Terça-feira, 15 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

José de Alencar - intersecções entre o Direito e a literatura nacional - VII

quarta-feira, 4 de agosto de 2010


Intersecções entre o Direito e a literatura nacional

VII - A lei

Todos os povos têm seu código de conduta.

José de Alencar, interessado num retrato nacional, foi visto por vezes em conversa com indígenas, perquerindo seus assuntos e tradições.

Dentre os romances indianistas que consagram os resultados desse formidável trabalho de campo, encontramos em "Ubirajara" uma peculiaridade dos tratos das tribos à época de 1874 : a lei da hospitalidade.

Esse código que guiava a conduta das tribos "não consentia que se perguntasse o nome ao estrangeiro que chegava, nem que se indagasse sua nação".

"Talvez fosse um inimigo ; e o hóspede não devia encontrar na cabana onde se acolhia senão a paz e a amizade".

Valendo-se da lei da hospitalidade, chegou o índio Ubirajara, alcunhado Jurandir, à cabana do cacique Itaquê, a fim de buscar por esposa Araci, a jovem filha do morubixaba :

"grande chefe dos tocantis, Jurandir não veio à tua cabana para receber a hospitalidade ; veio para servir ao pai de Araci, a formosa virgem, a quem escolheu para esposa. Permite que ele a mereça por sua constância no trabalho, e que a dispute aos outros guerreiros pela força de seu braço".

O bravo índio Jurandir serviu ao cacique e combateu os guerreiros tocantins. Chegada a hora de obter para si Araci, foi interpelado pelo cacique :

"Quando o estrangeiro chegou à cabana de Itaquê, ninguém lhe perguntou quem era e donde vinha.

O hóspede é senhor.

Mas agora o estrangeiro saiu vencedor do combate do casamento e conquistou uma esposa na taba dos tocantins.

É preciso que ele se faça conhecer porque a filha de Itaquê, o pai da nação dos tocantins, jamais entrará como esposa na taba, onde habite quem tenha ofendido a um só de seus guerreiros".

Não esperava Itaquê que o hóspede estrangeiro à sua frente fosse o poderoso da tribo araguaia que havia levado cativo, após combate vencido, seu filho Pojucan ! O grande chefe, não podendo vingar imediatamente o filho, vergou a cabeça ao peito, como o cedro altaneiro batido pelo tufão :

"tu és meu hóspede ; enquanto Itaquê brandir o grande arco da nação tocantim, ninguém ofenderá o amigo de Tupan na taba de seus guerreiros."

Itaquê respeitou a lei da hospitalidade apesar da ofensa ao filho Pojucan.

Ao garantir a segurança do estrangeiro, enquanto pisava em domínios tocantins, o cacique revelou ter a grandeza que deve habitar os grandes chefes.

Itaquê cumpriu assim o código coletivo que deveria reger a conduta de toda uma tribo ; e mais do que isso, cumpriu aquela que é a primeira lei de um verdadeiro guerreiro : a honra.

_________________
__________

Leia mais

_______________

Lançamento

"Migalhas de José de Alencar"

Depois das coletâneas de frases e pensamentos de Machado de Assis, Euclides da Cunha e Eça de Queirós, temos o prazer de apresentar as "Migalhas de José de Alencar".

São 260 páginas de preciosas citações do grande romancista, jornalista e advogado. Unindo literatura e Direito, as obras compõem um colorido conjunto de simpáticos livrinhos de bolso. Você pode adquirir para si uma ou mais edições, que custam, cada, apenas R$ 20,00, com frete grátis, ou pode ainda presentear algum amigo, escrevendo inclusive um cartão.

www.migalhas.com.br/livraria

_________________

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes