Sexta-feira, 22 de novembro de 2019

ISSN 1983-392X

Mensagem

Siegfried Ellwanger envia mensagem a Celso de Mello

quinta-feira, 24 de julho de 2003

                                   Mensagem

 

Veja abaixo a mensagem enviada ao Ministro Celso de Mello por Siegfried Ellwanger:

 

Exmo. Sr.

Ministro Celso de Mello

Supremo Tribunal Federal

No dia 9/4/03, o informativo “Migalhas” (*) de assuntos jurídicos e gerais, via Internet, confirmou que o Exmo. Sr. Min. Maurício Corrêa havia solicitado um Parecer a respeito do meu HC 28424 ao Rabino Henry Sobel, após a sessão do STF de 12/12/02, que recebeu o voto favorável do Exmo. Sr. Ministro Moreira Alves, Relator do mesmo.

Esclarecemos a V.Excia. que o consultado Rabino Sobel, conforme Livro “Herança Judaica” Nº 39, de setembro de 1979, p.22, assevera que Judaísmo e Sionismo são sinônimo; todo sionista é judeu, e todo judeu deve ser sionista. Porque o Sionismo, antes de mais nada é a unidade do povo judeu”.

 

“Quando declaramos ao mundo que somos SIONISTAS, afirmamos nossa crença na unidade do POVO JUDAICO QUE NÃO CONHECE FRONTEIRAS GEOGRAFICAS” (grifos nossos).

No livro “Realidades de Israel”, de distribuição gratuita para a Comunidade, p.284, consta:

“um relacionamento único e dinâmico tem existido entre os judeus na Terra de Israel e aqueles que vivem fora dela. Embora separados por longas distâncias durante muitos séculos, os judeus PERMANECERAM UMA SÓ NAÇÃO, LIGADOS UNS AOS OUTROS POR UMA HISTÓRIA, RELIGIÃO E PÁTRIA COMUM e um compromisso coletivo com a sobrevivência física e espiritual do povo judeu em todos os lugares”. (grifos nossos)

 

“Os judeus fora de Israel, participam da construção do país através de CONTRIBUIÇÕES FINANCEIRAS, APOIO SOCIAL E POLÍTICO”. (grifos nossos).

 

À p.67, do “Realidades de Israel”:

“A Lei do Retorno, de 1950, garante a CADA JUDEU o direito de retornar a Israel e, ao chegar, adquirir AUTOMATICAMENTE sua cidadania”. (grifos nossos).

 

Na revista “Shalom” Ano XXV, Nº 274, agosto de 1989, p.7, o rabino HENRY SOBEL escreveu:

“Os nossos próprios desejos e vontades devem assumir uma importância secundária diante da sobrevivência do povo de ISRAEL. Um exemplo: os casamentos mistos, refiro-me a casamentos sem conversão. Não importa quão intenso seja o envolvimento pessoal, o casamento misto representa UM TREMENDO GOLPE contra o futuro DO NOSSO POVO. E desprezar a Aliança é cometer CRIME contra a Aliança de Israel(grifos nossos).

O Sr.Rabino aproveitou a grande oportunidade oferecida pelo Min. Corrêa, convocando imediatamente o advogado sionista Décio Milnitsky, com o qual subscreveu um Memorial, que foi entregue para promover as opiniões de outros três sionistas (assim considerados pelo próprio rabino): Celso Lafer, Izidoro Blickstein e Sônia Ramagem, englobadas no longo Parecer entregue ao STF como “contribuição”.

Esclarecemos que SIONISMO é um movimento político, ideológico, nacionalista e racista voltado TOTALMENTE aos interesses não do nosso Brasil mas de Israel. O racismo e a descriminação em Israel, além dos palestinos, atinge até os negros de religião judaica vindos da Etiópia, os falashas, impedidos, pela cor, de residir nas proximidades de bairros de israelitas brancos, para não desvalorizar seus imóveis.

Num país multirracial como nosso, onde convivem e se entrelaçam númeras raças, o Rabino Sobel, numa expressão máxima de racismo, de preconceito e de repulsa ao país que o acolhe há mais de 30 anos, ao ser entrevistado pela Revista IstoÉ, de 1/8/2001, perguntado sobre “a possibilidade de sua filha vir a namorar e até casar com alguém não judeu”, respondeu claramente: “Ficaria muito triste. Porque a minha lealdade para com o judaísmo é número Um”.

 

O Exmo.Sr. Dr. Luiz Carlos de Castro Lugon (Relator convocado), nos autos da AP.Nº 96.04.19980-3-RS-1ªT.-do TRF, assim se manifestou, em 12/11/1996, por ocasião do julgamento de crime de preconceito de raça ou cor, em que figurou como denunciado Irton Marx:

Uma das marcas mais fortes do racismo é a condenação aos casamentos multi-raciais, que parte da crença da pureza étnica, tão a gosto do nazismo e que tantos crimes contra a humanidade ensejou”.

 

Solicitamos uma rápida reflexão sobre o que aconteceria, com nossa Pátria, caso os brasileiros descendentes de italianos, alemães, japoneses, portugueses, espanhóis, árabes, poloneses, ucranianos, argentinos, uruguaios, etc. etc. agissem da forma apregoada por SOBEL & Cia.

 

Fazemos referência ao jornal “O Estado de São Paulo”, do dia 5/5/03, onde pretendem transformar em polêmica nacional a opinião do Arcebispo D.Dadeus Grings (que trabalhou durante muitos anos no Vaticano), acusado de racista, por haver escrito que o número de judeus, vítimas do nazismo, teria sido um milhão e não de seis milhões, completando que as grandes vítimas do nazismo não foram os judeus mas os cristãos, e queixando-se do fato dos judeus insistirem nas suas vítimas, como se tivessem sido os únicos a sofrerem sob o regime nazista.

Esta opinião sofreu críticas e até ofensas de membros sionistas na imprensa, Federação Israelita, Confederação Israelita e motivou até uma visita à Cúria Metropolitana de Porto Alegre, de comitiva acompanhando o Embaixador de Israel.

O Rabino Sobel, também indignado com essa opinião, escreveu ao Arcebispo: Sua frase não ofende apenas a comunidade judaica; ofende a verdade, insulta a consciência coletiva e magoa profundamente a todos os seus irmãos que se empenham em impedir a repetição dos vergonhosos episódios de perseguição religiosa do passado”.

 

O Sr. Arcebispo em artigo publicado a seguir, achando injusto que alguém possa considerá-lo racista pelo fato de contestar os números do holocausto, escreveu: Nada tenho contra os judeus e sou partidário fervoroso de um diálogo inter-religioso, mas,como estudioso da História, procuro conhecer a verdade e inteirar-me, com objetividade e sem preconceitos, da realidade dos fatos.

 

É surpreendente solicitar um Parecer referente ao HC 82424, justamente para pessoas, ligadas a um poderoso movimento político e RACISTA ESTRANGEIRO, que persegue implacável e impunemente o ex-industrial e historiador Siegfried Ellwanger, de 75 anos, dentro de sua própria Pátria, desde 1987, sem o menor respeito aos seus longos estudos e pesquisas, através de contínuos processos judiciais e boicotes que efetuam, nas livrarias, aos livros de sua editora, com os quais não concordam e desejam incinerar – maioria inclusive de autores laureados das nossas Academias de Letras – usando as facilidades que têm na mídia para divulgar difamações, calúnias e mentiras a respeito do mesmo.

 

Está havendo um inaceitável e impune desrespeito a pesquisadores brasileiros, cujas opiniões procuram impedir para que cheguem ao conhecimento do nosso povo, apesar de não serem contra nenhuma raça ou povo, mas apenas contra histórias, que não mais se confirmam, porém que o Sionismo impôs ao mundo, há mais de meio século e diariamente repetidas, fato que consideramos ser a maior lavagem cerebral de todos os tempos.

 

O sionismo é atacado por milhares de Rabinos e judeus no mundo, conforme dá para ver claramente no portal www.nkusa.org , que não são apenas contra o Sionismo, mas contra a própria existência do Estado de Israel, que consideram um câncer para os judeus, e são totalmente favoráveis à Palestina naquelas terras ocupadas.

 

Qualquer acusação de racista, assim como qualquer citação ligando Siegfried Ellwanger a movimentos políticos ou ideológicos não brasileiros, no presente ou no passado, é totalmente mentirosa, ao contrário das ligações dos seus acusadores/inimigos.

 

Ele é perseguido por conferir e revelar trapaças históricas sionistas e não por racismo. Os revisionistas não são ‘negacionistas’ nem estão animados por sombrias intenções. Procuram dizer o que se passou e não o que NÃO se passou. O que anunciam é uma boa nova !

A vontade do movimento sionista é atirar na fogueira seus mais de 30 anos de exaustivos estudos/pesquisas/conhecimento, objetivando ficar na privilegiada posição de inatacáveis vítimas.

Caso fosse confirmado esse objetivo Sionista ESTARIA ACABADA A LIBERDADE DE ESCREVER SOBRE ASSUNTOS DE HISTÓRIA EM NOSSO PAÍS QUE ENVOLVESSE JUDEUS, pois passaria a vigorar sua vontade expressa há mais de 100 anos, no Capítulo XII dos“Protocolos dos Sábios de Sião” (obra considerada “apócrifa” pelos sionistas, apesar do original estar arquivado no Museu de Londres !), que diz:

 

“Nada será comunicado à sociedade SEM NOSSO CONTROLE. Esse resultado já foi alcançado em nossos dias (fim do século XIX !), porque todas as notícias são recebidas por diversas agências que as centralizam de todas as partes do mundo. Essas agências estarão, então, inteiramente em nossas mãos e só publicarão o que consentirmos”.

 

“Quem quer que deseje ser Editor, bibliotecário ou impressor, será obrigado a obter um diploma, o qual, no caso do seu possuidor se tornar culpado de um malefício qualquer, será imediatamente confiscado”.

 

“Se houver quem deseje ESCREVER CONTRA NÓS, não haverá quem imprima”. “Antes de aceitar uma obra para imprimir, o editor ou impressor consultará as autoridades afim de obter a necessária autorização. Deste modo conheceremos de antemão as emboscadas que nos armam e as destruiremos, dando explicações com antecedência sobre o assunto tratado”. (grifos nossos)

 

NADA PODE SER MAIS EXPLÍCITO !

No antecipado e longo voto de V. Excia. negando o HC solicitado, também ficou bem identificada a influência no Parecer solicitado ao Rabino Sobel e entregue ao STF. Chamou a atenção nesse voto escrito e lido, que foi preparado e concluído no dia 8/04/03, (conforme as próprias palavras de V.Excia., pois foi o motivo para justificar sua ausência, naquele dia, das homenagens aos 3 Ministros que se afastariam por idade) as várias citações, elogios e referências impressas e lidas (conforme mostrado nitidamente pela TV-Justiça), que fez sobre o longo parecer/voto que o Min. Corrêa havia lido momentos antes, na sessão do dia 9/4, ficando claro que V.Excia.escreveu seu votoapós ler e conhecer com antecedênciao voto do hoje Exmo. Sr. Presidente do STF .

Cordialmente

CNPH – CENTRO NACIONAL DE PESQUISAS HISTÓRICAS

Fundado em 08/06/1992 – Reg. Nº 16.350

CGC 97.264.626/001-47

Rua Dr. Voltaire Pires, 300 Cj.2-b – Cep 90640-140

Porto Alegre – RS - Brasil

________________________

*Nota da Redação - Migalhas, na realidade, divulgou um artigo de Elisabeth V. De Gennari, do escritório Bottallo e Gennari, Advogados. Clique aqui para ver o artigo.

____________

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes