Sábado, 20 de julho de 2019

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Gênero, número e grau

quinta-feira, 13 de maio de 2004

dúvida do leitor

Você já ouviu alguém dizer: 

  • Fulano concorda com Sicrano em gênero, número e caso? 
envie sua dúvida

1) Das expressões livro bonito, livrinho bonito, livrão bonito, livro bonitinho, livro bonitão, livros bonitos, gravuras bonitas, todas corretas em português, podem-se extrair algumas conclusões importantes:

a) os substantivos e os adjetivos têm seu estado normal: livro, gravura, bonito;

b) podem apresentar, também, em nosso idioma, uma forma que os apequene (livrinho, gravurinha, bonitinho), que é seu grau diminutivo, ou uma forma que os aumente (livrão, gravurona, bonitão), que é seu grau aumentativo;

c) e, quando se observa livro bonito, livros bonitos, gravura bonita e gravuras bonitas, vê-se que o adjetivo se flexiona para o masculino ou feminino (gênero) e para o singular ou plural (número), sempre acompanhando fielmente o substantivo por ele modificado;

d) tecnicamente se diz, em tais casos, que o adjetivo concorda com o substantivo por ele modificado em gênero e número.

2) Reitere-se que uma análise adequada do comportamento do adjetivo nessas circunstâncias revela ser ele verdadeira sombra do substantivo, acompanhando-o em sua flexão, motivo por que, em sentido figurado, quando alguém concorda integralmente com a opinião ou com o modo de pensar de outrem, costuma-se dizer que "Fulano concorda em gênero e número com Sicrano".

3) Oportuno, todavia, é observar que, da análise das expressões livrinho bonito, livrão bonito, livro bonitinho e livro bonitão, extrai-se a forçosa conclusão de que o adjetivo não concorda em grau com o substantivo por ele modificado.

4) Só por isso já se nota que incorreta é a expressão que muitos empregam para significar concordância total de uma pessoa com outra: "Fulano concorda com Sicrano em gênero, número e grau".

5) Esse é um erro que talvez remonte aos velhos tempos em que se estudava latim, língua essa em que o adjetivo, além de gênero e número, também concorda em caso (nominativo, vocativo, genitivo, dativo, ablativo ou acusativo) com o substantivo modificado, motivo por que é correto, então, dizer, pensando na língua ancestral: "Fulano concorda com Sicrano em gênero, número e caso".

6) Como, todavia, são raros os que, nos dias de hoje, entendem um pouco de latim, talvez seja melhor dizer apenas gênero e número, muito embora não esteja errado o emprego, na mencionada frase, da expressão gênero, número e caso.

7) O que, porém, é inadmissível é dizer: "Fulano concorda com Sicrano em gênero, número e grau".

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.