Terça-feira, 26 de março de 2019

ISSN 1983-392X

terça-feira, 24 de agosto de 2004

As “férias” do mercado

Francisco Petros*


As “férias” do mercado


No atual contexto, as perspectivas para o desempenho da economia brasileira no curto prazo são mais promissoras. Basicamente, as expectativas estão mais positivas motivadas pela percepção de que o crescimento está mais intenso e que os riscos fiscais e externos menos relevantes.

Esta percepção não nos parece equivocada, mas precisa ser qualificada. No que se refere ao crescimento é preciso que fique claro que este tem duas características básicas: (1) a base de comparação (o ano recessivo de 2003) favorece a que os indicadores sejam mais expressivos. Por exemplo: o nível de vendas do varejo em julho (dados do IBGE) cresceu “expressivos” 12% em relação ao mesmo mês do ano passado (o mês mais fraco de 2003); (2) o desempenho do agro-negócio e das exportações está muito bom, acima das expectativas e favorecido por preços externos favoráveis e abertura de novos mercados. Finalmente, depois de muitos anos temos resultados da balança comercial que dão segurança ao nosso balanço de pagamentos.

No que se refere aos riscos externos, estes não são nada desprezíveis, mas ganhamos um tempo precioso para avançarmos nas reformas. Há sinais de enfraquecimento da economia norte-americana e isso pode contribuir para que as taxas de juros externas permaneçam baixas por mais tempo que o inicialmente era esperado pelos agentes. Para países como o Brasil, altamente dependentes de fluxos internacionais para se financiar, a continuidade da fartura de liquidez externa é um ótimo sinal.

Se no curto prazo os sinais são mais promissores, no médio (06 meses) e longo prazo (12 a 24 meses) o cenário é opaco. Isso não quer dizer que será ruim. Quer dizer que é muito incerto e pautado por variáveis difíceis de se prever. Se o leitor se defrontar com economistas, analistas ou outro qualquer com convicções muito sólidas sobre o que acontecerá no médio e longo prazo, escute-os com atenção, mas não leve muito a sério o que leu ou ouviu. Como é que alguém pode prever como será a política econômica de Bush ou Kerry? Ou, qual será a cotação do petróleo daqui a semanas ou meses? Ou, elaborar uma previsão sobre os riscos geopolíticos?

Do meu ponto de vista, só há um modo de se comportar neste contexto no que se refere aos investimentos. É cuidar mais dos “processos” dos que das “previsões”. O que significa isso? Essencialmente, trata-se de analisar os fundamentos presentes nos mercados e nas economias e procurar discernir sobre suas tendências sem querer adivinhar os fatos, os preços futuros e assim por diante. Avaliar tendências também é uma atividade difícil, mas por não ser pretensiosa quanto à necessidade de se fazer previsões, permite que correções de rumo sejam feitas ao longo do tempo e mantém a liberdade intelectual para mudar de opinião a qualquer tempo. “Se os fatos mudam, mudo de opinião”, dizia Lord Keynes.

No geral, no mercado financeiro e de capital, os “jogadores” acreditam que o conhecimento das “regras” do mercado - ferramentas de análise, acesso fácil a uma quantidade enorme de informações, equipes de especialistas, etc. - os tornam “bons jogadores”. É como se alguém que conheça com profundidade as regras de pôquer se considere um bom jogador de pôquer. Duas coisas muito diferentes.

Os diversos segmentos do mercado financeiro têm mais variáveis aleatórias que inicialmente se imagina. Sendo assim, é mais importante acompanhá-las e entendê-las do que prevê-las.

Considerando-se o acima exposto - no que diz respeito à forma de se avaliar investimentos e se posicionar no mercado - as variáveis externas recomendam redobrada cautela. As variáveis internas um certo otimismo. Do lado externo, os dois principais riscos são (1) a evolução dos preços do petróleo e (2) as incertezas sobre a política monetária e fiscal dos EUA; do lado interno as duas principais variáveis são (1) o nível de investimentos necessário para que exista crescimento sustentado e (2) a implementação de reformas mais profundas pelo governo e pelo Congresso, depois das eleições municipais de outubro.

Acredito que até meados de setembro, o comportamento e os preços dos ativos permanecerá sem tendência definida. Haverá, até mesmo, uma sensação de que nada estar a acontecer. O mercado está de férias.

______________

petros@migalhas.com.br

* Francisco Petros é economista formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, pós-graduado em finanças (MBA) pelo Instituto Brasileiro do Mercado de Capitais (1ª Turma-1987). Em 1988, ingressou na Brasilpar onde atuou por dez anos nas áreas de corporate finance e administração de recursos (esta foi a primeira empresa independente de gestão de recursos). Em seguida, foi diretor-executivo do Grupo Sul América na área de investimentos. Em 1998, fundou a NIX ASSET MANAGEMENT da qual é sócio-diretor. É membro do Conselho Consultivo do Ethical Fund, fundo de investimento administrado pelo ABN-AMRO. Foi diretor (1992), Vice-Presidente e Presidente (1999-2002) e membro do Conselho Consultivo e do Comitê de Ética (atual) da APIMEC (Associação dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais - São Paulo). É Certified Financial Planner (CFP®) pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF) e Analista de Investimento com CNPI (Certificação Nacional de Profissional de Investimento). É colunista da Revista Carta Capital, do Jornal Valor Econômico e consultor da Rede Bandeirantes de Rádio (BAND), além de contribuir esporadicamente para diversas publicações especializadas em mercado de capitais, economia e finanças. Em 2004 foi escolhido o “Profissional de Investimentos do Ano” pelo voto direto dos associados da APIMEC em função da sua contribuição para o desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro.


_______

Busca verbete por título

A B C D E F G H I J L M N O P Q R S T U V X Z

* José Marcio Mendonça jornalista e comentarista político; editou o Caderno de Sábado, o suplemento de Cultura do Jornal da Tarde e foi chefe de redação da sucursal de Brasília dos jornais: O Estado de S.Paulo e Jornal da Tarde. Apresenta: A Palavra de Quem Decide na Rádio Eldorado e escreve para o Portal Estadão e no Blog: A Política como Ela é.

* Francisco Petros é economista, graduando em Direito, pós-graduado em Finanças. Trabalha há vinte e cinco anos no mercado de capitais, em instituições brasileiras e estrangeiras. Foi presidente da APIMEC - Associacao Brasileira dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais. Atualmente é membro do CSA - Conselho de Supervisão dos Analistas do Mercado de Capitais, órgão supervisionado pela CVM - Comissão de Valores Mobiliários.