Domingo, 19 de maio de 2019

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Vinte por cento dos senadores não foram reeleitos?

quarta-feira, 16 de março de 2011

dúvida do leitor

O leitor Antonio Cândido Dinamarco enviaa seguinte mensagem ao Gramatigalhas

"'Assim, 20% dos senadores não foram reeleitos.' 'Assim, 20% dos senadores não foi reeleito.' Qual a forma correta? Obrigado."

envie sua dúvida


Vinte por cento dos senadores não foram reeleitos?

1) Um leitor indaga qual a forma correta: I) "Assim, 20% dos senadores não foram reeleitos"; II) "Assim, 20% dos senadores não foi reeleito".

2) Busca-se saber, em suma, como se procede à concordância verbal nas diversas hipóteses de representação percentual no sujeito. Resumam-se, em dois exemplos, os principais problemas do assunto: I) "Noventa por cento viajou (ou viajaram)?"; II) "Noventa por cento do time viajou (ou viajaram)?" No primeiro deles, há um percentual no sujeito, mas sem especificação; no segundo, há um percentual seguido de especificação (do time).

3) Após longa análise dos autores que escrevem sobre a matéria e de suas divergências, parte-se da premissa de que, quando divergem os gramáticos, há liberdade para o usuário (in dubiis, libertas), de modo que se fixam as regras que seguem, aceitando-se um modo bastante amplo de entender a questão.

4) Primeira regra: Quando não há termo especificador, a concordância se faz com o numeral. Exs.: a) "Um por cento deixou a cidade"; b) "Trinta por cento deixaram a cidade"; c) "Apenas dez por cento aprovam a atuação do serviço do restaurante"; d) "1% desconhece o assunto"; e) "Um por cento é pobre"; f) "Noventa por cento são ricos".

5) Segunda regra: Quando a expressão indicativa de porcentagem se faz acompanhar de um termo especificador, de um partitivo, a concordância pode ser feita, indistintamente, com o número percentual ou com o termo especificador. Exs.: a) "Apenas 1% dos filmes requisitados chegou" (correto); b) "Apenas 1% dos filmes requisitados chegaram" (correto); c) "Noventa por cento da imprensa defendem o governo" (correto); d) "Noventa por cento da imprensa defende o governo" (correto); e) "Um por cento dos alunos faltou" (correto); f) "Um por cento dos alunos faltaram" (correto); g) "Setenta por cento do time não apresentavam boas condições físicas" (correto); h) "Setenta por cento do time não apresentava boas condições físicas" (correto).

6) Em tais casos de dupla possibilidade de concordância, é preciso atentar à flexão do adjetivo que funcionar como predicativo. Exs.: a) "Vinte por cento da população está desempregada" (correto); b) "Vinte por cento dos trabalhadores estão desempregados" (correto).

7) Terceira regra: Se, porém, o número percentual se pospõe ao verbo, a concordância normalmente se faz com o número. Exs.: a) "Estão perdidos 50% da lavoura de café"; b) "Ficou alagado 1% da cidade".

8) Quarta regra: Se o número percentual vier determinado por artigo ou pronome, o plural será obrigatório,. Exs: a) "Os 37% da produção serão exportados"; b) "Uns 15% da população morreram como consequência do terremoto".

9) De modo específico para o caso da consulta, como o número percentual (20%) e o termo especificador (senadores) são ambos do plural, apenas se permite a concordância do verbo no plural: I) "Assim, 20% dos senadores não foram reeleitos" (correto); II) "Assim, 20% dos senadores não foi reeleito" (errado). Mas observe a seguinte variação: I) "Assim, 1% dos senadores não foi reeleito" (correto); II) "Assim, 20% dos senadores não foram reeleitos" (correto). E se atente, em ambos os casos, ao adjetivo final (reeleito e reeleitos).

______

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.