Terça-feira, 17 de setembro de 2019

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Cuspido e escarrado

quarta-feira, 30 de novembro de 2005

dúvida do leitor

O leitor Luiz Antonio Ramalho Zanoti envia a esta redação a seguinte mensagem:

"Sr. Diretor, A respeito do Migalhas 1.293 (16/11/05), tomo a liberdade de formular a seguinte correção, no que diz respeito ao tópico 'Baú Migalheiro': - Está escrito que 'É Lobato cuspido e escarrado'. Esta expressão não é correta (e nem existe). O certo é 'esculpido e encarnado'. Muito obrigado pela atenção."

A redação, na edição seguinte, assim se manifestou:

Nota da redação - "Novo Aurélio - O Dicionário da Língua Portuguesa", Aurélio Buarque de Holanda Ferreira

Verbete : Cuspido [Part. de cuspir.] Adj. 1. Em que se cuspiu: 2

2. Fig. Ultrajado, abocanhado. Cuspido e escarrado.

1. Exatamente como; tal qual; sem tirar nem pôr; direitinho, escritinho, escarrado; escrito e escarrado; escarrado e cuspido: "Este menino é o avô, cuspido e escarrado; Saiu ao pai, cuspido e escarrado."

envie sua dúvida

1) Trata-se de expressão indevida e equivocada, que bem possivelmente se obteve popularmente pela deterioração de esculpido e encarnado.

2) O correto, então, é que alguém diga: "O investigante era o próprio investigado esculpido e encarnado"; e não: "O investigante era o próprio investigando cuspido e escarrado".

3) Usado no linguajar do povo, o último modo de exprimir, segundo Arnaldo Niskier, "só deveria ser empregado quando o sentido fosse pejorativo".1

4) Também seria de se pesquisar eventual similaridade com o inglês, em que se tem, nesse sentido, a expressão spitting image, que pode ser literalmente traduzida como imagem cuspida (diz-se, assim, que alguém é a spitting image de alguém).

5) Não parece, por fim, ter fundamento consistente nem verossimilhança a explicação de alguns que vêem a expressão considerada como corruptela de esculpido em (mármore de) carrara.

______________

1Cf. NISKIER, Arnaldo. Questões Práticas da Língua Portuguesa: 700 Respostas. Rio de Janeiro: Consultor, Assessoria de Planejamento Ltda., 1992. p. 33.

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.