Segunda-feira, 23 de setembro de 2019

ISSN 1983-392X

TJ/AL nega HC a preso na Operação Pokémon

sexta-feira, 1º de outubro de 2010

 

Prisão cautelar

TJ/AL nega HC a preso na Operação Pokémon

A câmara Criminal do TJ/AL, durante sessão realizada ontem, 30/9, negou o habeas corpus impetrado por Maxwell Pinheiro Barros, preso em julho deste ano na Operação denominada "Pokémon", feita em parceria entre a Polícia Civil de Alagoas, Polícia Rodoviária Federal e MP/AL, no município de São José da Tapera.

Durante a operação, foram cumpridos vários mandados de busca e apreensão, e Maxwell Pinheiro foi enquadrado pelo suposto envolvimento nos crimes de posse irregular de arma de fogo de uso permitido, porte ilegal de arma de fogo de uso permitido, por registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição e por associar-se em quadrilha ou bando.

A defesa do acusado impetrou o HC com o intuito de trancar a ação penal, argumentando sobre a suposta inexistência de mandado de busca e apreensão e também da ilegalidade da prisão de Maxwell. Afirmam ainda os advogados que as armas apreendidas são do pai do acusado, além da alegação de suposta ilegalidade no flagrante.

Para o desembargador Mário Casado Ramalho, relator do processo, não restam dúvidas de que é através de uma prisão cautelar – a exemplo da que foi decretada – que se pretende, além de outros objetivos, proteger a sociedade, impedindo o acusado de continuar a cometer delitos e, ao mesmo tempo, permitindo uma continuidade no procedimento investigatório até a sua conclusão, sem que haja influência ou obstrução do acusado.

______________

patrocínio

Bradesco VIVO

últimas quentes