Quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

ISSN 1983-392X

Novela em Migalhas

Bernardo Guimarães - um discípulo de Byron no sertão

Bernardo Guimarães estudou Direito no Largo de São Francisco, ambiente que lhe seria propício para o desenvolvimento da literatura.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Nascido Bernardo Joaquim da Silva Guimarães, em Ouro Preto-MG, aos 15 de agosto de 1825, o autor cresceu na também mineira Uberaba, travando conhecimento com o sertanejo que mais tarde figuraria em muitos de seus romances, desenvolvidos sobretudo a partir da tradição da narrativa de “causos”. Conforme remarca o crítico Jamil Almansur Haddad, “Bernardo Guimarães não é evidentemente dos tais Quixotes que empunham a lança em prol do estilo. O que ele quer é contar uma história.”

Para o sociólogo e professor de teoria literária da USP Antonio Candido, embora um dos livros mais famosos de Bernardo, A Escrava Isaura, seja situado na Província do Rio de Janeiro, “o seu mundo predileto é o oeste de Minas e o sul de Goiás, onde se passam O Ermitão de Muquém, O Seminarista, O Garimpeiro, O Índio Afonso, A filha do Fazendeiro, que constituem o bloco central e mais característico da sua ficção.”

Bernardo Guimarães estudou Direito no Largo de São Francisco, ambiente que lhe seria propício para o desenvolvimento da literatura – fundou, com Álvares de Azevedo e Aureliano Lessa a célebre Sociedade Epicureia, que pretendia realizar os sonhos de Byron, a cujos princípios o exímio tocador de violão e amante de boa cachaça seria fiel para sempre. De acordo com a moda da época, sua iniciação nas letras fez-se pelas portas da poesia marcada pelo devaneio e pelo macabro, para mais tarde, a partir da década de setenta, lançar-se à ficção.

Foi juiz em Catalão-GO em dois períodos (1852-1854 e 1861-1863), no intermédio dos quais foi jornalista no Rio de Janeiro. A experiência em Goiás propiciou-lhe voltar ao ambiente caboclo de sua infância e ali ouvir as histórias e crendices que lhe inspirariam romances.

Em 1861 ocorre um dos causos famosos de Bernardo Guimarães, narrado pela pena de seu neto, José Armelin Bernardo Guimarães:

Ao assumir interinamente o juizado de Direito e impressionado com o mau tratamento que os presos recebiam, Bernardo convoca uma sessão extraordinária de júri para julgar 11 réus. Foram todos absolvidos e soltos imediatamente. O presidente da província, José Martins Pereira de Alencastre, move processo contra Bernardo. O processo não dá em nada em função de mudanças no Governo, o juiz titular (Virgínio Henriques Costa) é transferido para uma comarca vizinha e Bernardo ocupa o cargo até 1863.”

Em 1864 ou meados de 1865, volta a sua terra natal, Ouro Preto, como professor de retórica e poética do Liceu Mineiro; dá aulas de francês e latim em Queluz-MG (hoje Conselheiro Lafaiete); casa-se em 1867 com Teresa Maria Gomes de Lima Guimarães, com quem tem oito filhos; em 1868, volta a viver ainda um tempo no Rio de Janeiro, para enfim fixar-se de vez em Ouro Preto.

É um de seus descendentes, Armelin Guimarães, quem relata:

“Parece-me que a partir de 1877 já Bernardo Guimarães havia abandonado, de vez, o magistério. Passou, desde então, a viver dos caraminguás que lhe rendiam esporadicamente os direitos autorais. O Garnier era seu patrão...

As aulas de Bernardo andavam com urucubaca. As cadeiras de Retórica e Poética do Liceu de Ouro Preto havia muito estavam suprimidas. As de Filosofia e Literatura do Colégio de Congonhas foram fogo de palha. A Queluz não iria mais.

A advocacia, já tinha mesmo mandado às favas. Cargos de nomeação do Governo, nem queria ouvir falar nisso! Da política fugia como o diabo foge da cruz. Nem pensar queria em seguir ao pai, que fora parlamentar em vários períodos legislativos na Assembleia Provincial, embora lhe acenasse com propostas e certos favoritismos de mão beijada, que outros não rejeitariam. E não seria nem cascudo nem ximango. Permaneceria um independente. Entregar-se-ia inteiramente às letras e às musas, nem que para tanto fosse preciso passar à água e angu.”

Foi por essa época, em 30 de março de 1881, que o Imperador D. Pedro II chegou em visita à velha capital das Gerais e manifestou o desejo de encontrar-se com o autor de A Escrava Isaura. Verdadeiro “inimigo das formalidades”, como mais tarde o classificaria Sílvio Romero, todos temeram pela recusa do escritor. O encontro deu-se, contudo, com a intermediação de d. Teresa, dos filhos do escritor e dos criados da casa:

“D. Pedro II, ao ver o poeta, rompendo o cerimonial rotineiro, levantou-se e avançou para o seu lado, abraçando-o, comovido. O monarca, que também fazia versos, externou-lhe a profunda admiração que por ele tinha, e o desejo de possuir, tomadas das próprias mãos do escritor, todas as obras já publicadas.”

Conta a tradição que ao final do encontro, o Imperador teria oferecido ao escritor o título de barão, ao que teria tido como resposta:

-- Sou, Majestade, um homem pobre. Onde já se viu um barão sem baronato?

E assim, pobre, morre em 1884.

__________

Temos o orgulho de apresentar mais um volume da série de aforismos de grandes autores. São chegadas as "Migalhas de Bernardo Guimarães".

Para comprar, clique aqui.

leia mais

patrocínio

Bradesco VIVO
Advertisement

últimas quentes