Quinta-feira, 22 de agosto de 2019

ISSN 1983-392X

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Política & Economia NA REAL n° 78

Espírito de Minas

Quem anda por MG, capital e interior, e tenta auscultar, tanto entre políticos, líderes empresariais, como junto à população sobre seus sentimentos eleitorais, percebe claramente que há um forte sentimento nativista. Este pode ser definido de modo muito simples : se Aécio Neves e o Estado saírem insatisfeitos (ou "humilhados", como dizem alguns mais radicais) das tratativas da sucessão presidencial na seara oposicionista, os mineiros voltar-se-ão para as suas montanhas. Vão deixar a eleição presidencial, num segundo plano. Como dizem alguns exaltados, Minas não votará em Serra caso Aécio fique magoado. O que pode beneficiar Dilma. E muito também à ex-ministra Marina.

Sentimento de Minas

O PT já apreendeu esse "espírito" eleitoral que grassa entre os mineiros e se prepara para oferecer aos das Alterosas o que eles parecem desejar : a candidata "uai". Equipes de jornalistas e cinegrafistas rondam o Estado preparando matérias sobre a trajetória mineira da ministra Dilma Roussef. Criada politicamente no Sul, a ideia é mostrar que Dilma é mineira de boa cepa. Não se tem ainda informação sobre se algum fonoaudiólogo foi contratado para ensinar Dilma a falar "direitim, direitim", no idioma das Gerais.

Sentimento de Minas - II

Ao que se diz em BH, Aécio não se deixa impressionar com as informações vazadas por Brasília, de que o governo e o PT acham que ele será um candidato muito mais difícil para Dilma derrotar do que Serra. Até porque, se eles pensassem mesmo isso, estariam atacando o governador mineiro e não Serra. Mas a versão é boa para os planos do mineiro. Aécio está agora querendo ampliar sua imagem de bom conciliador, bom aglutinador, e de que é o indicado para promover um novo "pacto federativo" no país, com maior equilíbrio entre os Estados e as regiões. Um discurso que soa bem até para governadores e políticos aliados de Lula e comprometidos com Dilma.

Pouco a acrescentar sobre a economia

Na semana passada, no cenário internacional tivemos duas informações que reforçaram a percepção de que a recuperação das principais economias persiste no bom caminho. A primeira foi a melhora do mercado laboral dos EUA. Trata-se de uma informação - número de pedidos de auxílio-desemprego - ainda que ainda depende de verificação de tendência, mas que foi positivo. A outra foi a divulgação do PIB dos países da zona do euro. Esta última informação, mostrou que a Europa está saindo da recessão, mas com um aspecto negativo que é a enorme dispersão do crescimento entre os países do continente. Tudo isto em linha com as expectativas de investidores e analistas.

As duas questões vitais

Se as evidências de recuperação consistente da economia mundial se acumulam os dois pontos mais relevantes persistem em relação a crise : (i) qual é o limite necessário de estímulo fiscal para que a dinâmica econômica ganhe tração própria (do setor privado) ? (ii) Como sair deste processo ? Sobre ambas as perguntas, não há respostas objetivas e possíveis. No curto prazo, dá para ser afirmativo e dizer apenas que a necessidade do estímulo fiscal continua imperativo.

Brasil já deveria ter respostas

Todos reconhecem que o Brasil é destaque na recuperação de sua economia. Todos os sinais de investimento e consumo são expressivos e positivos, mesmo que no caso dos investimentos a necessidade seja gigantesca. Se isto é verdade, por que ainda não temos mínimas respostas sobre como vamos reduzir o estímulo do governo para a economia ? Sequer a oposição política no Congresso cobra a resposta a esta pergunta.

Banco Central desmantelado

O mercado financeiro local e internacional, a classe política e a sociedade em geral estão subestimando a possibilidade do BC brasileiro ter a sua credibilidade abalada enquanto guardião da moeda. A curiosa entrevista do agora ex-diretor de política monetária do BC Mário Torós mostrou deterioração ética (a prestação de informações confidenciais sem prévia consulta ao colegiado da autoridade monetária), bem como o vazio de informações em relação à substituição de quatro diretores : o próprio presidente, o "diretor falante", o diretor de política econômica e o diretor de liquidações e desestatização.

Torós e suas informações

Nestes tempos do verão, no qual as chuvas tendem a ser torrenciais, o nome do diretor do BC é mais que sugestivo. Ele teceu comentários específicos sobre a gravidade da crise iniciada em setembro de 2008 e sobre a atuação do BC, onde a sua própria estrela brilhou. Não seria o caso de investigar este personagem do ponto de vista do manual de conduta dos servidores públicos ? Não seria o caso de os políticos o convocarem para saber mais sobre suas façanhas heroicas no saneamento da crise ? Ou será que este será mais um daqueles diretores demissionários do BC que antes de sair dão umas entrevistas para arrumar um emprego no mercado financeiro ?

O alerta de Meirelles

Não merecem reparos as afirmações feitas na semana passada por Meirelles sobre os procedimentos e os cuidados na concessão de crédito por parte do sistema financeiro. O volume de crédito concedido pelo sistema até setembro atingiu o patamar inédito de R$ 1,4 trilhão. Ótimo para a economia neste momento, mas um grande risco quando o cenário se deteriora.

Enquanto isto, em Wall Street

Aumentaram muito os comentários no principal centro financeiro mundial dando conta de que a crise de crédito no setor imobiliário dos EUA pode recrudescer em função da inadimplência dos empréstimos concedidos ao segmento de imóveis comerciais.

Radar NA REAL

Mais uma vez não alteramos as nossas recomendações em relação aos segmentos do mercado financeiro incluídos no radar. De uma forma geral, o comportamento recente dos mercados comparativamente às nossas análises de tendências tem sido similar. Não há neste momento nenhuma evidência de fundamentos dos mercados locais e internacionais de que haja alguma mudança de tendência. Ao contrário, os ativos de risco permanecem atrativos, apesar do fluxo de entradas e saídas de recursos neste segmento está bem mais equilibrado em função de certos momentos de "realização de lucros". O segmento negativo do mercado brasileiro é o de renda fixa no qual não recomendamos a tomada de posições prefixadas cuja relação "risco versus retorno" nos parece ineficiente (muito risco para pouco retorno). No que se refere ao mercado acionário o nosso diagnóstico é que o mercado está "caro" e assim continuará até o final do ano. A melhor estratégia é diversificar em setores e empresas cujas expectativas de retorno são melhores num momento em que o Ibovespa deve apresentar retorno moderado. Quanto ao mercado cambial, não há novidades : o real permanecerá valorizado e o dólar não sobre. Nem aqui e nem lá fora.

14/11/9

TENDÊNCIA

SEGMENTO

Cotação

Curto prazo

Médio Prazo

Juros ¹

- Pré-fixados

NA

alta

alta

- Pós-Fixados

NA

estável

alta

Câmbio ²

- EURO

1,4903

estável/alta

alta

- REAL

1,7225

estável/baixa

alta

Mercado Acionário

- Ibovespa

65.325,63

alta/estável

estável/alta

- S&P 500

1.093,48

alta/estável

alta

- NASDAQ

2.167,88

alta/estável

alta

(1) – Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais)
(2) – Em relação ao dólar norte-americano
NA – Não aplicável

Eike, Paes e Cabral : a África é aqui !

Que coisa ridícula a mobilização do empresário Eike Batista, do prefeito Eduardo Paes e do governador Sérgio Cabral em torno da cantora Madonna na semana passada ! A pop star apresentou o seu projeto de implementação dos princípios da cabala em escolas africanas e em dez (isto mesmo : dez !) escolas cariocas. Para isto estava arrecadando US$ 10 milhões entre empresários brasileiros. Até o "Banquete de Estado" ocorrido na quinta-feira passada junto às altas autoridades do Rio, Madonna tinha arrecadado apenas US$ 3 milhões. Eike, impressionado com os dotes pedagógicos da cantora sacou a carteira e deu os US$ 7 milhões que faltavam. Ela chorou. Tadinha, quanta emoção. Tudo isto na mansão carioca de Batista. Logo perto dali, as favelas continuavam com suas mazelas, as escolas públicas persistem abandonadas e os "valores morais e emocionais" divulgados por Madonna não parecem ter muito valor numa cidade onde se mata no atacado.

Apagões e incompetências

A discussão sobre o apagão da semana passada segue em ritmo frenético. Lula finge que cobra explicações, Dilma desfila a sua personalidade intransigente, a oposição ruborizada com os seus próprios apagões finge que fiscaliza e assim vai. Convenhamos, alguém acredita que tudo isto vai levar a alguma conclusão concreta ? O Congresso está interditado pela antecipada campanha eleitoral e o distinto público parece não se importar em permanecer horas no escuro. Em São Paulo, o Rodoanel, construído há poucos anos, simplesmente cai. Serra agradece a Deus pelas poucas (e graves) vítimas do episódio. De fato, "é um Deus nos acuda". Tudo isto muito além da gestão de fulano e sicrano. Há uma deterioração moral, ética, técnica, administrativa e política no país. No setor público, Lula, Dilma e Serra são apenas a "comissão de frente" deste cenário desolador.

O apagão e as eleições I

Lastimável, para dizer o mínimo, o comportamento de governo e oposição na história do apagão (ou micro-incidente como prefere Tarso Genro). Todas as reações foram marcadas apenas pelo cálculo eleitoral, desde as tentativas oficiais de explicações até as cobranças da oposição. Respeito ao cidadão consumidor de energia, nenhum. Para essa gente o brasileiro não passa de um mero (e às vezes exigente demais) eleitor.

O apagão e as eleições II

A oposição ficou toda assanhada com a possibilidade de utilizar o "micro-incidente" (só atingiu cerca de 80 milhões de brasileiros e 7 milhões de paraguaios) para ferir e espicaçar a candidata preferida de Lula. É bom que ela, a oposição, olhe antes para o próprio rabo. Além do seu próprio apagão, ela carrega outros contenciosos pesados, como acidente numa estação do metrô e agora o do Rodoanel. Nesta linha, parece que o jogo está zerado, por enquanto. O placar conta somente contra o povo.

O apagão e as eleições III

Um dos maiores temores do governo em relação ao apagão é o de que as investigações técnicas concluam que as causas sejam, como dizem alguns especialistas, "falhas de gerenciamento". Afinal, Dilma é a "super-gerente" do governo, manda e desmanda no setor elétrico e um dos motes de sua campanha será apresentá-la como uma eficiente executiva.

A ministra e o apagão

Quem decide sobre as grandes linhas e política energética no Brasil é a ministra Dilma. Os outros são "subs" : o "subministro" das Minas e Energia, Edison Lobão, o "subpresidente" da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, o "subdiretor geral" da ANP, Haroldo Lima. O setor foi politicamente dividido entre os partidos aliados, com predominância do PT e do PMDB. Eles podem nomear, assinar contratos, fazer licitações, gerenciar e outros que tais. Mas sempre com a autorização de Dilma.

A ministra, a comunicação e o apagão

A conduta da ministra Dilma, quarenta horas depois do ocorrido, na entrevista coletiva na qual, junto com o "sub" Lobão tentou dar por encerrado o caso do "micro-incidente" mostrou as fraquezas dela quando colocada diante de fatos desagradáveis : perde as estribeiras, fica agressiva, arrogante. Preocupou seus marqueteiros. Em Brasília brincava-se dizendo-se que diante do estilo Serra e da eficiência dos comunicadores do governador paulista, em pouco Dilma ganharia o troféu de Miss Simpatia. Vê-se que ela vai precisar ainda de muita media training e de muito calmante para chegar lá.

Mais um sub na praça

Quem acaba de assumir as funções de subministro do Meio Ambiente é o carioca Carlos Minc. Vai assessorar a ministra de fato, uma das mais novas neoclorofilas da praça política, Dilma Roussef (outro novel incrível Hulk é o governador José Serra). Nada como uma Marina no ar. Quem também está prestes a ser elevado à condição de subministro é o titular dos Transportes, Alfredo Nascimento. Vai assumir tão logo o governo anuncie seu ambicioso programa de transportes para 2010, com o trem bala de mestre sala.

O presidente Lula e o mensalão

Em entrevista à TV Record, Lula desfiou a curiosa teoria conspiratória de que o "carequinha" Marcos Valério foi plantado dentro do PT pela oposição para desmoralizar o PT e o governo, e criar as condições para o impeachment dele, Lula. Há gente que acredita até hoje que Elvis Presley não morreu e duvida que o homem tenha chegado à lua. Mas esta não é a questão importante de fato. A verdade é que, com essa declaração, o presidente chancela a existência do mensalão federal, que os 40 indiciados continuam negando ter existido e sobre o qual Lula disse que nunca tinha ouvido falar antes da história estourar pela boca de Roberto Jefferson.

A nova marca do PMDB

Durante muito anos o MDB/PMDB, com justa razão tinha sua imagem associada à do deputado Ulysses Guimarães, o Dr. Ulysses. Morto Ulysses e com as trapaças da sorte que o partido passou a apresentar, a identificação com o "senhor diretas" foi esmaecendo até o partido ficar sem uma digital clara. Agora, pelo que se pode ver nas inserções comerciais que a legenda está levando ao ar na televisão, o PMDB sugere que tem uma nova cara. Em todas identifica uma pessoa, às vezes com a sua imagem, numa trucagem fílmica, substituindo lentamente na telinha a imagem do Dr. Ulysses num dos momentos históricos dos quais participou. Tenham dó. Um pouco de pudor e modéstia não fazem mal a ninguém.

Vinte anos depois

Em 1989, Lula, Collor e Sarney estavam xingando-se mutuamente durante a primeira eleição pós-ditadura de 64. Hoje são coleguinhas que repartem o poder e se defendem mutuamente. O Brasil é um país realmente cordial. Propomos um brinde a nossa cordialidade.

Enfim, concorrência

A compra da GVT pela francesa Vivendi, disposta a investir recursos na tele brasileira para ampliar seu raio de ação, é um excelente notícia : vai criar um pouco mais de competição no setor de telefonia fixa, ameaçado por um duopólio depois que o governo patrocinou e financiou a compra da Brasil Telecom pela Oi. Nem a Oi nem a Telefónica gostaram do negócio. Principalmente a Telefónica, que disputou a GVT com a Vivendi com a intenção de sair do gueto de São Paulo no qual está praticamente confinada. É de esperar que nem o governo, nem os órgãos reguladores, nem os de defesa da concorrência botem obstáculos ao negócio. Eles precisam se concentrar mesmo é no ainda indefinido – e pouco ortodoxo – acordo Oi e Brasil Telecom.

Burrice na internet

De vez em quando alguém, aqui ou lá fora, tentar criar algum tipo de controle sobre a rede mundial de computadores e a livre circulação de informações no cyber espaço. Quase sempre quebram a cara, embora seja necessário evitar o uso criminoso da rede. O que eles não entendem é a natureza da rede. Agora, por exemplo, no Brasil, há um movimento, do qual participam entidades ligadas aos meios de comunicação como ABERT e ANJ, para exigir que os sites noticiosos no Brasil sejam brindados com as mesmas exigências válidas para jornais, revistas, rádios, televisões no quesito propriedade e controle acionário : só possam ter em sua composição no máximo 30% de capital estrangeiro. Providência inútil. A rede é mundial, aberta, acessível em poucos segundos, por um mero clique. Nada impede que alguém monte no exterior um site noticioso sobre o Brasil, com repórteres locais e para todo mundo ler. Como controlar ?

Busca verbete por título

A B C D E F G H I J L M N O P Q R S T U V X Z

* José Marcio Mendonça jornalista e comentarista político; editou o Caderno de Sábado, o suplemento de Cultura do Jornal da Tarde e foi chefe de redação da sucursal de Brasília dos jornais: O Estado de S.Paulo e Jornal da Tarde. Apresenta: A Palavra de Quem Decide na Rádio Eldorado e escreve para o Portal Estadão e no Blog: A Política como Ela é.

* Francisco Petros é economista, graduando em Direito, pós-graduado em Finanças. Trabalha há vinte e cinco anos no mercado de capitais, em instituições brasileiras e estrangeiras. Foi presidente da APIMEC - Associacao Brasileira dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais. Atualmente é membro do CSA - Conselho de Supervisão dos Analistas do Mercado de Capitais, órgão supervisionado pela CVM - Comissão de Valores Mobiliários.