Domingo, 25 de agosto de 2019

ISSN 1983-392X

"A ministra não foi bem na minha opinião (Migalhas quentes – 13/8/19). Só o motivo da PJ ter procurado o Judiciário já mostra que houve o abalo moral, a ponto da imobiliária 'in casu' ter pagado advogado por ter sido exposta no seu local de atuação para o seu público alvo. Isso certamente lhe renderá perda de negócios. E a tese da ministra cai por aí. Deveria ter analisado também os efeitos maléficos da postagem da manicure."

Thiago Torres - 14/8/2019

Comente