Segunda-feira, 23 de setembro de 2019

ISSN 1983-392X

TST - Bancária perde ação por não comprovar doença em laudo pericial

A SDI-1 do TST negou o pedido de pagamento de indenização à ex-empregada do Banco Bradesco S.A., pois a doença profissional alegada não foi constatada por perícia médica. Na prática, a SDI-1 confirmou o entendimento da 5ª turma do TST quando analisou o processo anteriormente com base nas razões do acórdão regional.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Indenização

TST - Bancária perde ação por não comprovar doença em laudo pericial

A SDI-1 do TST negou o pedido de pagamento de indenização à ex-empregada do Banco Bradesco S.A., pois a doença profissional alegada não foi constatada por perícia médica. Na prática, a SDI-1 confirmou o entendimento da 5ª turma do TST quando analisou o processo anteriormente com base nas razões do acórdão regional.

O TRT da 5ª região/BA declarou, conforme esclarecimento do laudo pericial, que nenhum dos 13 atestados médicos apresentados pela empregada guardavam relação com a doença profissional alegada, e os exames periódicos atestavam que ela sempre esteve apta para o exercício de suas atividades. E também, afirmou o TRT, não houve reconhecimento da doença profissional por parte do INSS. A trabalhadora encontrava-se na verdade em gozo de auxílio-doença comum, obtido um mês e meio após o seu afastamento da empresa, não havendo comprovação de ter sido convertido em auxílio-doença acidentário.

Declarou ainda o acórdão regional que, segundo a perícia, a empregada é portadora de radiculopatia (alteração no sistema nervoso central por compressão dos gânglios nervosos que saem da coluna vertebral) e fibromialgia (desordem que causa dor muscular e fadiga) que são doenças não relacionadas com a função de caixa que ela exercia no Bradesco. Diante desses fundamentos, o pedido de indenização por dano moral pretendida pela empregada não foi acolhido na 5ª turma.

Inconformada, a trabalhadora interpôs embargos à SDI-1 nos quais sustentou haver causalidade, devidamente demonstrada pela prova técnica, entre a doença profissional e a execução dos serviços. A trabalhadora disse fazer jus à estabilidade provisória, pois teria passado a receber auxílio-doença poucos dias depois de ter sido demitida, em decorrência de doenças adquiridas no âmbito do trabalho. Apontou contrariedade à súmula 378, II, do TST (clique aqui).

Com base nos fatos ressaltados no acórdão regional, o ministro Horácio de Senna Pires, relator do processo na SDI-1, concluiu que, no caso, não foi comprovado o preenchimento dos requisitos previstos na primeira parte do item II da súmula 378/TST (afastamento superior a quinze dias e a consequente percepção do auxílio-doença acidentário), tampouco daqueles relacionados na segunda parte (constatação após a despedida, de doença profissional e que guarde relação de causalidade com a execução do contrato de emprego). Assim, a SDI-1, unanimemente, afastou a contrariedade à mencionada súmula e não conheceu do recurso da empregada.

  • Processo Relacionado : 34500-96.2006.5.07.0023 - clique aqui.

___________________

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco VIVO

últimas quentes