Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

ISSN 1983-392X

AMCHAM pede mudanças na Tributária

Estudo será entregue ao Ministro da Fazenda

quinta-feira, 2 de outubro de 2003

 

AMCHAM pede mudanças na Tributária

A Câmara de Comércio Americana quer implementar mudanças na reforma tributária durante a tramitação da proposta no Senado. Amanhã a AMCHAM entrega ao ministro da Fazenda, Antônio Palocci, uma análise da PEC nº 41-B/2003, que critica o texto aprovado pela Câmara dos Deputados.

Entre os pontos mais criticados pelo documento estão a não-cumulatividade plena de impostos e contribuições incidentes sobre o faturamento e a desoneração da produção. "É preciso desonerar a produção e firmar um compromisso para acabar de vez com a cumulatividade", afirma o Roberto Pasqualin, que preside a força-tarefa de reforma tributária da AMCHAM de São Paulo. A análise foi elaborada em conjunto com as câmaras de Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Porto Alegre e Recife.

A Câmara já havia proposto emendas antes, mas a única acolhida foi a de isenção tributária dos produtos da cesta básica.

Apesar das críticas, o estudo destaca grandes avanços como a federalização do ICMS e sua simplificação, bem como a nacionalização do Simples, para que todas as pequenas e micro empresas paguem todos os tributos (federais, estaduais e municipais) de forma simplificada. "A unificação do ICMS deverá acabar com futuras guerras fiscais, pois a renúncia ao imposto não será mais usada como um estímulo na atração de empresas", diz Pasqualin. O problema é que só daqui há onze anos, conforme prescrito nas disposições transitórias.

______________

informativo de hoje

patrocínio

Bradesco Advertisement VIVO

últimas quentes