Quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Sujeito composto = verbo no plural

quarta-feira, 7 de dezembro de 2005

dúvida do leitor

Na edição 1.291, recheada de saborosos provérbios, nosso "Migalhas" trouxe o seguinte texto:

"Cautela e caldo de galinha não faz mal a ninguém... exceto à galinha".

Diversos leitores escreveram indagando se está correto o "faz" do exemplo, ou se deveria ser "fazem".

envie sua dúvida

1) Concordância verbal é a harmonização do verbo com o seu sujeito, o que se dá em número (singular ou plural) e pessoa (primeira, segunda ou terceira).

2) Algumas observações gerais podem ser de grande utilidade.

3) Nesses casos, o verbo (denominado palavra regida ou subordinada) acomoda-se à flexão do sujeito (denominado palavra regente ou subordinante).1

4) Assim, se o sujeito é simples, a concordância se faz em número e pessoa com o núcleo do sujeito. Exs.:

a) "Eu encontrei o livro";

b) "Os rebeldes saíram às ruas";

c) "A pintura dos três prédios exigiu dois meses";

d) "Aconteceram, por aqui, casos interessantes";

e) "Os consertos do edifício demoraram mais do que o previsto".

5) Se o sujeito é composto e anteposto ao verbo, concorda este com a soma daquele. Ex.: "A citação e a penhora foram anuladas".

6) Se o sujeito é composto e posposto, o verbo pode concordar no plural ou com o núcleo mais próximo. Exs.:

a) "Foram anuladas a citação e a penhora" (correto);

b) "Foi anulada a citação e a penhora" (correto);

c) "Foi anulado o edital e a citação"(correto).

7) Para esse último caso, vale observar com João Ribeiro que, "embora concorram muitos sujeitos, sempre foi primor e liberdade de estilo deixar o verbo no singular desde que este os precede na frase".2

8) No caso da consulta, é de fácil verificação que o sujeito tem dois núcleos: cautela e caldo. E mais: sujeito composto e anteposto ao verbo, o que, por via de regra, exige a concordância no plural. Corrigindo, portanto: "Cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém... exceto à galinha".

9) Sem dúvida, um penoso cochilo da redação. Mas devo dizer – por experiência própria em decisões que proferia quando Magistrado e em petições, arrazoados e pareceres que hoje elaboro na advocacia – que não é difícil ser levado a um erro como esse. E a explicação é a seguinte: a idéia, tal como surge de início, é escrever um sujeito simples no singular, o que leva o verbo também para o singular. No meio do raciocínio, porém, resolvemos acrescentar um outro núcleo do sujeito, mas não atentamos à idéia do verbo já pensado no singular. E, com a idéia inicial deste, fica também o erro. O caminho para sanar essa falha é revisar o texto com atenção, sem perder de vista a idéia de que os erros de concordância verbal são mais corriqueiros do que imaginamos.

_____________

1 Cf. GÓIS, Carlos. Sintaxe de Concordância. 8. ed. São Paulo: Livraria Francisco Alves, 1943. p. 25.

2 Cf. RIBEIRO, João. Gramática Portuguesa. 20. ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1923. p. 149.

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.