Quarta-feira, 22 de maio de 2019

ISSN 1983-392X

Centenário

Palácio da Justiça mineiro completa 100 anos

O TJ/MG comemora hoje, 16, o centenário do Palácio da Justiça Rodrigues Campos, edifício-sede do Poder Judiciário mineiro.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Centenário

Palácio da Justiça mineiro completa 100 anos

O TJ/MG comemora hoje, 16, o centenário do Palácio da Justiça Rodrigues Campos, edifício-sede do Poder Judiciário mineiro situado na cidade de BH.

A data de inauguração do prédio foi divulgada após um minucioso trabalho de pesquisa da Mejud - Memória do Judiciário Mineiro, com base em informações colhidas na obra "Notas Cronológicas de Belo Horizonte (1711-1930)", nos livros de atas do TJ/MG e em documentos do Arquivo Público Mineiro, do Arquivo Público da Cidade, da Imprensa Oficial, da Escola de Arquitetura, da Hemeroteca e das mensagens dirigidas pelos presidentes das provìncias no site do Center for Research Libraries.

O Palácio da Justiça Rodrigues Campos faz parte do conjunto de edifícios públicos projetados para a nova capital de MG, inaugurada em 1897 (anteriormente, a capital mineira era Ouro Preto). Com a construção de BH, buscava-se uma ruptura definitiva com a tradição colonial. É dentro deste estilo eclético com características neoclássicas que o arquiteto Raphael Rebechi projetou o Palácio da Justiça para abrigar a 1ª instância da comarca de BH e o Tribunal da Relação, Corte da 2ª instância de MG.

O Judiciário foi o primeiro dos três poderes a se estabelecer em BH, mas, ainda sem sede própria, funcionou na antiga Secretária de Educação, na Praça da Liberdade, que hoje abriga o Museu das Minas e do Metal. Posteriormente, o Tribunal se mudou para o edifício do Instituto de Educação, na avenida Carandaí.

A construção do prédio deu-se entre 1909 e 1911 pelo engenheiro José Dantas e pelo construtor coronel Júlio Pinto. Em 1912, o edifício foi inaugurado na avenida Afonso Pena, 1420.

No ano de 1963, o palácio foi batizado com o nome do desembargador Rodrigues Campos, o qual exerceu a presidência da Corte mineira por oito vezes, entre 1930 e 1939.

Criado na época em que as ruas da cidade ainda tinham bebedouros públicos para cavalos, a sede do Judiciário mineiro apresenta, atualmente, a consonância do mobiliário de época e da decoração suntuosa - escadarias da Bélgica, mármores de Carrara, lustres de cristais da Boêmia, pisos de mosaico e vitrais - com TVs de plasma, computadores com acesso à internet, catraca eletrônica e detector de metal.

Durante os últimos cem anos, o imóvel manteve grande parte de sua arquitetura original, passando por constante manutenção, pequenas intervenções e duas grandes reformas, a primeira entre 1958 e 1963 e a segunda em 1992.

Programação

Para registrar o centenário, a Casa está preparando uma extensa programação, que terá início às 17 horas, no salão nobre do Palácio da Justiça.

O ponto alto da cerimônia será o descerramento de uma placa de granito flameado alusiva à data comemorativa e de outra em vidro transparente, medindo de 0,85 x 1,70 metros, com o nome de todos os desembargadores que compõem o TJ/MG na presente data.

O desembargador Cláudio Renato dos Santos Costa, presidente do TJ/MG, e o representante da direção do Correios farão a obliteração do selo comemorativo do centenário, cuja imagem destaca um detalhe arquitetônico característico da edificação.

Serão lançados também o livro de biografia dos desembargadores presidentes desde 1874, ano da criação da Justiça de 2ª instância em Minas, até os dias atuais e o livro do desembargador Lúcio Urbano, ex-presidente do TJ/MG, intitulado "Síntese Histórica do Tribunal de Justiça".

Na oportunidade, ainda será distribuída uma coletânea de postais referente à exposição itinerante "Fato do Mês" com temas expostos desde 2007. O evento contará com a apresentação da orquestra de músicos da Polícia Militar de MG. Ao final, será servido um coquetel aos convidados.


Salão Nobre do Palácio de Justiça de MG, situado em BH

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco VIVO
Advertisement

últimas quentes