Terça-feira, 18 de junho de 2019

ISSN 1983-392X

Porandubas Políticas

por Gaudêncio Torquato

Porandubas nº 88

quarta-feira, 14 de março de 2007


TRÊS NOMES

Na moldura político-governativa, três perfis têm condições de despontar como "novidade" no cenário de 2010, caso tenham um bom desempenho como governadores de seus Estados : Aécio Neves (PSDB-MG), Jaques Wagner (PT-BA) e Sérgio Cabral (PMDB-RJ). José Serra exibe perfil de bom administrador, mas tem cara com traços muito antigos.

SERRA CONTRA AÉCIO

Muita água correrá por baixo da ponte, mas Aécio Neves e José Serra, mesmo com tsunamis destruindo possibilidades, aparecem como prováveis candidatos à presidência pós-Lula. Aécio, saindo do PSDB, seria o candidato do PMDB contra o tucano Serra. Poderia ganhar o apoio de Lula. Mas Jaques Wagner, que encarna um perfil moderno, poderia ser o candidato petista. Teria a preferência de Lula sobre Marta Suplicy, que agrega muita polêmica.

AFASTA DE MIM ESTE CÁLICE

Lula oferece a Marta Suplicy o Ministério do Turismo. Torce para que ela não aceite. Apesar de considerar Marta um quadro de valor, teme que ela crie áreas de atrito e transforme o espaço administrativo - antes do tempo - em arena eleitoral. Por isso, no íntimo, reza : "Pai, afasta de mim este cálice".

MAIS PRAGMÁTICO

Luiz Inácio tem dado mostras de habilidade na formação do Ministério. Empurra de barriga. Administra com competência as pressões. Sonda, dá corda, estimula e puxa o freio. Uma no cravo, outra na ferradura - esse é o estilo. Pragmático, puxa as orelhas do PT. Ele sabe que, para evitar perturbações no ambiente parlamentar, precisa conter o apetite dos petistas. Lula tem sido bem mais sábio do que no primeiro mandato.

RENAN E SARNEY FORA DA EXECUTIVA

José Sarney, ex-presidente da República, e Renan Calheiros, presidente do Senado, perderam mais uma batalha para Michel Temer. Estão de fora da Executiva Nacional do PMDB. Mas comandam dois Ministérios importantes : Minas e Energia e Comunicações. Esperam fazer lastro para enfrentar Temer mais adiante.

PRESSÕES DOS DEPUTADOS PEEMEDEBISTAS

Os deputados peemedebistas fizeram as contas : Renan e Sarney não chegam a controlar 10% das bases, mas controlam dois Ministérios. Exigem que Lula dê à bancada da Câmara o mesmo tratamento, ou seja, dois Ministérios. Por enquanto, contam apenas com a possibilidade de emplacar o baiano Geddel Vieira Lima no Ministério da Integração Nacional. Reivindicam o Ministério da Agricultura, mas aceitam, também, o Ministério do Turismo. Nomes : Waldemir Moka (MS) para a Agricultura e Eunício de Oliveira (CE) para o Turismo.

PARTIDO DEMOCRATA

O Partido da Frente Liberal muda o nome para Partido Democrata. O velho PFL não receia ganhar fama na esteira da fonética cheia de graça que a nova sigla sugere : PD.

PR, UMA SIGLA EM EXPLOSÃO

O Partido da República, do vice-presidente da República, José Alencar, começou com 20 e poucos deputados e já tem 40. Quer chegar a 50. Depoimentos bombásticos, como o do deputado Márcio Junqueira (PFL-RR), mostram que o PR começa a inchar sob a força da atração dos cargos no Ministério dos Transportes. Desse jeito, prevê-se uma explosão capaz de lembrar o mensalão.

TRANSPOSIÇÃO E MOBILIZAÇÃO

A transposição das águas do rio São Francisco dará o tom à próxima estação. Os movimentos sociais da região se levantarão contra a transposição. O novo ministro da Integração Nacional, o deputado Geddel Vieira Lima, a ser anunciado, vai ter de rebolar para convencer a população de seu Estado a aceitar o projeto. Bahia e Sergipe lideram a luta contra a transposição.

MAIORIDADE PENAL

Se o Congresso aprovar a idéia de um plebiscito para que o povo decida baixar a maioridade penal, de 18 para 16 anos, quem tem dúvidas de que será aprovada por grande maioria ?

PALOCCI COM FORMIGAS E CIGARRAS

O livro do ex-todo-poderoso ministro Antônio Palocci, "Sobre Formigas e Cigarras", sobre a trajetória de 1.182 dias no poder, até pode não render frutos financeiros ao ex-ministro da Fazenda, mas dará uma boa colheita na floresta do marketing. Palocci começa a abandonar o cantinho da discrição para ingressar no terreno mais largo da confabulação.

E A INFRAERO ?

O presidente Lula cria mais uma Secretaria, com status de Ministério, para cuidar dos portos e aeroportos. Entregará o espaço ao PSB. O PR, que ficará com o Ministério dos Transportes, não quer ceder os portos, confiados às Companhias Docas. Mas a jóia da Coroa é a Infraero. Quem ficará com a estatal ? Marta Suplicy topa ser a ministra do Turismo, contanto que a Infraero fique sob sua Pasta.

205 MILHÕES EM ACORDOS TRABALHISTAS

Essa é de matar : cerca de 70% das receitas tarifárias das Companhias Docas, que administram portos, vão para o ralo do passivo trabalhista. São mais de 6 mil ações contra as empresas, que somam cerca de R$ 750 milhões. Para verificar a razão do rombo, o presidente da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara, deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP), entrou com proposta de fiscalização e controle nas Docas dos seguintes Estados : BA, PA, ES, RN, RS, MA, RJ, CE E SP. Puxando o rolo, vai sobrar para muita gente.

MICHEL TRABALHA PELA HARMONIA

Finda a refrega e recolhidas as armas, o deputado Michel Temer, reeleito presidente do PMDB, vai ao encontro dos derrotados com a bandeira branca da paz. Quer conversar com os derrotados Renan Calheiros e José Sarney, que, pelo que se viu na Convenção peemedebista, controlam menos de 10% das bases partidárias. Temer luta para concretizar o sonho que nem dr. Ulysses conseguiu realizar : um PMDB totalmente unido. Será difícil.

O ADVOGADO JOBIM

Indagado sobre o futuro político, Nelson Jobim, que renunciou à candidatura à presidência do PMDB, foi lacônico : Quero ser apenas advogado.

DIRCEU BEM ALERTA

José Dirceu se mostra um bom leitor da cena política. Sua declaração de que o candidato do PT à presidência em 2010 poderia ser alguém de outra legenda caiu bem no conjunto de partidos que formam a base governista. O amigo de Dirceu, o advogado José Antônio Dias Toffoli, tomou posse como ministro da Advocacia Geral da União (AGU). Toffoli foi advogado do presidente em três campanhas. Depois, foi subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil na gestão de Dirceu. O ex-ministro continua forte e muito bem articulado.

VOTO DISTRITAL EM 2008 ?

A proposta do ex-presidente Fernando Henrique é boa, mas os parlamentares temem aprovar o voto distrital, a ser experimentado na campanha municipal de 2008 em municípios com mais de 200 mil eleitores. Qualquer sinal de avanço dá medo. O status quo balança.

COLLOR E O MEIO AMBIENTE

O senador Fernando Collor se inspira na trajetória de Al Gore, que ganhou no voto popular, mas perdeu para George Bush a presidência dos EUA em razão das peculiaridades do sistema eleitoral norte-americano. Gore é, hoje, um ícone mundial na frente ecológica de defesa do planeta. Collor quer a referência política nacional na área. Para tanto, preside uma Comissão no Senado voltada para as questões ambientais. Vamos ver no que vai dar.

PMDB COM CANDIDATO EM 2010

Ao anunciar que o PMDB terá candidato próprio à presidência da República, em 2010, o presidente do partido, Michel Temer, deu o primeiro passo para a mobilização das bases. O PMDB precisa de um eixo para integrar os desordenados grupos partidários nos Estados.

LIÇÕES DO CARDEAL RICHELIEU

"O artifício dos homens faz com que eles se escondam para melhor atingirem os seus fins. Um fala alto, dizendo não poder calar-se sem ir contra a sua consciência. Outro se finge amigo dos mesmos que odeia para melhor combatê-los."

____________

Porandubas Políticas
Gaudêncio Torquato

Gaudêncio Torquato (gt@gtmarketing.com.br) é jornalista, consultor de marketing institucional e político, consultor de comunicação organizacional, doutor, livre-docente e professor titular da Universidade de São Paulo e diretor-presidente da GT Marketing e Comunicação.