Terça-feira, 19 de novembro de 2019

ISSN 1983-392X

"É por essas e outras que devemos prestigiar o duplo grau de jurisdição (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo). Direito, presente!"

Jacqueline Pinheiro - 6/11/2019

"Essa magistrada, data maxima venia, não tem a menor ideia do que seja o feminismo, e denota extrema ignorância e desconhecimento de história (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo). A situação é justamente inversa às teratologias que a mesma diz. Aliás, graças ao movimento feminista hoje ela pode ser magistrada, e não mera esposa ou secretária de magistrado. A ignorância é o maior monstro que a humanidade deve vencer para continuar a existir. Cruz-credo! Vade retro!"

Álvaro Rangel - 6/11/2019

"Apesar de não conhecer os autos e abominar trotes de mau gosto, com brincadeiras duvidosos, parabenizo a I. magistrada, que ao meu ver foi mal interpretada à luz do maldito modismo do 'politicamente correto', pois colocou os pingos nos 'is', ao enquadrar com razão a abominável Simone de Beauvoir e esse feminismo maldito que ajudaram a deteriorar a sociedade, no rol dos idealistas desprezíveis (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo). E em se tratando de uma mulher, antes de ser magistrada ou qualquer outra qualificação, demonstrou que elas, mulheres, não precisam da intromissão do Estado, como se fossem incapazes. Portanto, em nome das mulheres maravilhosas que são profissionais, mães, esposas, amigas e tudo o mais que quiserem ser, quero consignar minha admiração à essa grande mulher e juíza. Vossa Excelência nos brindou com cultura, Justiça e sabedoria."

Tito Lívio de Figueiredo Neto - 6/11/2019

"Diferentemente da crítica de Migalhas à bem fundamentada decisão da magistrada, e citando Monteiro Lobato, sempre há opiniões divergentes (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo). Considerei perfeitamente contextualizados os argumentos utilizados por sua excelência. Estranho mesmo, para mim, foi o MP ingressar com ação 'coletiva' sobre tema no mínimo controverso, quiçá quixotesco."

Rafael Antônio Campagnoli - 6/11/2019

"Em tempo, para quem se interessar sobre o tema, a série Por que odiamos? (Why We Hate?) concentra-se em uma das emoções mais primárias e destrutivas da humanidade, o ódio (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo). A série lança a proposta oportuna de que é possível encontrar maneiras de trabalhar contra o ódio, impedindo a sua disseminação a partir do conhecimento sobre o funcionamento de nossas próprias mentes. Série da Discovery, exibida na TV Cultura aos domingos e disponível no Youtube também."

Jacqueline Pinheiro - 6/11/2019

"O que dizer para esta D. magistrada (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo)? Pois, se ela não acredita na luta do movimento feminista, que buscou a liberdade e igualdade para que pessoas como ela pudessem trabalhar livremente, que deixe a magistratura."

Caio Kurosaka - 6/11/2019

"Minha cara, sem concordar com os termos do juramento, mas muito longe de concordar com sua demonstração antifeminismo na sentença (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo). Se não fosse o movimento feminista, não poderíamos ter entrado na faculdade, não dirigiríamos, não votaríamos, não seríamos elegíveis, seríamos proibidas de fazer aborto em caso de estupro. Não me entendo inferior por ter um órgão genital diverso do masculino, penso ser uma lástima ainda existirem mulheres que têm esta linha de ideias nos dias atuais!"

Liara da Cruz Santos - 6/11/2019

"Gostaria de saber da juíza se o nome dela aparecer na lista de juízes com salários superiores ao teto (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo). Colabora para a degradação moral, ou é apenas inconstitucional mesmo?"

Cristiano Manchini - 6/11/2019

"A ignorância é atrevida (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo)!"

Luis Vidal - 6/11/2019

"Concordo plenamente com a juíza (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo)! A sociedade virou uma palhaçada! Inversão de valores e da moral! Chega! Cansamos!"

Marilda Santim Boer - 6/11/2019

"Sobre Simone de Beauvoir, não era esta que seduzia meninas inocentes para satisfazer o prazer de seu companheiro que vivia com ela sem compromisso (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo)? A magistrada está certa, infelizmente oferecemos louros a terceiros porque somos levados, durante a nossa vida acadêmica, a sermos simples vasos repositórios de informações de terceiros e de suas escolhas pessoais como referências. O feminismo do século XXI não me representa."

Jaqueline Martins - 6/11/2019

"Ela esqueceu apenas de um detalhe, se não fosse por causa do feminismo ela não poderia ser juíza (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo)."

Fernanda Leite - 8/11/2019

"Provavelmente a juíza não sabe como conseguiu o direito de trabalhar, usar calças, ser juíza e votar (Migalhas 4.725 – 6/11/19 - Magistrada abomina o feminismo). Triste!"

Lygia Firmani - 8/11/2019

Comente