Segunda-feira, 25 de março de 2019

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Um dos que

quarta-feira, 13 de abril de 2005

dúvida do leitor

O leitor Roberto Contreras remete a seguinte indagação ao autor de Gramatigalhas:

"Gostaria de tirar uma dúvida com o professor José Maria da Costa: seria correto dizer: "um dos milhares de migalheiros que participaram do sorteio" ou "um dos milhares de migalheiros que participou do sorteio". Grato pela atenção."

No mesmo sentido, o leitor Conrado de Paulo questiona:

"Caro Professor José Maria, Ele é um dos que foram; ele é um dos que foi, ou tanto faz?"

envie sua dúvida

1) Trata-se de expressão que traz problemas quanto à concordância verbal.

2) Com ela no sujeito, o verbo pode concordar optativamente no singular ou no plural. Exs.:

a) “Dentre nossos juristas, Vicente Rao foi um dos que mais abusou do talento e da cultura” (correto);

b) “Dentre nossos juristas, Vicente Rao foi um dos que mais abusaram do talento e da cultura” (correto).

3) Após lembrar que tal expressão às vezes faz o verbo concordar no singular, às vezes no plural, Júlio Nogueira observa o que sintaticamente se dá: na segunda hipótese, “predomina o plural os, contido em dos; na primeira, um”.

4) Em continuação, opina o referido gramático: “Parece-nos preferível o verbo no plural, e usá-lo assim é a tendência mais generalizada”.1

5) Embora haja a condenação de alguns gramáticos ora a esta, ora àquela construção, Laudelino Freire, fundando-se em diversos exemplos de abalizados autores e reforçado pela autoridade de conceituados gramáticos, defende a concordância do verbo, em tais casos, tanto no singular quanto no plural, refutando superiormente tais invectivas adversárias.2

6) Júlio Nogueira, de seu lado, assevera que, “com um dos que é preferível o plural”; por outro lado, assevera que, “se, porém, vale o exemplo dos clássicos, pode-se usar o singular”, passando a arrolar exemplos abalizados de bons escritores:

a) “Foi uma das primeiras terras de Espanha que recebeu a fé de Cristo”(Frei Luís de Sousa);

b) “Uma das causas que derribou a Galba do Império foi...”.3

7) Para Laudelino Freire, “há dupla sintaxe para as orações em que o pronome que vem precedido de um dos, uma das”, observando tal gramático que, à semelhança do que ocorre na língua francesa, são facilmente justificáveis ambas as concordâncias.4

8)
Em realidade, autorizadas que estão as duas construções em nosso idioma, pode-se asseverar que, hoje, a questão é apenas de sentido: com o verbo no singular, realça-se a idéia da ação individual; com o verbo no plural, reforça-se o aspecto da ação coletiva.

9) Atentando, de modo específico, à indagação do leitor, vê-se que ambas as concordâncias estão igualmente corretas no plano sintático, e a diferença reside tão-somente na ênfase que se quer conferir ao sentido:

I) – quando se faz a concordância no singular, prioriza-se a ação individual do um;

II) – quando se põe o verbo no plural, destaca-se a atuação coletiva dos migalheiros.

______________

1 Cf. NOGUEIRA, Júlio. A Linguagem Usual e a Composição. 13. ed. Rio de Janeiro: Livraria Freitas Bastos, 1959. p. 112.

2 Cf. FREIRE, Laudelino. Estudos de Linguagem. Sem número de edição. Rio de Janeiro: Cia. Brasil Editora, impresso em 1937. p. 18-23.

3 Cf. NOGUEIRA, Júlio. Programa de Português . 3ª série secundária. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1939. p. 212.

4 Cf. FREIRE, Laudelino. Sintaxe da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Empresa Editora ABC Ltda., 1937. p. 97.

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.