Quinta-feira, 21 de março de 2019

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

por José Maria da Costa

Crase antes de substantivos comuns

quarta-feira, 19 de janeiro de 2005

dúvida do leitor

A leitora Mariléa Lima remete ao responsável pela coluna Gramatigalhas a seguinte indagação:

"Gostaria de obter informações acerca do uso da crase na expressão "... à presença de V.Exa...".

envie sua dúvida

Crase antes de substantivos comuns

1) É a fusão de duas vogais idênticas.

2) Seu aspecto mais importante é o caso de fusão da preposição a com os artigos femininos e pronomes demonstrativos a ou as (resultando à e às). E o acento grave tem hoje por função única em Português representar a existência da crase.

3) Duas regras básicas são de grande utilidade.

4) Por primeiro, quando se trata de saber se ela existe antes de um substantivo comum feminino, o melhor é substituir mentalmente, na frase, tal substantivo feminino por um correspondente masculino; se, com essa substituição, aparece ao ou aos no masculino, há crase no feminino.

5) Assim, diz-se “Vou à cidade”, porque, no masculino, se fala “Vou ao campo”.

6) De semelhante modo, “Ficaram junto à porta”, porque “Ficaram junto ao portão”.

7) Diz-se, todavia, “Encontrei a menina”, porque se fala “Encontrei o menino”; e, também, “A paz une as nações”, porque “A paz une os povos”.

8) Quanto à expressão submetida a esta análise (“... à presença de V. Exa....), não há como saber se há ou não crase no caso concreto, porque esta depende de haver uma palavra anterior que exija a preposição a. Por isso, vamos formular dois exemplos com a referida expressão já precedida de outra palavra, ora com crase, ora sem crase, bastando conferir o procedimento do a questionado quando se procede à substituição da palavra feminina que se lhe segue por um substantivo masculino:

a) Venho à presençade V. Exa...”, porque Venho ao convívio...”;

b) Aprecio a presençade V. Exa...”, porque Aprecio o convívio...

9) Uma observação final: crase não é o nome do acento, e sim o fenômeno lingüístico de encontro de duas vogais idênticas. O nome do acento empregado em tal caso é grave, o qual, como já se observou, apenas existe hoje em Português para indicar existência de crase. Tecnicamente, portanto, deve-se dizer que se usa o acento grave para indicar a existência da crase.
______

Manual de Redação Jurídica
José Maria da Costa

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.