.

São casos extremos, mas igualmente problemáticos porque impulsionam guerras internas e bastante 'fogo amigo'.

 

Olho no olho

Hora dos debates

A Band vai inaugurar a sequência de debates na TV aberta. A emissora confirmou a realização do primeiro encontro entre candidatos ao Planalto para o dia 9/8.

No dia 17, será a vez da RedeTV!.

Tom da campanha

Na rua, no 'zap', na web, na TV...

As candidaturas e seus representantes - oficiais ou não - já estão superexpostos há pelo menos dois meses.

No caso da corrida à presidência da República, os principais nomes caminham para a quarta onda de reforço de imagem.

Praticamente todos passaram por sabatinas promovidas por entidades de classe ou veículos de comunicação, abriram sites, criaram páginas pessoais e grupos de discussão e agora se submetem a novas entrevistas exclusivas em canais de televisão.

Copom

Juros e eleições

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reúne-se amanhã e depois para mais uma reunião que decidirá a taxa básica de juros.

Atualmente, a Selic está em 6,5% ao ano. Do lado do mercado, quase ninguém aposta em mudanças.

Como no encontro anterior, as atenções estão concentradas nas explicações que serão dadas depois do anúncio.

Questões micro relacionadas ao comportamento do emprego e aos rumos do consumo neste segundo semestre preocupam o BC.

 

Agenda

Bolsonaro – O programa Roda Viva, da TV Cultura, entrevista hoje às 22h15 o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Álvaro Dias – Às 22h30, Álvaro Dias (Podemos) estará na Globonews. O canal abre hoje a série de entrevistas com presidenciáveis.

Conjuntura – O Banco Central divulga hoje o resultado das contas do setor público consolidado.

Nos jornais

Lava Jato 1 - A Lava Jato recuperou R$ 13,4 bilhões entre a primeira delação premiada, em agosto de 2014, e agora. Os valores se referem a devoluções e acordos de leniência. A PF estima que o rombo na Petrobras chegue a R$ 42,8 bilhões. (Folha de S.Paulo)

Lava Jato 2 - Mais de três anos desde a abertura dos 22 primeiros inquéritos para investigar autoridades com foro privilegiado no STF, metade dessas investigações já chegou ao final e apenas uma destas levou à condenação, a do deputado Nelson Meurer (PP-PR). (O Globo)

Lava Jato 3 - Em entrevista, Carlos Fernando dos Santos Lima, procurador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, defende delações, mas diz que há acordos que são mais benéficos aos réus. E afirma que a PF fez acordo com ex-ministro Antonio Palocci "para provar que tinha o poder de fazer". (Folha de S.Paulo)

Paes - O ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (DEM) oficializou ontem sua candidatura ao governo do Estado. (todos os veículos)

Haddad - O coordenador do programa de governo da candidatura presidencial do PT, Fernando Haddad, disse que será difícil fechar uma aliança com o presidenciável Ciro Gomes (PDT), ao menos no primeiro turno. (Folha de S.Paulo e Valor Econômico)

Outdoors - Um conflito de decisões da Justiça Eleitoral e uma interpretação sobre liminar concedida em janeiro pelo ministro do TSE Luiz Fux abriu brecha legal para que pelo menos 200 outdoors fossem inaugurados em todos os 27 Estados pró-Jair Bolsonaro (PSL). (Folha de S.Paulo)

STF - Setenta e cinco de cem liminares concedidas por ministros do STF em ações que suspenderam parcial ou totalmente leis, decretos, resoluções e medidas provisórias aguardam julgamento no plenário da Corte. (manchete de O Estado de S. Paulo)

União - O governo Federal gasta mais de R$ 700 milhões ao ano para reembolsar empresas estatais que cederam funcionários ao Executivo. Há quase 6.000 empregados das estatais não dependentes que atuam em Ministérios, Planalto e outros órgãos Federais. (Folha de S.Paulo)

Fraude - A indenização de até R$ 12 bilhões que será distribuída a mais de 2 milhões de poupadores prejudicados pelos planos econômicos dos anos 1980 e 1990 tem incentivado a ação de golpistas, segundo a Frente Brasileira dos Poupadores. (manchete da Folha de S. Paulo)

Dívidas - O crédito para as pessoas físicas voltou a crescer, mas de uma maneira negativa. Fazer dívida para pagar dívida ou parcelar os gastos do dia a dia tem sido um comportamento que se consolida entre pessoas físicas. (manchete do Valor Econômico)

Internet - Uma parte do Brasil desprezada pelas gigantes de telecomunicações se tornou oportunidade de negócio para centenas de pequenas empresas que levam internet para o interior do país. Segundo a Anatel, as companhias regionais cresceram 66% nos últimos três anos e atendem mais de 6,6 milhões de clientes. (manchete de O Globo)

Trump - O presidente americano, Donald Trump, ameaçou barrar a aprovação do orçamento e congelar as atividades do governo Federal no próximo semestre se o Congresso não aprovar mudanças radicais nas leis de imigração. (O Globo e O Estado de S. Paulo)