Quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

ISSN 1983-392X

Marketing Jurídico

por Alexandre Motta

Novas dicas de contratação

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

A amiga Stéphany Barros pergunta:

"Alexandre, boa noite. Estou há bastante tempo desempregada e até agora não me recoloquei mas sei que tenho um currículum interessante e me apresento bem. Alguma dica interessante?”

Stéphany, obrigado pela pergunta. Como dono de uma empresa de recrutamento, vejo erros acontecendo diariamente no envio dos CV's. As pessoas, na maioria das vezes por falta de atenção, insistem em diminuir suas chances de serem empregadas simplesmente por não entenderem a importância do aspecto de envio adequado. Já falei sobre isso em outra coluna (acesse aqui) e hoje quero expandir isso com mais algumas dicas.

No corpo: A primeira dica se refere ao corpo do e-mail onde se envia o currículo. Muitos candidatos sequer colocam algo para deixar a comunicação mais interessante. O que custa colocar algo como "Prezado Recrutador, segue anexo meu CV para sua análise. Espero estar condizente com a vaga XXX proposta pela empresa e fico disponibilizado para quaisquer dúvidas, se existirem. Desde já agradeço. Atenciosamente"? Pronto, você customizou essa comunicação e "falou bonito" para uma pessoa que deve ser impressionada. Obviamente não precisa ser este texto, mas nunca envie um e-mail sem nada escrito.

Não apele: Aproveitando o ensejo do texto do corpo do e-mail comentado no item anterior, já entro no segundo ponto que é o do apelo. Muitos destes textos (e ainda alguns dentro do próprio CV) chegam com textos falando "por favor me dê uma chance", "preciso muito trabalhar", "tenho filhos para criar" e outros. Apesar disso apelar ao nosso sentimento de empatia, a verdade é que nenhum recrutador sério vai te escolher simplesmente por que você está precisando. A escolha é feita exclusivamente em cima de suas características empregatícias que encaixam com a vaga proposta. Basicamente você será contratado porque pode ajudar a empresa e não o contrário e essa é a dura realidade. Você tem que ganhar a vaga pela sua competência e não por nenhum outro fator, independente de qual seja.

Águas passadas não movem moinho: Outro ponto a comentar é que vitórias do passado não contam no CV. Isso significa, na prática, que se seu currículo tem uma experiência do passado importante, onde você conseguiu se manter na empresa (e talvez até ter evoluído lá) e depois disso seu CV se tornou "picado" (6 meses em uma empresa, 1 ano em outra, 8 meses na próxima, etc.) essa boa experiência anterior se diluiu em empregos mais recentes que você não conseguiu manter. Se você como estagiário era considerado bom, isso não significa que você, como empregado, deva necessariamente ser também e nós percebemos isso. A coisa que mais vejo são pessoas perderem empregos bons pois se mostram instáveis nos empregos em que foram trabalhando. CV’s com prazos curtos de atuação em diversas empresas tendem a ser descartados. Cuidado com isso.

Don’t lie: Outro ponto mais do que importante é nunca mentir no CV. Isso é, de longe, a coisa mais percebida pelos recrutadores. É mais fácil um candidato passar para uma próxima fase do recrutamento dizendo "errei bastante em meu último cargo, mas aprendi minha lição" do que tentar contornar a realidade com alguma história onde o candidato nunca é o culpado pela sua não evolução na carreira.

Seja autossuficiente: Outro erro clássico dos candidatos é "pedir dados" e não "confirmar dados". Explico. A verdade, independentemente de qualquer vaga pleiteada, é que o recrutador quer uma pessoa esperta e que tenha uma certa proatividade e autonomia. Portanto, é muito mais empolgante receber de um candidato perguntas como "o endereço da entrevista é realmente em XXXXX?" ao invés de "onde é o endereço da entrevista?", "a atuação da empresa é realmente no segmento XXXX?" do que "o que exatamente a empresa faz?", "as funções que vou exercer são XXXXXX, confere?", do que "quais são as atribuições que vou exercer?". Confirmar e não apenas questionar significa que você fez sua lição de casa e entende onde está se inserindo, ao contrário do outro cenário. Tenha certeza que essa impressão vai agradar seu futuro chefe.

O CV é sua foto impressa: Se você não teve o zelo de revisar seu currículo antes de enviar e o recrutador percebe erros de digitação, de diagramação, de linha de raciocínio e – ó céus! – de português, pode dar tchau ao sonhado emprego. Uma pessoa que erra no CV, já passa, automaticamente, a imagem de descuidada e desleixada. Se erra em documento tão importante – que deveria ter sido revisado mil e uma vezes – imagina no dia a dia do trabalho.

Pontualidade nas entrevistas: Não atrase. Nunca. Ponto final.

Enfim, estas são mais algumas dicas para que você seja contratada em breve.

Espero ter ajudado e boa sorte!

Confira toda sexta-feira a coluna "Marketing Jurídico" e envie suas dúvidas sobre marketing jurídico, gestão de escritórios, cotidiano dos advogados empreendedores ou dúvidas gerais sobre o dia a dia jurídico por e-mail (com o título Coluna Marketing Jurídico) que terei um grande prazer em ajudar.

Bom crescimento!

Alexandre Motta

Alexandre Motta é consultor e sócio diretor do Grupo Inrise. Com formação e pós-graduação em marketing pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), atuou durante cinco anos em escritório jurídico como responsável pela área de desenvolvimento de negócios e comunicação com clientes. É palestrante oficializado pela OAB (tendo recebido inclusive a Medalha do Mérito Jurídico), escreve artigos de relevância para o mercado atual e é autor dos livros "Marketing Jurídico – Os Dois Lados da Moeda" e "O Guia Definitivo do Marketing Jurídico". Apresenta também o programa de entrevistas Conversa Legal, focado na interatividade dos profissionais do setor jurídico. Desde 2002 mantém, através de sua consultoria, uma clientela de inúmeros escritórios jurídicos sob sua responsabilidade de atuação e crescimento em marketing ético.