Sexta-feira, 22 de março de 2019

ISSN 1983-392X

Manifestação

Leia o manifesto divulgado pelo IBDS

quarta-feira, 13 de abril de 2005

Manifestação

Leia abaixo a manifestação divulgada pelo IBDS - Instituto Brasileiro de Direito do Seguro sobre o substitutivo do deputado Celso Russomanno ao PL 4.715/01. Este PL regulamenta o período de cobertura de Seguros de Automóveis, com pagamento de prêmios fracionado, em caso de cancelamento antecipado de contrato, e dá outras providências.

O substitutivo foi aprovado na semana passada pela Comissão de Defesa do Consumidor. A proposta cria outras exigências. Além de obrigadas a notificar previamente o segurado, as seguradoras só poderão cancelar um contrato de seguro de automóvel, por inadimplência, 15 dias depois da data do vencimento, o que caracterizará uma garantia extra de cobertura. E mais: nas apólices canceladas sem motivo, as empresas serão ainda compelidas a devolver ao segurado todos os valores pagos.

__________

Prezados,

Preocupa-nos demasiado o Projeto (e substitutivo) referidos. Embora aparentemente privilegie o equilíbrio nos contratos de seguro, o Projeto, na verdade, destrói relevantes interesses dos consumidores e, também, das empresas de seguros.

Em primeiro lugar, ao invés de fixar um prazo (15 dias) para o cancelamento (conceito empregado no meio securitário e não com propriedade no jurídico) seguinte à notificação do segurado em caso de inadimplemento, como o fazem as mais diversas legislações contemporâneas e está também proposto no Projeto de Lei 3555/2004, hoje em tramitação no Congresso (CDEIC- Relator Deputado Ronaldo Dimas), o projeto abaixo mencionado faz o prazo ser contado do inadimplemento.

A cobertura proporcional ao tempo (pro rata temporis) fere a anualidade ínsita aos cálculos dos prêmios, desvirtuando a base técnica e econômica subjacente aos contratos, além de manter os desencontros que acabam por permitir que tendo feito pagamento substancial, ainda assim, seja penalizado o segurado. A sistemática do PL 3555/2004, prevendo a suspensão somente a partir da renitência que persistir após notificação, e igualmente sotopondo o "cancelamento" a outra notificação (a de que haverá o cancelamento após certo prazo decorrido da suspensão), mostra-se mundialmente eficaz para preservar os interesses dos seurados e não conduz às surpresas dos desencontros entre o tempod ecorrido e o dia do sinistro. Insista-se: muitos sinistros ocorrem minutos após o fim do prazo proporcional e o consumidor é surpreendido e prejudicado com esse sistema.

Além disso, é falso benefício o da devolução de prêmio por cancelaqmento imotivado de apólices. Alei deve é vedar, isto sim, o cancelamento imotivado, como acontece com o PL 3555/2004, nunca admiti-lo como o faz o Projeto abaixo referido.

Considerando a amplitude do PL 3555/2004, que propõe completa lei sobre o contrato de seguro, onde está contida a matéria sob tratamento avulso no Projeto (e substitutivo) abaixo referido, chamamos a atenção pela conveniência de exame conjunto das iniciativas parlamentares.

Instituto Brasileiro de Direito do Seguro – IBDS

Diretoria

__________

Clique aqui para ver o andamento do PL 4.715/01.

________

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco

últimas quentes