Terça-feira, 17 de setembro de 2019

ISSN 1983-392X

TJ/SP manda a júri popular acusada pela morte do coronel Ubiratan

A 9ª câmara criminal do TJ/SP decidiu hoje, 10/6, que Carla Cepollina, acusada pela morte do coronel Ubiratan Guimarães, irá a júri popular. A decisão foi unânime e teve a participação dos desembargadores Souza Nery (relator), Roberto Midolla e Francisco Bruno. Eles acolheram, assim, apelação proposta pelo MP.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Júri popular

TJ/SP manda a júri popular acusada pela morte do coronel Ubiratan

A 9ª câmara criminal do TJ/SP decidiu hoje, 10/6, que Carla Cepollina, acusada pela morte do coronel Ubiratan Guimarães, irá a júri popular. A decisão foi unânime e teve a participação dos desembargadores Souza Nery (relator), Roberto Midolla e Francisco Bruno. Eles acolheram, assim, apelação proposta pelo MP.

Em primeira instância, Carla havia sido impronunciada, ou seja, o juiz da 1ª vara do júri da capital entendeu que não havia indícios suficientes de autoria do crime.

Para os desembargadores, os dados apontados no processo são suficientes para levá-a a júri. Entre eles, o fato da ré estar no apartamento de Ubiratan no horário em que os exames necroscópicos indicam ter ocorrido o homicídio e por ela não ter entregado à polícia as mesmas roupas que vestia no dia do crime.

O coronel foi morto no dia 9/9/06, no apartamento onde morava na região dos Jardins, na capital paulista. Conhecido por ter comandado a operação que terminou, em 1992, com o massacre de 111 presos no Carandiru, Ubiratan morreu com um tiro no abdome disparado por uma de suas sete armas. A advogada mantinha na época um relacionamento amoroso com Ubiratan.

Ainda não há previsão de data para o julgamento.

  • Processo : 990.09.054077-0

____________

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco VIVO

últimas quentes