Terça-feira, 23 de abril de 2019

ISSN 1983-392X

Porandubas Políticas

por Gaudêncio Torquato

Porandubas nº 137

quarta-feira, 2 de abril de 2008

RECALL DE SERRA

A pesquisa Datafolha não traz novidades. O índice de 38% de José Serra é resultado de recall. O governador de São Paulo é ainda a maior expressão do PSDB em atividade. Trata-se do governante do Estado mais poderoso do país. Fernando Henrique está aposentado. Os concorrentes são, por assim dizer, habitantes de um andar abaixo do seu. Ciro Gomes tem um bom desempenho no Nordeste, mas não fura o bloqueio do Sul/Sudeste. Agora, isso não garante invencibilidade de Serra. Até porque um alto índice de intenção de voto, tão distante da eleição de 2010, não faz bem à saúde de uma candidatura.

TENDÊNCIA DE QUEDA

Qualquer diminuição nos índices de José Serra, doravante, será considerada tendência de queda. E quando um perfil começa a descer a ladeira encontrará muitas dificuldades para sustar o declínio. Já Aécio Neves, por exemplo, tem 15% em um cenário contra Ciro Gomes, Heloísa Helena e Dilma Rousseff. Mas seu índice no Sudeste - que soma quase 50% dos votos do país - chega a 25%. Trata-se de boa taxa para a decolagem de uma candidatura, considerando-se que teremos, pela frente, mais de dois anos. Em resumo : a situação do mineiro é confortável.

A SUBIDA DE MARTA

Marta Suplicy ultrapassou Geraldo Alckmin em um ponto percentual em São Paulo na disputa para a prefeitura. Lógico. Os tucanos estão divididos. Serra ainda quer ver o prefeito Gilberto Kassab como candidato da coligação PSD/DEM. Alckmin, com o incentivo do presidente do partido, Sérgio Guerra, não recuará. O governador deverá ficar distante da campanha. Ponto negativo para Alckmin. Marta poderá crescer ainda mais. E não será improvável fazer boa dianteira no primeiro turno. Mas no segundo turno, Kassab e Alckmin deverão se unir. É menos do que improvável o apoio do prefeito - caso não entre no segundo turno - à petista.

MAQUIAVELULA

Lulinha Paz e Amor nunca esteve tão afinado com o finado Maquiavel. No Rio, escolheu um petista - o deputado Alessandro Molon - como candidato do PT e PMDB à prefeitura. O rapaz não chega a 5%. Sagacidade de Lula : quer, na verdade, alavancar a candidatura do senador Marcelo Crivella, braço direito da Igreja Universal no Senado, sobrinho do bispo Edir Macedo. Lula, a cada dia, dá um xeque na TV Globo.

CAMPANHA ABERTA

Por sinal, o presidente voltou à era da arenga. Xinga adversários, joga verbos contra as elites paulista e paranaense, elogia os amigos Renan Calheiros e Severino Cavalcanti, coloca a companheira Dilma nos palanques e deita falação para torná-la palatável ao gosto do povo, treina a ex-guerrilheira na arte da fala, corre de cidade a cidade, de palanque a palanque, vendendo o PAC. A capitã do time enrola-se no dossiê preparado por sua secretária-executiva, Erenice, mas alega que não se pode confundir dossiê com banco de dados, ou seja, não se pode confundir água com H2O. Lula desafia os adversários : "se a oposição pensa que vai fazer o sucessor, pode tirar o cavalo da chuva". Comete grande erro ao querer antecipar o clima de 2010. A conferir.

VEJA GARIBALDI

A entrevista do presidente do Senado, Garibaldi Alves, à Veja foi o mais corajoso e sincero depoimento dado às páginas amarelas da revista por um político. Opinião de parlamentares e profissionais liberais que tiveram acesso ao texto.

O$ OLHO$ DE $ERRA

Empresários de muitos setores estão indignados com o governo Serra. À boca pequena, comentam : os olhos de Serra só enxergam grana. Inspiração da bocarra do leão do governo Lula ? Setores como o de limpeza e higiene (perfumaria, cosméticos) acabam de receber um presentão dos economo-serristas : 71,9% de aumento na carga tributária. O setor de bebidas, quase 15%. E assim vai. Os empresários, pela frente, abrem um sorriso. Por trás, arreganham os dentes.

E POR FALAR NELE

José Serra viu que Aécio Neves se movimenta e decidiu sair da letargia. Foi ao Nordeste. Sem nenhuma repercussão. Visita meio insossa. Decidiu abrir os salões do Palácio dos Bandeirantes para receber a nata dos artistas nordestinos. Maravilha. Grandes artistas mostram sua Arte - com o tema da Natureza Morta - em uma exposição com a duração de um mês. O salão, por ocasião da abertura, se encheu com visitantes do Nordeste e convidados de São Paulo. O anfitrião fez um discurso técnico, morno. Artistas e convidados esperavam que o governador corresse os grupos para afinar a sensibilidade. Preferiu se retirar na companhia do desprestigiado governador alagoano, Teotônio Vilela Filho. Sussurros aqui e ali : "esse é o Serra, esse é o Serra".

E O GOVERNO DO RN, HEIN ?

Com exceção do Rio Grande do Norte, todos os governos do Nordeste mandaram representantes para a abertura da Exposição dos Artistas nordestinos no Palácio dos Bandeirantes. Do Rio Grande do Norte, a belíssima arte veio de Dorian Gray Caldas. A governadora Wilma de Faria, ao que parece, quer distância dos bons índices de intenção de voto do governador Serra. Seria medo de levar um puxão de orelhas de Lula ?

PROMESSAS E PROMESSAS

E o gigantesco congestionamento em São Paulo, hein ? De quem é a culpa ? Getúlio Hanashiro, que foi secretário de Transportes da Prefeitura de São Paulo, diz que, em 1999, apresentou ao prefeito da época (Celso Pitta) projeto para ampliar a marginal do Tietê. Faltou dinheiro. A idéia era fazer a concessão para a abertura de 3 faixas, novas travessias, ampliação de pontes etc. com previsão de cobrança de pedágio. A capacidade da marginal seria ampliada em 50%. O projeto foi aprovado pela Câmara Municipal no primeiro turno. Serra assumiu. Disse que iria implantar o projeto. Fez convênio com o então governador Cláudio Lembo. Mas deixou a Prefeitura e assumiu o governo do Estado. Prometeu novamente implantar o projeto. As galinhas já criaram dentes e, até agora, nada.

TERCEIRIZAÇÃO EM DEBATE

A Terceirização junta, na próxima sexta-feira, empresários e trabalhadores em uma discussão que poderá render bons frutos. O Seminário Terceirização no Brasil - Avanços e acordos possíveis - reunirá cerca de 100 pessoas para ouvir debates e exposições de Jan Wiegerinck, presidente do Sindeprestem; Marcio Pochmann, presidente do IPEA; Denise Motta Dau, secretária nacional de organização da CUT; Pedro Fernandes Ribeiro, presidente da Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados; deputado Vicentinho, ministro da Previdência Social, Luiz Marinho, e o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves (Juruna), entre outros.

NA PAUTA DA CÂMARA

A propósito, o projeto 4.302/98 - que atualiza a lei 6.019/74 sobre Trabalho Temporário e regulariza os serviços terceirizados - deverá em breve entrar na pauta da Câmara, por solicitação de urgência a ser feita pelo líder do PMDB, deputado Henrique Alves, com apoio do presidente do partido, deputado Michel Temer. O projeto tem ainda apoio de outras lideranças.

DESCOBERTA DE CABRAL

Exagero ? Traição do inconsciente ? Ou simplesmente modo extravagante de chamar a atenção da mídia ? Ao chamar a ministra-chefe da Casa Civil de "presidente", em evento no Rio de Janeiro, o governador Sérgio Cabral faz a mesma descoberta que levou o chefe a reconhecer a subserviência do subordinado : "que bonita camisa, Fernandinho". Nada mais, nada menos que puxa-saquismo dos mais explícitos.

OLHANDO BEM...

Pois é, se ajustarmos o foco, dá pra ver que a cara da Erenice é a extensão da fisionomia da Dilma Rousseff : óculos sob as sobrancelhas, brincos, olhar esperto, parentesco anatômico. A diferença ? A mesma que existe entre dossiê e banco de dados.

CONFLITO EM RORAIMA

Indígenas queimam ponte no interior de RR. Arrozeiros fazem bloqueios e manifestações. Polícia Federal prende Paulo César Quartiero, o maior plantador de arroz da reserva indígena Raposa Serra do Sol. Clima de guerra. E onde está o governador nessa história ? Os espaços enormes dos jornais e revistas desprezam seu nome. O Estadão e O Globo simplesmente esqueceram que ele existe. Comenta-se que está mais perdido que cego em tiroteio. Não sabe o que fazer. Nem o que dizer. Também, pudera. Ninguém sabe quem é o tal.

OTTOMAR SE REMEXE

O governador Ottomar Pinto (PSDB) governou Roraima por três vezes. Foi o principal alicerce da construção do Estado. Morreu há pouco tempo, deixando a vaga ao vice, parente de sua esposa, a ex-senadora Marluce Pinto. Passou grande parte de sua vida tendo como adversário Romero Jucá, hoje senador do PMDB e líder do governo no Senado. E o que faz o vice, Anchieta Júnior, que chega ao poder ? Aproxima-se de Jucá. O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB), uma das boas surpresas no Senado, com seu discurso de independência, teme que o noivado termine em casamento. Ottomar se mexe no túmulo. Com aquela cara que parece dizer : "ao líder de Lula, tudo, menos a honra. Não admito traição".

CONSELHO À MÃE DO PAC

Esta Coluna dedica sua última nota a pequenos conselhos aos políticos, governantes e líderes nacionais. Na edição anterior, o espaço foi destinado ao prefeito do Rio de Janeiro, César Maia. Hoje, volta sua atenção à ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff:

  • Antecipar a campanha de 2010 é um grande erro. Subir em palanques nos Estados, antes de o PAC gerar frutos, é contar com o ovo antes do esforço da galinha.
  • Transferência de votos não é uma equação tão simples. O presidente Lula é um líder carismático, mas não confie na receita de que elegerá até um poste.
  • Procure desenvolver certos valores que imprimem respeito ao perfil : verdade, coerência, firmeza, sinceridade, modéstia, simplicidade, generosidade.
  • Enterre a arrogância.

_______________

Porandubas Políticas
Gaudêncio Torquato

Gaudêncio Torquato (gt@gtmarketing.com.br) é jornalista, consultor de marketing institucional e político, consultor de comunicação organizacional, doutor, livre-docente e professor titular da Universidade de São Paulo e diretor-presidente da GT Marketing e Comunicação.