Domingo, 22 de setembro de 2019

ISSN 1983-392X

Reforma

Projeto do novo CP começa a tramitar no Senado

Trata-se do PLS 236/12.

terça-feira, 10 de julho de 2012

O anteprojeto do CP, elaborado por Comissão Especial de Juristas ao longo de mais de sete meses de trabalho, foi apresentado ontem pela mesa como PLS 236/12, com justificação assinada pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB/AP).

A proposta prevê mudanças polêmicas: transforma a exploração dos jogos de azar em crime; descriminaliza o plantio e o porte de maconha para consumo; amplia possibilidades do aborto legal; e reforça a punição a motoristas embriagados. O trabalho dos juristas foi presidido pelo ministro do STJ Gilson Dipp.

Uma comissão temporária de 11 senadores será responsável por discutir o projeto e propor mudanças antes de sua votação pelo plenário. A indicação de nomes para a comissão será feita pelos líderes partidários segundo o critério da proporcionalidade.

Uma vez indicados os membros, a comissão temporária do código deve se reunir no dia seguinte para eleger presidente e vice-presidente, além dos relatores – um geral e outros parciais. A comissão então recebe emendas e depois elabora seu parecer, que será votado pelo plenário do Senado. O projeto, a requerimento, pode passar pela CCJ.

Se aprovado, o novo código segue para a Câmara dos Deputados. O último passo é a sanção presidencial.

Aperfeiçoamentos

Na justificação da proposta, Sarney destaca que, mesmo com muitas virtudes, o texto ainda deve ser trabalhado e aperfeiçoado. Ele explicou que apresentou o anteprojeto sem alterações, mas, por uma questão de "consciência e religião", se sente no dever de declarar o seu posicionamento contrário a artigos que dispõem sobre eutanásia, aborto e drogas.

"A minha assinatura no projeto não significa que encampo todas as teses; na realidade, o meu encaminhamento é uma função institucional como Presidente do Senado Federal", esclarece.

Por outro lado, Sarney ressaltou que o projeto traz avanços notáveis ao endurecer o tratamento penal em relação à tortura, ao conferir maior proteção aos animais e ao enfrentar a questão do bullying, entre outros temas.

"Espero que a nova legislação possa se converter num poderoso instrumento para combater a criminalidade e melhorar a segurança pública", diz.

O texto do projeto está organizado em mais de 500 artigos, ante os 356 do atual CP. Conforme o relator da Comissão de Juristas, o procurador da República Luiz Carlos Gonçalves, a maior quantidade de artigos decorre da incorporação ao texto de aproximadamente 130 leis que abordam temas penais de forma autônoma.

Na prática, quase toda a chamada "legislação extravagante" – leis penais que não fazem parte do CP – foi transposta para o projeto, como as leis de drogas e da lavagem de dinheiro. Também foi absorvida a parte de crimes de leis abrangentes, como o Estatuto do Idoso e o ECA.

leia mais

patrocínio

Bradesco VIVO

últimas quentes