Domingo, 9 de dezembro de 2018

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Como tal ou Como tais?

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

dúvida do leitor

O leitor Bruno Anunciação Rocha envia a seguinte dúvida ao Gramatigalhas:

"Estou com dúvida em relação à expressão 'como tal'. Das seguintes frases, qual é a correta? 1) As pessoas que proferem esses discursos, embora não sejam ignorantes, preferem agir 'como tal'. 2) As pessoas que proferem esses discursos, embora não sejam ignorantes, preferem agir 'como tais'."

envie sua dúvida

1) Um leitor, dizendo-se em dúvida quanto ao emprego da expressão como tal, indaga qual forma é correta entre as duas frases seguintes: a) "As pessoas que proferem esses discursos, embora não sejam ignorantes, preferem agir 'como tal'"; b) "As pessoas que proferem esses discursos, embora não sejam ignorantes, preferem agir 'como tais'".

2) Ora, um dos possíveis empregos da palavra tal é seu uso como pronome demonstrativo, exatamente como ocorre no caso trazido pelo leitor.

3) E, assim, veja-se o que acontece, se, com esse pensamento, se tenta substituir o vocábulo tal por um outro pronome demonstrativo: a) "As pessoas que proferem esses discursos, embora não sejam ignorantes, preferem agir 'como este'" (errado); b) "As pessoas que proferem esses discursos, embora não sejam ignorantes, preferem agir 'como estes'" (correto).

4) Com esse raciocínio, não é difícil constatar o que é certo e o que é errado com a expressão trazida pela dúvida do leitor: a) "As pessoas que proferem esses discursos, embora não sejam ignorantes, preferem agir 'como tal'" (errado); b) "As pessoas que proferem esses discursos, embora não sejam ignorantes, preferem agir 'como tais'" (correto).

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.