Terça-feira, 22 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Que nem

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

dúvida do leitor

A leitora Regina Silvestre Soley envia a seguinte mensagem ao Gramatigalhas

"Professor, solicito sua explicação para minha dúvida: é correto o uso da expressão 'que nem'? Ex.: 'João fala inglês que nem um nativo'? Professor, muito obrigada."

envie sua dúvida


Que nem

1) Uma leitora quer saber se é correta a expressãoque nem em uma frase como a seguinte: João fala inglês que nem um nativo.

2) Para melhor situar a pergunta, observa-se que o circunlóquio que nem está em lugar de como e introduz uma oração subordinada adverbial comparativa. Com a mencionada pergunta, então, quer-se saber se que nem pode ser uma conjunção (mais tecnicamente, uma locução conjuntiva) com valor comparativo.

3) Diga-se desde logo que os gramáticos, de um modo geral, não se sabe se por mero esquecimento ou se por rejeição não declarada, evitam listar que nem entre as conjunções ou locuções conjuntivas comparativas.

4) Atestando-lhe, porém, a existência ao longo dos tempos no vernáculo, Napoleão Mendes de Almeida registra aspectos interessantes:

I) Anota que não vemos seu emprego em autores renomados.

II) Traz, todavia, um exemplo do insuspeito Rebelo da Silva ("O erudito fez-se vermelho que nem uma romã");

III) Observa, por fim, que Eduardo Carlos Pereira registra tal locução em sua obra de gramática.1

5) Domingos Paschoal Cegalla, por sua vez, a tem como "expressão popular, equivalente à conjunção comparativa como". E exemplifica:

I) "Ele é que nem o avô: alto e magro";

II) "Trepava nas árvores que nem macaco novo";

III) "Sua tez era que nem pétalas de rosa";

IV) "Entrou na sala que nem vento impetuoso".2

6) Respondendo a um consulente, que lhe indagava se tal expressão é "grosso caipirismo", quando usada numa comparação, Silveira Bueno afiançava ser "bom português" e realçava que podia ser encontrada em bons autores.3

7) Enfrentando diretamente a questão para a leitora e tendo em mente que se está diante de seu emprego por autores e gramáticos do porte daqueles aqui mencionados, pode-se afirmar que, no mínimo, o que há aqui é uma divergência entre os estudiosos, e, nessa condição, sempre vigora importante princípio a determinar que, na dúvida, concede-se liberdade ao usuário para escolher entre as posições ("in dubio, pro libertate").

___________________

1 Cf. ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Dicionário de Questões Vernáculas. São Paulo: Editora Caminho Suave Ltda., 1981, p. 257.

2 Cf. CEGALLA, Domingos Paschoal. Dicionário de Dificuldades da Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999, p. 344.

3 Cf. BUENO, Silveira. Português pelo Rádio. São Paulo: Saraiva & Cia., 1938, p. 92.

______

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.