Quarta-feira, 21 de agosto de 2019

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Ar-condicionado – Qual o plural?

quarta-feira, 4 de julho de 2018

dúvida do leitor

A leitora Giovana Sangaletti envia a seguinte mensagem para a seção Gramatigalhas:

"Qual o plural de ar condicionado? E por quê?"

envie sua dúvida

1) Uma leitora indaga qual o plural de ar condicionado. E complementa sua indagação: por quê?

2) Ora, sempre é bom lembrar – até para criar no leitor o salutar hábito de um raciocínio que se repete – que, quando se quer saber se uma palavra existe ou não em português, ou mesmo qual é sua grafia e/ou pronúncia, ou qual o seu plural quando foge à normalidade, deve-se tomar por premissa o fato de que a autoridade para listar oficialmente os vocábulos pertencentes ao nosso idioma e para definir-lhes as demais peculiaridades e circunstâncias, é a Academia Brasileira de Letras.

3) E essa autoridade, a ABL a exerce por via da edição do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa.

4) Uma simples consulta ao VOLP mostra que, para o vocábulo trazido pela leitora, determina ele os seguintes aspectos: a) a grafia é ar-condicionado (assim com hífen, e não como foi trazido pela leitora, sem ele); b) por se tratar de vocábulo com certo grau de dificuldade, também traz seu plural, que é ares-condicionados (2009, p. 75).

5) A razão de se fazer o plural desse modo é que, em substantivos compostos (como esse, que tem dois elementos unidos por hífen), quando formados por elementos variáveis (no caso, um substantivo [ar] e um adjetivo [condicionado]), ambos vão para o plural.

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.