Quarta-feira, 22 de maio de 2019

ISSN 1983-392X

Retratos da vida: o episódio Maicon e a necessária revisão do modelo organizacional do futebol brasileiro

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Maicon, muito bom zagueiro do São Paulo Futebol Clube (SPFC), viveu um episódio que poderia ser incluído em uma hipotética refilmagem da obra-prima de Claude Lelouch, Retratos da Vida, em torno do futebol.

Explica-se.

Após a maior crise política da história do clube, que culminou com a renúncia, em 2015, do presidente eleito Carlos Miguel Aidar, seu sucessor, Leco, iniciou, em 2016, uma campanha futebolística marcada pela desconfiança.

Torcida e imprensa questionavam a capacidade do time de protagonizar bons momentos, apesar de contar, em seu elenco, com alguns jogadores de grande qualidade.

Leco decidiu, então, trazer para compor o grupo, por empréstimo de curta duração, um atleta radicado em Portugal, com certa idade e uma carreira marcada por altos e baixos: Maicon.

Uma série de fatores contribui para que, apesar dos maus resultados nos campeonatos locais, o SPFC se projetasse e avançasse no torneio que sua torcida mais se identifica: a Copa Libertadores da América.

No último jogo da fase classificatória, na altitude de La Paz, registraram-se momentos que ficarão na memória do torcedor: brigas, confusões e uma expulsão que levou o até então melhor jogador em campo, Maicon, a vestir a camisa de Denis, o goleiro, expulso ao final da segunda etapa.

Como arqueiro, Maicon fez duas defesas que o lançaram – pelo conjunto da obra, é verdade - à candidatura ao posto de herói.

Havia um problema, porém: o contrato de empréstimo se encerraria antes do início das semifinais da Copa Libertadores da América, interrompida por conta de um calendário desastroso que previa a realização de uma competição de seleções antes do término da competição de times.

Encurralado, o presidente do São Paulo, homem sem dúvida alguma correto, sério e bem intencionado, havia de decidir entre manter o jogador e cultivar a esperança da torcida, ou sacrificar o caixa do clube.

Importante lembrar que, em 2015, o SPFC encerrara o ano com uma dívida global de R$ 291 milhões.

Para manter Maicon, o São Paulo haveria de desembolsar R$ 22 milhões. Uma fortuna, em qualquer situação. Sobretudo para um clube endividado, com poucas vias de financiamento de suas atividades – exceto as tradicionais, como patrocínio e direitos de transmissão -, e por jogador que já tinha certa idade e um futuro incerto.

Novamente: Maicon é um muito bom jogador. E se mostrou, nos poucos meses em que comandou a defesa do time, uma peça essencial.

Mesmo assim, o investimento se justificava? Como se ponderar o risco do investimento? E o seu retorno?

O zagueiro veio. A torcida explodiu de alegria e lotou o Estádio do Morumbi para uma linda festa no primeiro jogo da semifinal. A confiança em seu novo capitão era absoluta.

Mas não foi correspondida. Aos 28 minutos do segundo tempo, em uma atitude macunaímica, o quase-heroi se transformou no anti-heroi: um cartão vermelho o tirou do jogo. Não apenas daquele, mas do seguinte também, que se realizaria na casa do adversário.

Pior: na sequência da expulsão, aproveitando-se da ausência do expulso – o que, de certa forma, revelou sua importância -, o SPFC tomou dois gols, tirando suas esperanças de prosseguir na competição – ou tornando a missão praticamente impossível.

Maicon falhou. O que reforça sua condição de ser humano – negando o heroísmo que se pretendeu emprestar-lhe.

Ele pode ser criticado pela infantilidade de seu gesto, mas jamais condenado. Talvez, até, ilustrado como mais uma vítima do modelo que precisa de heróis para se afirmar, se alimentar e se preservar.

Criticar Leco pelo teatro do absurdo é, também, um absurdo. Ninguém poderia, jamais, imaginar tamanha dramaticidade. Talvez uma falha em campo, uma partida mal jogada por parte do novo contratado; mas não um retrato tão dramático da vida.

Leco, assim como os demais presidentes sérios de clubes de futebol, são reféns do mesmo modelo que prioriza o amadorismo. E também o jeitinho. E as decisões passionais ou oportunistas, movidas pelos gritos das ruas.

Mas não devem, por outro lado, ser tratados como vítimas; porque isso não são.

São algozes de si próprios.

E culpados - para usar uma expressão forte, é verdade, mas realística - pela passividade com que aceitam o modelo. E reverberam o dogma de que o futebol é diferente, que "a gestão de um clube de futebol não é semelhante à de uma empresa, pois envolve paixão".

A decadência do jogador brasileiro, do clube brasileiro e da seleção brasileira não é obra do acaso.

É obra de seres humanos, que não percebem a relevância de suas funções e a importância que o esporte tem nos planos educacionais, sociais e econômicos.

Pode-se, no entanto, virar o jogo.

Basta que essas pessoas se unam.

Em torno de um projeto de futebol para o Brasil. E contra esse estado de coisas que escraviza os times brasileiros.

Futebol e Governança
Rodrigo R. Monteiro de Castro

Rodrigo R. Monteiro de Castro é presidente do MDA. Ex-presidente do IDSA. Professor de Direito Comercial do Mackenzie. Doutor em Direito Comercial pela PUC. Coautor do projeto de lei que institui a Sociedade Anônima Simplificada. Coautor do Livro "Futebol, Mercado e Estado" e autor dos livros "Controle Gerencial" e "Regime Jurídico das Reorganizações". Sócio do escritório r. monteiro de castro advogados.