Quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

ISSN 1983-392X

Porandubas Políticas

por Gaudêncio Torquato

Porandubas nº 446

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Abro a coluna com a velha Bahia.

O que eu sou ?

O caso é verídico. O farmacêutico Claodemiro Suzart, candidato do PTB à prefeitura de Feira de Santana, decidiu fazer o comício de encerramento da campanha na rua do Meio, na zona do meretrício. Jogou o palavrório : "o povo precisa estudar a vida dos candidatos, desde o nascimento deles, os lugares onde nasceram, para saber em quem votar direito. Vejam o caso de Arnold Silva, da UDN, nasceu em Palácio, nunca falou com o povo. O que ele é ?"

– Candidato dos ricos – gritava a multidão.

– É isso mesmo. Não pode ter o voto de vocês. E Fróes da Mota, candidato do PSD, nunca sentiu o cheiro de povo. Só gosta mesmo é do gado de sua fazenda. O que ele é ?

– Candidato dos fazendeiros – delirava a galera.

– Isso mesmo. Não pode ter o voto do povo. Já eu, meus amigos, nasci aqui, nesta rua do Meio, a mais popular de Feira de Santana. E eu, meus amigos, o que eu sou ?

Lá do fundo da turba, um gaiato soltou a voz :

– Filho da puta.

O comício acabou ali.

Renúncia de Blatter

A renúncia de Joseph Blatter à presidência da FIFA mostra, sobretudo, que ele quer evitar o pior : submeter-se ao intenso processo de investigação que cercará o mundo do futebol. O ditado é popular : quem não deve não teme. O renunciante deve temer e muito. Vai presidir uma nova eleição, o que não o eximirá de culpa, se houver, quando o processo investigatório em curso nos EUA chegar ao seu final. A renúncia serve como alerta a todos os presidentes de Confederações Nacionais, sob a crença de que poderemos ter de ver a caída, em série, de algumas (não todas) pedras do dominó.

Teixeira indiciado

O indiciamento do ex-cartola Ricardo Teixeira por lavagem de dinheiro, evasão de divisas, falsidade ideológica e falsificação de documento público é uma extensão do esquema mundial de desvios no entorno do futebol. Ele e Marin reforçam a suspeita do sistema que corrói as beiradas do futebol.

Reforma no futebol

A reforma que se espera no universo do futebol haverá de ser realizada sob a égide de alguns valores, dentre os quais anoto os seguintes : transparência, que é o conceito de comando desse ciclo civilizatório ; participação, que exigirá maior engajamento,envolvimento e colaboração por parte dos parceiros – hoje sem vez – no campo das decisões : representações das comunidades esportivas, jogadores, esferas encarregadas de defesa da sociedade, poder público, com foco na apuração de desvios e monitoramento dos bastidores do esporte ; planejamento racional, de forma a evitar congestionamentos de agendas ; democratização, com abertura das tribunas para a expressão das minorias. São alguns valores.

A reforma política

A reforma política passará por um segundo turno na Câmara, irá ao Senado e, se este fizer modificações no projeto, voltará para apreciação pelos deputados. A Câmara patinou no debate e gerou o que se chama de reversão de expectativas. Não avançou. Acabou aceitando a continuidade da distorção que significa a coligação proporcional ; vetou a reeleição, mas não decidiu, ainda, sobre o prazo de mandato (4 ou 5 anos) ; aprovou o financiamento misto para as campanhas, deixando em aberto a questão do teto ; e enfiou uma cláusula de barreira, que mais parece um jogo entre amigos : basta ter um representante em uma das casas congressuais para o partido ganhar recursos e ser legitimado.

Modificações

Espera-se que o Senado aprofunde as modificações. Seu presidente, Renan Calheiros, reconhece que o momento é adequado para avanços. Urge fechar portas escangalhadas, como esta das coligações proporcionais ; urge acabar com o financiamento de pessoa jurídica, empresa privada, que contamina o processo eleitoral, abrindo frestas de negócios ; urge aprovar um modelo majoritário de voto, que eleja os mais votados ; urge diminuir os custos de campanha eleitoral ; urge acabar com os modelos auto-elogiativos das campanhas eleitorais ; urge ter rigor para a criação de partidos, não deixando que siglas sem voto tornem-se mercadorias no mercado eleitoral. O Senado precisa alargar a trilha estreita aberta pela Câmara.

Pérolas do Barão de Itararé

– Cobra é um animal careca com ondulação permanente.

– Tudo seria fácil se não fossem as dificuldades.

– Sábio é o homem que chega a ter consciência da sua ignorância.

– Há seguramente um prazer em ser louco que só os loucos conhecem.

– É mais fácil sustentar dez filhos que um vício.

– A esperança é o pão sem manteiga dos desgraçados.

– Adolescência é a idade em que o garoto se recusa a acreditar que um dia ficará chato como o pai.

– O advogado é um cavalheiro que põe os nossos bens a salvo dos nossos inimigos e os guarda para si.

Um traço verde na paisagem

Há quem comece a enxergar um traço verde na paisagem seca e devastada. Refiro-me ao empresariado, particularmente aos grupos internacionais com plantas industriais no Brasil, que abre uma primeira expressão de crença no amanhã. Crêem que o Brasil ainda é um bom território para seus investimentos. Acreditam que Joaquim Levy poderá levar a bom termo sua missão. Esperam, contudo, que o Congresso Nacional dê respaldo aos ajustes que estão sendo propostos para a economia. O verde constatado na paisagem está nas roças de 2016. Até o final deste ano, a secura tomará todos os espaços.

Prefeitos em 2016

A campanha para as prefeituras, em outubro de 2016, será a mais pobre das nossas últimas décadas. Razões : o refluxo na economia ; mesmo que a situação possa mostrar sinais de melhoria no segundo semestre do próximo ano, faltarão recursos ; retração por parte dos doadores : mesmo que seja aprovada a doação de empresas privadas, haverá receio de muitos patrocinadores de ligar seus nomes a partidos. Fiscalização : o sistema de fiscalização e monitoramento de campanhas será mais forte. Racionalidade/enxugamento : as campanhas tendem a racionalizar custos e a diminuir despesas. Discurso : os discursos deverão se inspirar nestes valores : credibilidade, compromisso, prioridades, viabilidade, transparência, agilidade, ação.

Campanha de 2018 – I

Os horizontes de 2018 estão distantes. Mesmo assim, é possível traçar alguns cenários que deverão balizar as decisões de partidos e as performances dos atores políticos. Cenário branco : partidos e perfis assépticos, limpos, sem máculas, tendem a ser mais prestigiados. Mas qual o grande partido que se apresentará com este manto ? Cenário vermelho : a cor vermelha ficou comprometida com o estágio de deterioração (denúncias, escândalos, desvios), mas o PT e seus satélites (CUT, MST, MTST etc) não abandonarão a cor. Sua performance dependerá do estágio da economia naquele momento. Mesmo assim, será tarefa complexa a do PT se entrar em 2018 com candidato próprio. Cenário azul : este cenário beneficiará, em termos, as alas oposicionistas, principalmente se souberem compor um projeto para o país. Se ficarem apenas no discurso, não serão bafejadas.

Campanha de 2018 – II

Cenário verde : este cenário poderá beneficiar grandes partidos, como o PMDB, caso apresentem perfis que encarnem os valores da inovação, da renovação, das mudanças, todos ancorados na estabilidade econômica. O cenário favorece, ainda, a aglutinação de partidos médios e grandes, que operem nas bandas esquerda e direita do centro. Ou seja, trata-se do cenário adequado aos times que poderão jogar em um grande campo do centrão democrático. Mas o fator de sucesso dessa alternativa será o perfil do candidato a ser lançado. Cenário amarelo : nesse ambiente, haverá a possibilidade de agregação dos pequenos partidos de esquerda se unirem em torno do PT, que se apresentará com um discurso radical, lembrando a antiga origem do ente que nasceu no berço do ABC paulista com o apoio de intelectuais e da igreja progressista.

Pérolas do Enem

– A fé é uma graça através da qual podemos ver o que não vemos.

– Os estuários e os deltas foram os primitivos habitantes da Mesopotâmia.

– O objetivo da Sociedade Anônima é ter muitas fábricas desconhecidas.

– A Previdência Social assegura o direito à enfermidade coletiva.

– O Ateísmo é uma religião anônima.

– A respiração anaeróbica é a respiração sem ar que não deve passar de três minutos.

– O calor é a quantidade de calorias armazenadas numa unidade de tempo.

– Antes de ser criada a Justiça, todo mundo era injusto.

– Caráter sexual secundário são as modificações morfológicas sofridas por um indivíduo após manter relações sexuais.

Onde estão os Gomes ?

Onde está Cid Gomes, o ex-governador do Ceará e ex-ministro da Educação ? Deve estar viajando, como gosta de fazer. Onde está Ciro Gomes, ex-governador do Ceará e ex-ministro da Fazenda e da Integração Nacional ? Nos últimos dias, foi visto jogando dominó em Sobral, Ceará. Voltarão às lides ? São novos. Esperam que o tempo trabalhe para eles ? Hum... Tenho dúvidas.

Controle do executivo

O presidencialismo brasileiro tem caráter absolutista. Quem está na cadeira da presidência exerce o poder da caneta, que resolve quase tudo. Mas esse pode começa a ser diminuído. Como ? O Congresso abre um ciclo de mudanças com a criação de mecanismos para atenuar o presidencialismo imperial. A bola da vez será a sabatina para aprovação/desaprovação de dirigentes para estatais.

Pelé e Blatter

Nem bem Pelé dá apoio público ao Joseph Blatter, enaltecendo sua experiência, e o cara renuncia à presidência da FIFA. Com a ironia do Romário : Pelé calado é um poeta.

Mão na boca

Está virando costume político tampar a boca com a mão ao falar com o interlocutor ao seu lado. Quer evitar que algum espertinho contrate um especialista em leitura labial. Neste ciclo que exige Transparência Total, tampar a boca é um desrespeito. Pode ser que o figurante queira disfarçar outra coisa... É !


Um truque do Padre Vieira

O Padre Antônio Vieira, o célebre pregador, escritor, político e diplomata jesuíta, subindo certa vez ao púlpito, iniciou estranhamente o seu sermão exclamando :

– Maldito seja o Pai !... Maldito seja o Filho !... Maldito seja o Espírito Santo !...

E quando a assistência, horrorizada, pensava que o grande orador houvesse enlouquecido, ele tranquilamente prosseguiu :

– Essas, meus irmãos, são as palavras e as frases que se ouvem com mais frequência nas profundezas do inferno.

Houve um suspiro de alívio no templo, mas com esse recurso teve Vieira despertada e presa a atenção dos fieis como poucas vezes, por outra via, houvera conseguido. (Narrado por Luis Costa em Leia Comigo)

Porandubas Políticas
Gaudêncio Torquato

Gaudêncio Torquato (gt@gtmarketing.com.br) é jornalista, consultor de marketing institucional e político, consultor de comunicação organizacional, doutor, livre-docente e professor titular da Universidade de São Paulo e diretor-presidente da GT Marketing e Comunicação.