Quarta-feira, 23 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

José de Alencar - intersecções entre o Direito e a literatura nacional - IX

A infância perdida em Lucíola é o tema que se revela na matéria de hoje em nossa série especial. Confira as circunstâncias da trama narrada por José de Alencar.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010


Intersecções entre o Direito e a literatura nacional

IX - Identidade

Era 1850.

A febre amarela fazia suas vítimas em todo o país, e ferira sem piedade a família de Maria da Glória, personagem central do romance Lucíola.

O pai, a mãe e os irmãos da jovem caíram todos enfermos. Restava apenas Maria e seu desespero de criança :

"uma vizinha que viera acudir-nos adoecera à noite e não amanheceu. Ninguém mais se animou a fazer-nos companhia. Estávamos na penúria : algum dinheiro que nos tinham emprestado mal chegara para a botica (...) minha tia uma manhã não se pôde erguer da cama ; estava com a febre. Fiquei só ! Uma menina de 14 anos para tratar de seis doentes graves, e achar recursos onde os não havia".

A menina já não dormia, sustentava-se com uma xícara de café, e nos momentos de repouso ia à porta pedir aos que passavam. A situação piorava. O irmão agonizava, a irmã já não dava acordo de si e a mãe parecia presa somente a um fio muito tênue que ainda a ligava à vida.

Nesse contexto de infelicidade, passou pela porta da casa um anjo mau, um vizinho. Contou-lhe toda a história Maria da Glória. Dando consolo, pediu o homem que a menina de apenas 14 anos o acompanhasse à sua casa.

A dor e a inocência conduziram os passos da jovem para a sórdida cena a se armar :

"Ele tirou do bolso algumas moedas de ouro, sobre as quais me precipitei, pedindo-lhe de joelhos que mas desse para salvar minha mãe. Mas senti os seus lábios que me tocavam, e fugi. (...) Três vezes corri espavorida até a casa, e diante daquela agonia sentia renascer a coragem, e voltava. Não sabia o que queria esse homem, ignorava então o que é a honra e a virtude da mulher ; o que se revoltara em mim era o pudor ofendido".

Era o fim da inocência de Maria da Glória.

"O dinheiro ganho com a minha vergonha salvou a vida de meu pai e trouxe-nos um raio de esperança. Quase que não me lembrava do que se tinha passado entre mim e aquele homem; a consciência de me ter sacrificado por aqueles que eu adorava, fazia-me forte."

As moedas de ouro criaram no pai da jovem, restabelecido pelos benefícios do dinheiro, a suspeita.

Maria contou-lhe o acontecido e como "prêmio" recebeu a expulsão de casa.

"«Quem te deu este dinheiro?... Roubaste?...» Contei-lhe tudo; tudo que eu sabia na minha inocência. Ele compreendeu o resto. Expulsou-me!"

Assim, tarde da noite, sentada numa calçada, a menina despertou a curiosidade de uma mulher.

Explicado superficialmente o caso, a mulher resolveu levar a menina consigo. Seu nome era Jesuína. E sua ajuda teve um preço alto. Alguns dias depois ela conduziria Maria da Glória à prostituição.

"À força de rogos e instâncias Jesuína mandava constantemente à casa saber notícias e levar os socorros necessários : nada faltou, nem médico, nem enfermeiros. (...) Jesuína, o senhor adivinha o que foi ela, tinha posto um preço aos seus serviços ; não sei se a primeira humilhação custou mais do que a segunda ; mas o sacrifício devia se consumar, porque não tive uma mão que me amparasse".

Maria da Glória "cai na vida".

Passam-se cinco anos e ela faz uma retrospectiva, confessando :

"Tive forças para sacrificar-lhes outrora o meu corpo virgem ; hoje depois de cinco anos de infâmia, sinto que não teria a coragem de profanar a castidade de minha alma".

_______________
__________

Leia mais - José de Alencar

Leia mais - Matérias relacionadas

  • 10/8/09 - Lei dispões sobre os crimes hediondos e da corrupção de menores - clique aqui.
  • 16/7/09 - CCJ aprova punições mais rigorosas para crimes sexuais contra menores - clique aqui.
  • 1/7/09 - STJ publica esclarecimentos sobre decisão envolvendo exploração sexual de adolescentes - clique aqui.
  • 17/6/09 - STJ - Cliente ocasional de prostituta não viola artigo 244-A do ECA - clique aqui.

Leia mais - Artigo

  • 30/6/09 - O artigo 244-A do ECA e o gravíssimo erro do STJ- clique aqui.

__________________

Lançamento

"Migalhas de José de Alencar"

Depois das coletâneas de frases e pensamentos de Machado de Assis, Euclides da Cunha e Eça de Queirós, temos o prazer de apresentar as "Migalhas de José de Alencar".

São 260 páginas de preciosas citações do grande romancista, jornalista e advogado. Unindo literatura e Direito, as obras compõem um colorido conjunto de simpáticos livrinhos de bolso. Você pode adquirir para si uma ou mais edições, que custam, cada, apenas R$ 20,00, com frete grátis, ou pode ainda presentear algum amigo, escrevendo inclusive um cartão.

www.migalhas.com.br/livraria

_________________

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes