Segunda-feira, 21 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

Regras CPC

Conciliadores e mediadores utilizam técnicas para conduzir acordo entre as partes

Conheça as 12 técnicas essenciais para que as partes conquistem bom resultado.

sábado, 11 de março de 2017

Para ser um conciliador ou um mediador é necessário, além de ter conhecimento das normas, dominar as 12 técnicas existentes para conduzir as reuniões de forma que ambas as partes saiam satisfeitas. Todas as práticas executadas são baseadas em regras estabelecidas pelo CPC.

Na mediação, por exemplo, o mediador não influencia as partes a chegarem a solução. Durante o diálogo, ele estabelece pontes de comunicação com o objetivo de auxiliar na identificação dos interesses comuns, para que as partes possam por si só construir a solução do problema por meio da autocomposição.

Já na conciliação, o conciliador auxilia na relação processual, gerenciando as negociações – sugerindo propostas, apontando vantagens e desvantagens, com o fim de alcançar o acordo entre os envolvidos.

Sendo assim, as 12 técnicas são essenciais para que as partes junto com o conciliador e mediador cheguem ao êxito. São elas: Recontextualização do caso; audição de propostas implícitas; apoio; silêncio; sessões privadas ou individuais; inversão dos papéis; perguntas orientadas a geração de opções; normalização; organização de questões e interesses; enfoque prospectivo; teste de realidade e validação de sentimento.

A pré-mediação também é importante, pois é o momento do condutor da audiência causar uma "boa impressão" para conquistar a confiança, explicando que tudo o que for conversado na audiência será sigiloso. Razão pela qual, as partes podem desabafar, dialogar com o objetivo de estabelecer uma conversa aberta, para que a solução justa do conflito seja alcançada.

A coordenadora da câmara de conciliação on-line Vamos Conciliar, Perla Cruz, explica que um dos maiores desafios do mediador consiste em desarmar as partes de suas defesas e acusações. Dessa forma, essas técnicas funcionam para estimular as partes a construir o entendimento recíproco.

A coordenadora explica, ainda, que é importante conhecer essas técnicas, pois através delas o procedimento terá uma chance maior do sucesso.

"São ferramentas que, se bem utilizadas, podem alterar o curso da mediação e a percepção de satisfação das partes quanto ao serviço autocompositivo prestado", finaliza Perla.

A aproximação das técnicas aos operadores de processos de resolução de disputas possam efetivamente atuar como estímulos da pacificação social.
__________

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes