Domingo, 15 de setembro de 2019

ISSN 1983-392X

STF cassa liminares concedidas a magistrados do MT punidos pelo CNJ

Ministro Celso de Mello reajustou seu posicionamento reconhecendo a competência originária do CNJ para investigar e punir magistrados.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Em julgamento realizado nesta quarta-feira, 14, o plenário do STF, por unanimidade, cassou liminares concedidas a dez magistrados do Estado de MT que haviam sido punidos pelo CNJ com a aposentadoria compulsória.

As liminares foram concedidas pelo ministro Celso de Mello, em 2010, para que esses magistrados retornassem aos seus cargos e, no julgamento de hoje, o próprio ministro Celso reajustou seu posicionamento e cassou as liminares, reconhecendo a competência originária do CNJ para investigar e punir magistrados.

Na ocasião das decisões liminares, o relator destacou que, ao enviar o caso diretamente ao CNJ, sem antes submetê-lo ao TJ/MT, o então corregedor-geral da Corte estadual "teria provocado indevida supressão da competência primária do Tribunal de Justiça para agir, em caráter prioritário, no plano administrativo-disciplinar, em ordem a apurar (e eventualmente punir), de modo regular e adequado, alegadas transgressões funcionais supostamente cometidas por seus membros e juízes de direito".

Ainda naquela ocasião, o ministro Celso de Mello destacou que o CNJ deveria ter um papel subsidiário e complementar em relação aos tribunais, atuando somente quando constatada a ineficácia dos mecanismos ordinários de administração e repressão do Poder Judiciário local.

Mas, diante da decisão do plenário do STF, na ADIn 4638, no sentido de que o CNJ tem competência originária e concorrente com os tribunais, na sua incumbência de zelar pela autonomia e pelo bom funcionamento do Poder Judiciário, o ministro ajustou seu posicionamento sobre o tema para aplicar o entendimento firmado pela Corte. De acordo com esse entendimento, a própria CF/88 garantiu tais competências ao CNJ (artigo 103-B, parágrafo 4º).

"Tendo em vista que o único fundamento que me levou a conceder o provimento cautelar foi o princípio da subsidiariedade, eu digo que, não obstante a minha pessoal convicção em sentido contrário, devo ajustar meu entendimento à diretriz jurisprudencial prevalecente nesta Corte em respeito e em atenção ao princípio da colegialidade", afirmou Celso de Mello.

O ministro Cezar Peluso, que na ocasião do julgamento da ADIn 4638 votou contra a competência originária do CNJ, também acolheu o que decidido pela maioria e aderiu ao voto do ministro Celso para cassar as liminares. A decisão foi tomada em recursos interpostos pela União contra as liminares concedidas pelo ministro Celso, que levou o caso para a apreciação do Plenário na sessão desta quarta.

Acusações

Os magistrados foram punidos pelo CNJ em razão de suposto envolvimento em esquema de desvio de verbas públicas, no montante de mais de R$ 1,4 milhão, com o objetivo de socorrer a Loja Maçônica Grande Oriente do Estado de Mato Grosso. De acordo com o então corregedor do TJ/MT, os magistrados teriam recebido, daquele tribunal, em torno de R$ 250 mil cada um e teriam emprestado à entidade por meio de contrato escrito, o que, na opinião do corregedor, seria ilícito e caracterizaria um possível esquema de favorecimento com utilização de dinheiro público.

As liminares haviam sido concedidas nos seguintes MSs: MS 28712, MS 28743, MS 28784, MS 28799, MS 28801, MS 28802, MS 28889, MS 28890, MS 28801, MS 28892.

leia mais

patrocínio

Bradesco VIVO
Advertisement

últimas quentes