Quinta-feira, 22 de agosto de 2019

ISSN 1983-392X

Anencefalia

PGR defende interrupção de gravidez de feto anencéfalo

Alegação é que anencefalia é patologia incurável, incompatível com o desenvolvimento da vida extra-uterina.

terça-feira, 10 de abril de 2012

A PGR defende em parecer o direito fundamental da gestante de interromper gravidez de feto anencéfalo, alegando que a anencefalia constitui patologia incurável, incompatível com o desenvolvimento da vida extra-uterina, que pode ser diagnosticada com 100% de certeza.

Segundo Deborah Duprat, que enviou o parecer em julho de 2009, quando exercia o cargo de procuradora-geral da República, a proibição de antecipar a gravidez de fetos com anencefalia vai contra o direito à liberdade, à privacidade e à autonomia reprodutiva, além de ferir o princípio da dignidade da pessoa humana e o direito à saúde.

Segundo o texto, a maior parte dos fetos anencéfalos morre durante a gestação: "Aqueles que não falecem durante a gravidez têm curtíssima sobrevida, de natureza meramente vegetativa, em geral de poucos minutos ou horas."

Confira o parecer na íntegra.

leia mais

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco VIVO
Advertisement

últimas quentes