Quinta-feira, 23 de maio de 2019

ISSN 1983-392X

Porandubas Políticas

por Gaudêncio Torquato

Porandubas nº 176

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Comecemos a Coluna com uma historinha de agradecimento a Jesus Cristo.

Vereador em Itiruçu, estava duro. A seca tinha comido tudo. Sem dinheiro para a feira, foi pedir ao prefeito Pedrinho. Pedrinho brincou :

– Por que você não pede a Jesus Cristo ? Ele não é o pai dos pobres ?

Voltou para casa, escreveu a Jesus Cristo pedindo 50 contos.

Endereçou : "Para Nosso Senhor Jesus Cristo". E pôs no Correio.

No correio, abriram a carta, levaram para o bar. Lá fizeram uma vaquinha, apuraram 42 contos, registraram e mandaram para o vereador. Quando ele abriu viu os 42 contos, sentou-se e escreveu nova carta :

"Nosso Senhor; agradeço muito sua atenção. Recebi o dinheiro que lhe pedi. Mas rogo o seguinte : se o senhor for mandar dinheiro novamente, faça o obséquio de mandar em cheque, porque, dos 50 contos, o pessoal do correio meteu a mão em 8." (Registro do amigo Sebastião Nery em seu Folclore Político).

Como seria hoje ?

Uma vaquinha para ajudar um amigo no valor total pedido a Jesus Cristo.

Uma vaquinha com menos da metade do dinheiro solicitado.

Uma vaquinha com um presente de grego, digamos, uma cobra venenosa.

Uma vaquinha com um bilhete : os cofres do céu estão vazios com a crise.

Qual a opção mais viável ?

O VIAJANTE E A VERDADE


Certo viajante encontrou num deserto uma mulher solitária, que mantinha os olhos baixos, e perguntou-lhe : "Quem és tu ?" E ela respondeu : "A Verdade." – "E por que motivo deixaste a cidade e habitas o deserto ?" E ela redargüiu : "porque, nos tempos de outrora, a mentira se encontrava somente junto de poucos; porém atualmente ela está entre todas as pessoas, quer no que se ouve, quer no que se diz." Eis que a vida torna-se péssima e penosa para os seres humanos, sempre que a mentira prevalece sobre a verdade. (As Fábulas de Esopo)

A ALAVANCAGEM DO PMDB


As vitórias do PMDB no Senado e na Câmara, com as eleições de José Sarney e Michel Temer para o comando das Casas Legislativas, traduzem o senso de oportunidade que tem inspirado a trajetória do partido. Todos sabem que o PMDB é uma confederação de partidos regionais. Essa conclusão é geralmente feita em tom crítico. Ora, pois é exatamente essa característica que confere porte ao partido. Em quase todos os Estados, o PMDB faz alianças do tipo casamento de peixe-boi com jacaré. Combinações exóticas fazem o partido aumentar seus tonéis de votos. Na última campanha, ficou em primeiro lugar – 18,5 milhões de votos – no ranking eleitoral. Mas há analistas que continuam a enxergar o PMDB como um partido sem votos.

BAIXA AUTO-ESTIMA


Um empresário alemão, o bilionário Adolf Merckle, foi encontrado morto nos arredores de Ulm. Perdera bilhões com a crise, botou um fim na vida atirando-se contra um trem. Deixou escrito não ter "mais poder para agir". A auto-estima de um outro, empresário de serviços, era tão baixa, tão baixa, que até seu helicóptero pegou forte depressão. Do alto, a nave viu a terra, a hélice começou a parar, a parar, a parar, até encurralar o homem cheio de complexos contra um curral de ovelhas. Morreu sob berros desvairados.

PARTIDO DIVIDIDO ?


A divisão do PMDB é sua vitamina. Mas a taxa de união do partido, hoje, é de 80%. A divisão será maior mais adiante. Ou, dependendo da economia, a divisão será mínima.

A GESTÃO DE MICHEL


Na Câmara dos Deputados, Michel Temer vai usar a experiência de quem já comandou a Casa por duas vezes para consolidar algumas posições. Por exemplo, abrir a Câmara para a sociedade, tornando-a um fórum dos grandes debates nacionais; prestigiar o corpo parlamentar, pela defesa de que o deputado não trabalha apenas nos dias em que está em Brasília; incluir na agenda temas polêmicos, geralmente escondidos na gaveta; sair do discurso para a ação em matérias que caíram na descrença, como as reformas política, tributária e trabalhista, a contenção de MPs etc.

A GESTÃO DE SARNEY


José Sarney procurará ser o guarda-chuva das legendas. Quer ser uma espécie de pacificador. Não se espere dele contundência discursiva nem estratégia para criar atritos entre situação e oposição. Sarney tem um compromisso com Lula e Dilma, a quem considera a sacerdotisa do governo. Mas, como se sabe de seu perfil, pode mudar ao sabor dos ventos. Como, aliás, mudou de posição nos últimos 30 dias. Não era candidato de jeito nenhum. E acabou no trono senatorial. A querela com José Serra será sempre lembrada pela mídia. Mas Sarney é um animal político vacinado. Apostem : em breve, estará abrindo conversa com o governador tucano. Até porque nenhum político fecharia portas para o mandatário do Estado mais forte da Federação. Em relação à Lula, a fidelidade sarneysista sobe às alturas.

CONGRESSO CONTRA A CRISE


O bate-papo informal com deputados e senadores converge para uma abordagem : o Congresso entrará de sola na avaliação de ações e medidas contra a crise. Este assunto está na agenda dos presidentes Michel e Sarney. Outros temas bastante citados são : a crise no agronegócio; o buraco na previdência; o acesso ao crédito. O temor dá mostras de que os próximos tempos não serão de festejo. A inferência mais comum é a de que o Brasil caminha para encontrar a encruzilhada do país real.

A ARTE DA MANIPULAÇÃO


Em suas memórias, Ted Sorensen conta de que maneira Kennedy e ele preparavam meticulosamente os ditos espirituosos, as citações, as palavras de encerramento dos discursos do presidente. Sem qualquer improvisação ou espontaneidade, Kennedy tomava nota das histórias interessantes contadas por algum orador a fim de utilizá-las posteriormente. Sorensen arremata : "eu possuía um volumoso 'dossiê humorístico' que crescia continuamente. Como em geral os textos dos discursos entregues à imprensa eram expurgados das anedotas, era possível voltar a utilizá-las em outro discurso".

LULA NAS ALTURAS


A química do homem é quase toda composta de teflon. Lula alcança 84% de aprovação. A crise ? Que crise ? Passa longe dele. E assim caminha o Brasil.

DISCURSOS NA CÂMARA

O líder do PMDB, Henrique Alves, fez um inspirado discurso ao fazer o encaminhamento da candidatura de Michel Temer à presidência da Câmara. Michel, por sua vez, fez uma peroração elevada, elegante, muito educada e respeitosa em relação aos adversários; Ciro Nogueira leu – muito mal – um discurso cheio de contundências e frases banhadas de bordão; Aldo Rebelo produziu, de improviso, uma oratória de cunho histórico e plena de rancor. Tirou alguns nomes do bolso, a quem fez ataques, entre eles o deputado Eliseu Padilha, que teria, segundo Rebelo, se referido à uma eleição com muitas traições. Padilha replicou, mas, adiante, na tréplica de Rebelo, o deputado gaúcho, conhecido pelo acerto de suas planilhas numéricas, fazia um lanche fora do Plenário. Rebelo parecia fora de si.

MAIOR SURPRESA

A maior surpresa foi a vitória de Edmar Moreira para a segunda vice-presidência. E a única votação em segundo turno foi para o cargo de segundo secretário, ganho pelo "eterno" Inocêncio Oliveira.

CAIADO NA LIDERANÇA

O deputado Ronaldo Caiado, novo líder do DEM na Câmara, confessa à Coluna : "Vamos por fé na aprovação ainda este ano da reforma política". Caiado é o relator de um dos melhores projetos sobre reforma política e um dos mais contundentes guerreiros na luta pela moralização dos padrões partidários e costumes políticos.

UM PORCO LEVANDO OUTRO

S. Francisco de Borja, que, antes de se alistar na Companhia de Jesus, foi Duque de Gândia, levou uma vez um porco às costas para a cozinha. A alguns que nisto reparam disse : "que muito é levar um porco outro?" (Padre Manuel Bernardes)

HERÁCLITO, O FORTE

Heráclito Fortes será um dos senadores mais fortes da Câmara Alta. Comandará a primeira Secretaria, que funciona como a prefeitura senatorial, com um orçamento de mais de R$ 2 bilhões. O senador piauiense do DEM é um dos mais simpáticos e bem humorados do corpo parlamentar.

A FORÇA DO TERCEIRO SETOR

"No Brasil, o Terceiro Setor tem uma participação econômica muito expressiva : hoje ele representa 5% do PIB nacional (segundo pesquisa do Programa de Voluntários das Nações Unidas em parceria com a Universidade Johns Hopkins, dos EUA). Em escala global, o mesmo estudo constatou que se o Terceiro Setor de 26 países analisados formasse uma única nação, ela seria a sexta maior economia do mundo, apresentando um PIB maior do que o da Grã-Bretanha. Ou seja, um segmento que envolve cerca de 1,5 milhão de assalariados (ou 5,5% dos empregados de todas as organizações formalmente registradas no Brasil) e com tamanha força econômica pode sofrer um impacto imensurável caso não sejam iniciadas medidas preventivas no âmbito de gestão". (Maria Elena Pereira Johanpeter, presidente da ONG Parceiros Voluntários em artigo sobre As Organizações Sociais e a Crise Econômica)

ENTRE DILMA E SERRA

Hoje, o PMDB aceita esta equação : Dilma, 80%; Serra, 20%. Lula foi um eleitor importante nas duas casas congressuais. E a fidelidade lhe será dispensada por muito tempo. Até mesmo, poderá entrar no ano da campanha. A essa altura, já há uma chapa com Dilma e um nome do PMDB como vice.

KASSAB NA TORCIDA

O prefeito Gilberto Kassab é amigo histórico de Michel Temer. Um dos primeiros cumprimentos a Michel partiu do prefeito. Kassab, no estilo de Michel, é um exímio articulador.

O MEDO NO AR

O medo está no ar. Empresários de todos os setores sentem um vento ruim soprando em sua direção. Não sabem se quebrarão a cara ou as costelas. A cada dia, a percepção é a de que a crise chegará à vida real. Ou será que já chegou e alguns setores não querem confessar ?

CONHECENDO O MINISTRO

"Há uma maneira que jamais falha de o príncipe conhecer o ministro: quando vires o ministro pensar mais em si próprio do que em ti, e, em todos os seus atos, buscar o seu próprio interesse, sabe que um homem de tal feitio jamais será bom ministro, que jamais poderás confiar nele, porque aquele que tem o Estado de alguém em suas mãos não deve jamais pensar em si próprio, mas no príncipe, e não apoquentá-lo com coisas que não lhe dizem respeito". (Maquiavel em O Príncipe)

OS FILHOTES DO MDB

Cinco partidos de oposição nasceram da divisão do antigo MDB. Seu herdeiro direto, o PMDB, era o maior de todos, com 115 deputados em janeiro de 1982, mas era também o mais heterogêneo. Havia de tudo no PMDB, desde organizações clandestinas de esquerda (inclusive os dois partidos comunistas) até grupos conservadores, mas a corrente social-democrata era a mais forte. O PMDB foi de longe o maior partido de oposição durante todo o resto do período militar. (Scott P. Mainwaring – Sistemas partidários em Novas Democracias : o caso do Brasil)

CONSELHO AOS PRESIDENTES DAS CASAS PARLAMENTARES

Esta Coluna dedica sua última nota a pequenos conselhos a políticos, governantes e líderes nacionais. Na edição passada, o espaço foi destinado ao governador Aécio Neves. Hoje, volta sua atenção aos presidentes recém eleitos das Casas Parlamentares :

1. Aproveitem a oportunidade histórica de abrir um novo ciclo político no país.

2. Inaugurem um tempo de democracia participativa no Congresso Nacional por meio de uma agenda ampla de debates e consulta às organizações sociais.

3. Realizem, ainda este, ano as reformas política, tributária e trabalhista, esta última com a flexibilização da legislação.



_____________________

Porandubas Políticas
Gaudêncio Torquato

Gaudêncio Torquato (gt@gtmarketing.com.br) é jornalista, consultor de marketing institucional e político, consultor de comunicação organizacional, doutor, livre-docente e professor titular da Universidade de São Paulo e diretor-presidente da GT Marketing e Comunicação.