Terça-feira, 22 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Porandubas Políticas

por Gaudêncio Torquato

Porandubas nº 241

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Você tá morto, cara

Desembarquemos em São Bento do Uma/PE, nos idos de 60. O caminhão, entupido de gente, voltava de um jogo de futebol, corria muito, virou na curva da estrada. Foram todos para o hospital. Uma dúzia de mortos. Lívio Valença, médico e deputado estadual do MDB, foi chamado às pressas. Pegou a carona de um cabo eleitoral, entrou na sala de emergência do hospital e foi examinando os corpos :

- Este está morto.

Examinava outro :

- Este também está morto.

O cabo eleitoral se empolgava :

- Já está até frio.

De um em um, passaram de 10. Lá para o fim, Dr. Lívio examinou, reexaminou, decretou :

- Mais um morto.

O morto gritou :

- Não estou morto não, doutor, estou só arrebentado.

O cabo eleitoral botou a mão na cabeça dele :

- Cala a boca, rapaz. Quer saber mais do que o dr. Lívio ?

(Historinha do incomparável Sebastião Nery).

O apito do Índio

Não se pense que Índio tocou o apito para o Brasil sem orientação do cacique. Índio tem missão específica na campanha. Tocar apito, bater o bumbo, botar a boca no trombone. É claro que os tucanos lhe deram a tarefa como forma de atacar o PT, abrir flancos, ganhar ampla visibilidade e preservar as olheiras de José Serra. Só que Índio, por falta de experiência no trato com o apito, soprou muito forte. Dizer que PT faz narcotráfico é chutar o pau da barraca sem saber se era oco ou de aço. Tomou um susto quando percebeu o bumerangue.

Massas afastadas

Para que serve esse bombardeio ? Para ativar os núcleos do meio, mais envolvidos pelo balão da opinião pública. A essa altura, os exércitos organizados abrigam grupos de participantes e simpatizantes, que carecem de vitamina eleitoral. O ataque funciona assim : a linha de frente do candidato fustigado reage com furor e a retaguarda do candidato defendido vai repondo os morteiros do arsenal. As massas não estão nem aí. Não são afetadas por este discurso de FARC, narcotráfico, guerrilha. As massas querem comer um feijão com arroz mais encorpado, com uma linguicinha a mais e uma caipirinha dupla. Claro, com muito futebol, enquanto a churrasqueira queima as carnes gordas.

Estratégias

Os candidatos se movem. Serra e Dilma vão às ruas, sem deixar de uma fustigação recíproca. Serra defendeu seu vice, confirmando a ligação do PT com as FARC, mas sabendo que Índio exagerou no apito. Teria confessado isso a Aécio Neves. Dilma retruca e diz que Serra rebaixa a linguagem. E bate na tecla dos genéricos. Não foi Serra o pai dos genéricos, que teria sido o ex-ministro da Saúde, Jamil Haddad.

PSB aumenta fervura

E quando se esperava do Partido Socialista de Paulo Skaf postura suave, eis que ele vem fervendo. Defende imposto extra sobre grandes fortunas (a do Skaf é grande ?), reforma agrária radical, liberdade para o MST promover sua ação revolucionária e o controle dos meios de comunicação. O governador Eduardo Campos, que preside o partido, teria sido convencido a por mais lenha na fogueira, no instante em que o PT procura se mostrar mais suave e palatável aos olhos das forças produtivas. Ou falta senso ou sobra muito dissenso.

Com as pernas

O chato encontra Seu Lunga andando e saca a pergunta :

- E aí, Seu Lunga, como anda ?

O velho responde sem olhar para a pessoa :

- Com as pernas, ainda não aprendi a voar.

PSOL sob nuvens

Para sair de baixo das nuvens e se expor mais ao sol, o PSOL também abre tiroteio. Plínio Sampaio, que tirou o Arruda do nome - para evitar confusão com o Arruda implicado do Distrito Federal - ataca : PT perdeu o rumo. Meu Deus do Céu : em vez de mostrar o que defende o PSOL, postura ética, temáticas fundamentais, Plínio, o nosso decano da política, também pega na metralhadora. Plínio, Plínio, use a experiência para resgatar o bom senso. Fale do PSOL e não dos outros. Até Marina, do PV, fica falando dos outros. Volta e meia, ela lembra o mensalão.

Cadê o Ciro ?

Onde está o Ciro Gomes ? No Ceará, coordenando a campanha do irmão, Cid, que ganharia em primeiro turno, fosse hoje o pleito. Cid está com 47% de intenção de voto, segundo pesquisa do Datafolha. Daqui a pouco, Ciro vai pegar seu apito. Querem apostar ?

A porca

Um sujeito vai até a loja do Seu Lunga e pede uma porca de determinado tamanho. O velho responde :

- Procure naquela caixa.

Sem jeito, o comprador tentou, tentou e não conseguiu achar o que queria. Desistiu.

- Seu Lunga, não consegui achar a porca...

Indignado o dono da oficina vai até a caixa de porcas, pregos e parafusos e encontra a peça. Vira-se para o rapaz e ataca :

- Eu não te disse que a porca tava aqui, fio duma égua !

Joga a porca novamente na caixa, mistura com as outras peças e manda :

- Agora tu procura de novo direito até achar.

E a Sandra, hein ?

A vice-procuradora-geral eleitoral, Sandra Cureau, vive um impasse : se apertar o cerco a Lula e ao PT, poderá aparecer como parcial, após a iniciativa dos petistas de acusá-la de ter dois pesos e duas medidas. Mas a decisão do PT de entrar com representação contra a procuradora junto ao CNMP não é boa medida. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, a defende. Para evitar posições que possam denotar parcialidade, são previsíveis medidas que atinjam tanto o situacionismo quanto as oposições. Lula e Dilma viram alvo e Serra, também. A conferir.

Campanha improvisada

Uma leitura mais sistemática sobre as campanhas aponta para grande grau de improvisação. As agendas parecem ser feitas sob pressão e disposição dos candidatos. Serra, segundo se sabe, é centralizador e só entra na arena regional, quando se convence da necessidade. Dilma, pelo que se observa, corre de um lado para outro, atendendo aos apelos mais imediatos. Uma campanha bem armada se ampara em planejamento rígido e ancorado na lógica : 150 municípios do Brasil, com as maiores densidades eleitorais, são o ponto de partida para uma organização eficaz. Bastaria programar uma agenda contemplando esses municípios, eis que cada um funciona como formidável pólo difusor de informações.

Eixos temáticos

A essa altura, também não se distinguem os grandes eixos temáticos da campanha. Os candidatos falam de tudo e de todos, mas as ideias centrais parecem escamoteadas. Quais os cinco pontos principais defendidos, por exemplo, por Serra e por Dilma ? Quais os aspectos semelhantes ? Quais as ênfases na área econômica e na fronteira social ? Estamos a contemplar uma parede de mosaicos, onde cada mosaico, ao lado do outro, tem uma cor diferente. Não sabemos qual a parte mais importante da parede, o lado que chama mais a atenção.

Lula e a Copa

Luiz Inácio respira política pelos poros. Recebe em Brasília o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, a quem afirma de maneira peremptória : a Copa de 2014 tem que passar por São Paulo. Ora, São Paulo tem 40 milhões de habitantes. Continua a ser a locomotiva da nação. E Teixeira quer deixar o Estado em escanteio. Pacaembu ou Morumbi serão sempre melhores opções que gastar uma fábula na construção de um futuro elefante branco. Ricardo Teixeira levou um puxão de orelhas. Bem feito.

Buscando boas ideias

De férias na Europa, o prefeito Gilberto Kassab conheceu experiências que deram certo. Em Lisboa, na área portuária, foi ao Oceanário, museu de biologia marinha, e ao Parque das Nações, classificados como marco de recuperação e revitalização de espaços urbanos. O primeiro recebe 1 milhão de pessoas todos os anos e o segundo sediou a Expo 98. Kassab avalia a possibilidade de aplicar projeto parecido na reforma do Parque D. Pedro II, que prevê a integração do Mercado Municipal ao Museu Catavento e à Casa das Retortas.

Cidade Limpa

Além de ajudar na despoluição visual da metrópole, o Projeto Cidade Limpa deu a São Paulo o quarto lugar entre as 188 cidades que se candidataram para conseguir um espaço na Expo Xangai 2010, cujo tema é "Better City, Better Life". Até agora, quase 500 mil pessoas visitaram o estande paulistano e conheceram os projetos da cidade, cujo prefeito, Gilberto Kassab, sonha em fazer dela a sede da Expo 2020. Tanto que assinou um termo de cooperação técnica com a Associação Brasileira de Infra-Estrutura e Indústria de Base para a realização de estudos sobre a viabilidade da candidatura.

Traque

Seu Lunga estava no mercado com uma caixa de ovos. Um sujeito faz a óbvia constatação :

- Comprando ovos, hein seu Lunga ?

Resposta sem direito à réplica :

- Não - jogando um a um no chão - É traque !

Analista de SP ?

Um analista, possivelmente da superintendência do Fisco em SP, teria acessado os dados de Eduardo Jorge, vice-presidente do PSDB, dois anos atrás. Sem motivo nenhum. A se confirmar, será punido. Com a demissão.

3  bi de volta ?

O delegado Ricardo Andrade Saadi, que assume a Direção-Geral do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional, tenta trazer de volta ao Brasil US$ 3 bilhões. Retidos em bancos dos EUA, Suíça, Reino Unido, Ilhas Cayman, França, Luxemburgo, Uruguai, Bahamas, China e outros paraísos fiscais. Coisa sempre prometida. Discurso velho. Como São Tomé, só acredito vendo.

Chávez e o cardeal

Chávez, o histriônico, diz que o arcebispo de Caracas, cardeal Jorge Urosa Savino, quer derrubá-lo. Há dias, Chávez mandou exumar os restos de Simon Bolívar. E mostrou-os ao povo em sua TV. O cardeal contaria para derrubar Chávez com 500 missas, 1000 Padre-Nossos e 1 milhão de Ave-Marias.

Laranjada podre

Esta coluna abriu uma campanha contra a malandragem na área de serviços. No setor de segurança privada, por exemplo, além de empresas clandestinas - aquelas que não têm autorização para funcionar e trabalham com profissionais desqualificados -, outra modalidade de concorrência desleal ocorre : policiais, através de parentes ou laranjas, criam empresas e adicionam ao portfólio de serviços, modalidades exclusivas da própria polícia. Uma aberração. Nenhuma empresa de segurança privada pode prometer desencadear ações após sequestro de pessoas ou de outros atos delituosos. Estas atividades são exclusivas da polícia.

Folga policial

Nos últimos tempos, a mídia passou a registrar casos de "policiais de folga" em fila de supermercado ou de lotérica, que são feridos e mesmo mortos, ao reagirem a assaltos. É louvável a ação de um policial que, mesmo de folga, submete-se ao perigo para defender a sociedade. Um alerta, porém : alguns reagem porque são pagos para fazer isso. São policiais que usam o armamento que lhe é confiado pelo Estado. Fazem um bico, coisa repudiada pela própria Corporação. Policial pode isso desde que se submeta às regras legais, ou seja, na hora da folga e devidamente registrado em uma empresa de segurança privada.

A estrada

Certo dia, Seu Lunga estava em seu sítio quando por lá passou um viajante. Que para e pergunta :

- Seu Lunga, essa estrada vai para São Paulo ?

Ele responde :

- Sei não, mas se ela for vai fazer uma falta da bexiga...

Conselho aos membros do Poder Judiciário

Esta coluna dedica sua última nota a pequenos conselhos a políticos, governantes e líderes nacionais. Na última coluna, o espaço foi destinado aos políticos fichas-sujas. Hoje, volta sua atenção aos membros do Poder Judiciário :

1. Ministros do TSE, o projeto Ficha Limpa precisa urgentemente de um rumo. Afinal, vale ou não para este ano ?

2. Os TREs deverão decidir sobre as impugnações até 5 de agosto e o TSE, até 17 de agosto. E se houver recurso de candidatos impugnados ao STF ?

3. Ministros do STF, pronunciem-se também sobre o projeto Ficha Limpa, na medida em que muitos candidatos impugnados, ancorados em liminares, poderão entrar no pleito, ganhar as eleições e, posteriormente, ser cassados. Os resultados poderão ser reavaliados e alterados. E a bagunça se instalará.

____________

Porandubas Políticas
Gaudêncio Torquato

Gaudêncio Torquato (gt@gtmarketing.com.br) é jornalista, consultor de marketing institucional e político, consultor de comunicação organizacional, doutor, livre-docente e professor titular da Universidade de São Paulo e diretor-presidente da GT Marketing e Comunicação.