Segunda-feira, 22 de outubro de 2018

ISSN 1983-392X

Liminar

Tim não pode cortar 3G após fim de franquia

Se contrato previa apenas a redução de velocidade, operadora não pode alterá-lo unilateralmente.

terça-feira, 17 de março de 2015

O juiz de Direito Edmundo Lellis Filho, da 1ª vara Cível de SP, deferiu pedido de liminar feito pelo advogado Vinicius Koptchinski Alves Barreto para que a Tim se abstenha de cortar o pacote de internet após fim da franquia contratada.

O causídico alegou que contratou com a operadora um pacote de dados que garantia a ele o uso de 30 MB por dia. De acordo com o contrato, caso ele excedesse esse limite poderia ou contratar mais 30 MB ou navegar com internet reduzida. No entanto, sem aviso prévio, a Tim começou a suspender o uso do pacote de dados nos dias em que ele excedeu a franquia diária.

De acordo com ele, antes da Tim começar a suspender o serviço, embora a navegação ficasse ligeiramente prejudicada, a redução da velocidade não impedia a troca de e-mails e mensagens para fins profissionais, especialmente durante trabalhos externos/diligências forenses.

Para o juiz Edmundo Lellis Filho, ficou demonstrada a alteração unilateral do contrato por parte da operadora. Desta forma, o magistrado considerou que a alteração contratual de um negócio já celebrado e consumado é ato lítico e deferiu o pedido de liminar para que a Tim "desconsidere a alteração unilateral que dispõe em contrário aquilo que fora pactuado pelas partes na celebração do referido contrato". A decisão vale apenas para o advogado, autor do pedido.

Veja a íntegra da liminar.

informativo de hoje

patrocínio

VIVO
Advertisement

últimas quentes